Crescimento e nutrição mineral de mudas de pequi sob efeito da omissão de nutrientes

Leandro Carlos, Nelson Venturin, Renato Luiz Grisi Macedo, Emilio Manabu Higashikawa, Mauro Brino Garcia, Elias de Sá Farias

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813318

A implantação de espécies frutíferas e medicinais nativas do cerrado pode amenizar o aspecto ambiental negativo decorrente da destruição destes recursos naturais, bem como melhorar seu aproveitamento que atualmente se restringe às populações regionais. Entretanto, o êxito desse empreendimento depende em parte do conhecimento das exigências nutricionais dessas espécies. Com o objetivo de avaliar os aspectos nutricionais e os efeitos da omissão de nutrientes no desenvolvimento de mudas de Caryocar brasiliense Camb., conduziu-se um experimento em vasos, em casa de vegetação, num Latossolo Vermelho-Amarelo de baixa fertilidade. Foram empregados 12 tratamentos, sob a técnica do nutriente faltante, em um delineamento de blocos inteiramente casualizados com oito repetições. Adotaram-se os seguintes tratamentos: completo 1 (C1 - adubado com N, P, K, S, B, Cu, Fe, Zn e calagem), completo 2 (C2 - adubado com N, P, K, S, Ca, Mg, B, Cu, Fe, Zn, sem calagem), tratamentos completos omitindo-se quando pertinente cada um dos nutrientes (completo 1 - N, completo 1 - K, completo 1 - S, completo 1 - P, completo 1 - B, completo 1 - Zn, completo 1 - calagem, completo 2 - Ca, completo 2 - Mg), testemunha (solo natural). Aos 180 dias após o plantio foram medidos os diâmetros e a altura das plantas, que foram colhidas e separadas em parte aérea e sistema radicular. As amostras foram secas a 70°C, pesadas, e determinados os teores de nutrientes na biomassa seca da parte aérea, biomassa seca da raiz e biomassa seca total. De acordo com os resultados, conclui-se que a omissão de Zn, K e Mg não afeta o crescimento em altura das mudas de Caryocar brasiliense; durante o período de formação de mudas, nenhuma ausência de nutrientes afeta o desenvolvimento em diâmetro das plantas de Caryocar brasiliense; a biomassa seca total não é afetada pelas omissões dos nutrientes; a relação raiz/parte aérea demonstra que a espécie é adaptada a solos com baixo pH e baixos níveis de fósforo, típicos de cerrado; a espécie Caryocar brasiliense mostra baixa exigência nutricional durante o processo de formação de mudas, embora os resultados possam ter sido mascarados pelas reservas contidas nas sementes; os teores de nutrientes na biomassa seca da parte aérea do pequi são baixos, indicando baixa exigência nutricional da espécie.


Palavras-chave


nutrientes faltantes; <i>Caryocar brasiliense</i>; casa de vegetação; espécie do cerrado

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, F.A. et al. Requerimentos nutricionais de quatro espécies florestais Revista Árvore, Viçosa, v.19, n.1, p.18-32, 1995.

CARNEIRO, J.G.A. Efeito da Densidade sobre o desenvolvimento de alguns parâmetros morfofidiológicos de mudas de Pinus Taeda L. em viveiro e após plantio. Curitiba: UFPR, 1985. 125p.

CARNEIRO, J.G.A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: FUPEF, 1995. 451p.

DAVIDE, A.C.; SILVA, E.A.A. da. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: UFLA, 2008. 175p.

DICKSON, A.; LEAF, A.; HOSNER, J.F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forestry Chronicle, v.36, p.10-13, 1960.

DOMBROSKI, J.L.D.; PAIVA, R.; CARMO, I.P. de. Efeito de escarificação sobre a germinação do pequizeiro (Caryocar brasiliensis Camb). Revista Brasileira de fruticultura, Cruz das Almas, v.20, n.1, p.68-73, abr. 1998.

DUBOC, E. et al. Nutrição do jatobá (Hymenaea courbaril L. var. stilbocarpa(Hayne)Lee et Lang ). Revista Cerne, Lavras, v.2, n.1, p.1-12, 1996.

DURYEA, M.L. Evaluating seedling quality importance to reforestation. In: ______. Evaluating seedling quality principles, procedures, and predictive abilities of major tests. Corvallis: Forest Research Laboratory Oregon State University, 1985. p.1-6.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de métodos de análise de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: CNPS, 1997. 212p.

FONSECA, E.P. Padrão de qualidade de mudas de Trema micantra (L.) Blume., Cedrela fissilis Vell. e Aspisdosperma polyneurom Müll. Arg produzidas sob diferentes períodos de sombreamento. 2000. 113p. Tese (Doutorado em Produção Vegetal)-Universidade Estadual de São Paulo, Jaboticabal.

