Características de frutos e germinação de sementes de seis espécies de Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul.

Cristina Magalhães Ribas dos Santos, Alfredo Gui Ferreira, Maria Estefânia Alves Áquila

Resumo


A família Myrtaceae é muito bem representada na flora do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Frutos e sementes de seis espécies foram examinados quanto ao tamanho, cor, massa, teor de água. As espécies são: Acca sellowiana (Berg.) Burnet; Campomanesia guazumifolia (Camb.) Berg.; Campomanesia xanthocarpa Berg.; Eugenia rostrifolia Legr.; Myrcianthes pungens (Berg.) Legr. e Psidium cattleyanum Sabine. Avaliou-se o comportamento germinativo das sementes, tendo sido usada como substrato areia de rio autoclavada umedecida com água destilada, colocada em caixas gerbox (11 x 11cm) nas temperaturas constantes de 15, 20, 25 ou 30°C ou na alternada de 15°C - 30°C, com 14 horas na temperatura mais alta. Os experimentos foram efetuados na presença e ausência de luz. Acca sellowiana, Myrcianthes pungens, Psidium cattleyanum mostraram sementes fotoblásticas positivas. Todas as espécies germinaram em noventa dias, exceto Campomanesia guazumifolia, que levou cerca de cento e cinqüenta dias. O conteúdo de água das sementes variou de 9% em Campomanesia guazumifolia até 68% em Myrcianthes pungens, ocorrendo sementes de intermediárias a recalcitrantes em relação à dessecação. Os embriões tipo eugenoide mostraram germinação criptocotiledonar, enquanto os embriões tipo mircióide e pimentóide apresentaram comportamento fanerocotiledonar.


Palavras-chave


<i>Acca sellowiana</i>; <i>Campomanesia guazumifolia</i>; <i>Campomanesia xanthocarpa</i>; <i>Eugenia rostrifolia</i>

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F.J. Marketing de sementes : curso de tecnologia de sementes, módulo UFPel/ABEAS. Brasília (DF), 1998.

ANDRADE, A.C. S. Efeito da luz e da temperatura na germinação de Leandra breviflora Cogn., Tibouchina benthamiana Cogn., T. grandiflora e T.moricandiana (DC) Baill. (Melastomataceae) Revista Brasileira de Sementes, v.17, n.1, p. 29-35, 1995.

ANDRADE, A.C.S.; PEREIRA, T.S. Efeito do substrato e da temperatura na germinação e no vigor de sementes de cedro – Cedrela odorata L. (Meliaceae). Revista Brasileira de sementes , v.16, n.1, p. 34-40, 1994.

ANDRADE, R.N.B.; FERREIRA, A.G. Germinação e armazenamento de sementes de uvaia (Eugenia pyriformis Camb.) –Myrtaceae. Revista Brasileira de Sementes, v.22, n.2, p. 118-125, 2000.

AQUILA, M.E.A.; FERREIRA, A.G. Germinação de sementes escarificadas de Araucaria angustifolia em solo. Ciência e Cultura, v.36, n.9, p. 1583-1590, 1984.

BARROSO, G. M.. Sistemática de Angiospermas do Brasil, Viçosa : Ed. Imprensa Universitaria, 1991. v.2.

BASKIN, C.C.; BASKIN, J.M. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. New York : Academic Press, 1998.

BERJAK, P.; FARRANT, J.M.; PAMMENTER, N.W. The basis of recalcitrant seed behaviour: cell biology of the homoiohydrous seed condition. In: TAYLORSON, R.B. (Ed.). Recent Advances in the development and germination seeds. New York : Plenum Press, 1989. p. 89-108.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York : Plenum Press, 1994.

BOESEWINKEL, F.D., BOUMAN, F. Seed morphology and development. In: KIGEL, J.; GALILI, G. Seed development and germination. New York : Marcel Dekker ,1995. p. 1-24.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Regras de análise de sementes. Brasilia, 1992.

CARVALHO, N.M., NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção Campinas: Fundação Cargill, 1988.

CAVALCANTE, A.M.B., PEREZ, S.C.J.G.A. Efeitos da temperatura sobre a germinação de sementes de Leucaena leucocephala (Lam) de Wit . Revista Brasileira de Sementes, v.17, n.1, p. 1-8, 1995.

FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F.; SCHWAMBACK, L.; SILVEIRA, T.S. Efeito do substrato e pH no desenvolvimento inicial de plantas. Caderno de Pesquisa Serie Botânica, Santa Cruz do Sul, v.6, n.1, p. 13-23, 1994.

FERREIRA, A.G.; CASSOL, B.; ROSA, S.G.T.; SILVEIRA, T.S.; STIVAL, A.L.; SILVA, A.A. Germinação de sementes de Asteraceae nativas. Acta Botanica Brasilica, v.15, n.2, p. 231-242, 2001.

HEYDECKER, W. Stress and seed germination: na agronomic view. In: KHAN, A.(Ed.). The physiology and biochemistry of seed dormancy and germination. Amsterdam : Elsevier, 1997.

IKUTA, A.R. Y., BARROS, I. B. I. Influência da temperatura e da luz sobre a germinação de marcela (Achyrocline satureioides). Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.31, n.12, p. 859-862, 1996.

KAMPF, A. N. Produção comercial de plantas ornamentais. Guaiba: Ed Agropecuária, 2000.

LABOURIAU, L.G. A germinação das sementes. Washington: OEA, 1983. 174 p.

LABOURIAU, L.G.; AGUDOM. On the physiology of seed germination in Salvia hispanica L. II. Light-temperature interactions: preliminary results. Anais da Academia Brasileira de Ciências ,v.59, n.1 p. 37-56, 1987.

MAIRESSE, L.A. da S. Técnicas de biotecnologia como auxiliar no melhoramento genético de espécies florestais. In : REUNIAO TECNICA DE FRUTICULTURA, 5, 1998, Veranopolis. Anais... Veranópolis, 1998.

MARCHIORI, J.N.C.; SOBRAL, M. Dendrologia das Angiospermas – Myrtales. Santa Maria :Ed. UFSM, 1997.

MAYER, A.M. & POLJAKOFF-MAYBER, A. The germination of seeds Pergamon Press (Oxford), 1989.

MEDEIROS, J.D. Reflorestar é Preservar. Ed. Setor de comunicação social/departamento de fumo da Souza Cruz. Florianópolis, 1992.

OROZCO-SEGOVIA, A.& VASQUEZ-YANES, C. Los sentidos de las plantas: La sensibilidad de las semillas a la luz. Ciencia v.43 p. 399-411, 1992.

ROSA, S. G. T. & FERREIRA, A.G. Germinação de sementes de espécies medicinais do Rio Grande do Sul: Bromelia antiacantha Bert., Cuphea carthagenesis (Jacq.) Mccbride e Talinum patens (Jacq.) Willdenow Acta Botanica Brasilica v.12 n.3 p.: 515-522, 1998.

ROSA, S.G. T. & FERREIRA, A.G. Germination of medicinal plant: Smilax campestris Griseb (Salsaparrilha) Acta Horticulturae v.502 p. 105-111, 1999.

SANTOS, C.M.R. Myrtaceae -análises morfológicas e do efeito da temperatura e da luz na germinação de sementes de espécies nativas do Rio Grande do Sul. Porto , UFRGS, 2003. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

SOKAL, R. & ROHLF, F.L. Biometry. W.H. Freeman, San Francisco, 1981.

TAKAKI, M. New proposal of classification of seeds based on forms of phytochrome instead of photoblastism. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal. v.13 n.1 p. 103-107, 2001.

TOWNSEND, C.E. & MACGINNIES, W.J. Mechanical scarification of Cicer Milkvetch ( Astragalus cicer L.) seed. Crop Science v.12: p.392-394, 1972.

ZONTA, E. P. & MACHADO, A.A. SANEST –Sistema de Análise estatística para microcomputadores. Universidade. Federal de Pelotas. Pelotas. 190p. 1984.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981802

Licença Creative Commons