FREIRE, J.C. et al. Métodos de aplicação de adubos na formação de mudas de Eucalyptus grandis F. Hill ex Maiden. Silvicultura, São Paulo, v.14, p.385-386, 1979.

GOMES, F.P. Curso de estatística experimental. 2.ed. São Paulo: Nobel, 1985. 466p.

HUNT, G.A. Effect of styroblock design and cooper treatment on morphology of conifer seedlings. In: TARGET SEEDLING SYMPOSIUM, MEETING OF THE WESTERN FOREST NURSERY ASSOCIATIONS, GENERAL TECHNICAL REPORT RM-200, 1990, Roseburg. Proceedings... Fort Collins: United States Departament of Agriculture, Forest Service, 1990. p.218-222.

JACKSON, M.L. Análise química de suelos. Barcelona: Omega, 1970. 66p.

KEIL, S.S. Efeito da omissão de nutrientes na composição de óleo de sassafrás (Ocotea odorifera (vell.) Rohwer). 2007. 97p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal-Silvicultura)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

LIMA, A. de. et al. Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliensis, Camb.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.29, n.3, p.695-698, dez. 2007.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 368p.

MALAVOLTA, E. Elementos de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Ceres, 1980. 251p.

MALAVOLTA, E. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. São Paulo: Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, 1989. 201p.

MALAVOLTA, E.; VITTI, G.C.; OLIVEIRA, S.A. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 2.ed. Piracicaba: Potafos, 1997. 319p.

MARQUES, T.C.L.L.M. et al. Exigências nutricionais do paricá (Schizolobium amazonicum. Herb.) na fase de muda. Revista Cerne, Lavras, v.10, n.2, p.167-183, 2004.

MENDONÇA, A.V.R.; NOGUEIRA, F.D.; VENTURIN, N.; SOUZA, J.S. Exigências nutricionais de Myracrodruon urundeuval Fr. All (aroeira do sertão). CERNE, Lavras, v. 5, n. 2, p. 65-75, 1999.

OLIVEIRA, M.E.B. de. et al. Características químicas e físico-químicas de frutos do pequizeiro (Caryocar coriaceum Wittm.). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 20.; ANNUAL MEETING OF THE INTERAMERICAN SOCIETY FOR TROPICAL HORTICULTURE, 54., 2008, Vitória, ES. Anais... Vitória, 2008. CD-ROM.

PEREIRA, A.V. et al. Enxertia de mudas de pequizeiro. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2002. 25p. (Documentos, 66).

RAIJ, B.V. Fertilidade do solo e adubação. São Paulo: Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato/Agronômica Ceres, 1991. 343p.

SANCHEZ, P.A.; SALINAS, J.G. Low-input technology for managing oxisols and ultisols in tropical America. Advances in Agronomy, Madison, v.34, p.279-406, 1981.

SARRUGE, J.R.; HAAG, H.P. Análises químicas em plantas. Piracicaba: ESALQ/USP, 1974. 56p.

SILVA JUNIOR, M.C. da. 100 árvores do Cerrado: guia de campo. Brasília, DF: Ed. Rede de Sementes do Cerrado, 2005. 278p.

SILVA, J.T.A.; BORGES, A.L.; CARVALHO, J.G. Adubação com potássio e nitrogênio em três cíclos de produção da bananeira cv. prata-anã. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.25, n.1, p.152-155, 2003.

SORREANO, M.C.M. Avaliação da exigência nutricional na fase inicial do crescimento de espécies florestais nativas. 2006. 296p. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada)-Escola Superior de Agricultura de Luiz de Queiroz, Piracicaba.

SOUZA, P.A.; VENTURIN, N.; MACEDO, R.L.G. Adubação mineral do ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa). Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n.3, p.261-270, 2006.

TEDESCO, M.J.; VOLKWEISS, S.J.; BOHNRN, H. Análise do solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: UFRGS, 1985. 188p. (Boletim técnico, 5).

VENTURIN, N. et al. Adubação mineral da candeia (Eremanhus erythropappus (DC.) McLeish). Floresta, Curitiba, v.35, n.2, p.211-219, maio/ago. 2005.

VETTORI, L. Métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 1969. 34p. (Boletim técnico, 7).

VIETS JUNIOR, F.G.; LINDSAY, W.L. Testing soils for zinc, Cooper, manganese and iron. In: WALSH, L.M.; BEATON, J.D. (Ed.). Soil testing and plant analylis. Madison: Soil Science society of America, 1973. p.329-488.

WALKLEY, A. & BLACK, I. A. An examination of the Degtjareff method for determining soil organic matter, and a proposed modification of the chromic acid titration method. Soil Science, Baltimore, v. 37, p. 29-38, 1934.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813318

Licença Creative Commons