Mulheres na assessoria de imprensa: relatos de assédios em Imperatriz (MA)

Autores

  • Thaisa Bueno Universidade Federal do Maranhão
  • Michelly Santos de Carvalho Universidade Federal do Maranhão
  • Islene Sousa Lima Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.5902/2316882X65229

Palavras-chave:

Assédio moral, assédio sexual, assessoria de comunicação, Imperatriz

Resumo

O presente estudo constitui uma pesquisa exploratória realizada com jornalistas de assessorias de comunicação públicas e privadas na segunda maior cidade do Maranhão, Imperatriz. A pesquisa confirmou o que outros estudos sobre o tema já mencionavam que há uma incidência muito elevada de casos de assédios entre jornalistas do sexo feminino. O silêncio e o medo de perder o emprego constitui uma característica recorrente. Pouquíssimas vezes elas denunciam e quando o fazem muitas vezes não são levadas à sério.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaisa Bueno, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), mestre em Letras pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Jornalista. Coordena o grupo de pesquisa em Comunicação e Cibercultura (Gciber), na Universidade Federal do Maranhão; e integra o grupo de pesquisa em Ciberjornalismo, numa parceria com a UFMS. Atualmente écoordenadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Comunicação na UFMA de Imperatriz. 

Michelly Santos de Carvalho, Universidade Federal do Maranhão

Jornalista, Socióloga, Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho (Portugal), Professora do Curso de Comunicação Social /Jornalismo da Universidade Federal do Maranhão (Imperatriz – MA), coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudo, Pesquisa e Extensão em Comunicação, Gênero e Feminismos – Maria Firmina dos Reis, membro da coordenação colegiada da Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadoras com Visão de Gênero e Raça (RIPVG – Brasil).

 

Islene Sousa Lima, Universidade Federal do Maranhão

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Especialista em Assessoria de Comunicação Empresarial e Institucional pela UFMA.

Referências

ABREU, A. (org); ROCHA, D. (org). Elas ocupam as redações: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro, Rj: Fgv, 2006.

AMORIM, J. L. de.; BUENO, T. Mulheres jornalistas em pauta: Estado da Arte sobre assédio moral e sexual no Brasil. Pauta Geral-Estudos em Jornalismo, v. 6, n. 2, p. 153-170, 2019. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/article/view/14715/209209212698. Acesso em 27 mai. 2020.

BUENO, T. AMORIM, J. CARVALHO, M. Assédio nas plataformas digitais: um estudo sobre as relações de trabalho das jornalistas na segunda maior cidade do Maranhão. Revista Esferas (no prelo), 2020.

BUENO, T; FONSECA, J. Carreira e Trabalho: Quem é o assessor de imprensa em Imperatriz (MA)?. Revista Intexto, 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/intexto/article/download/82353/54521. Acesso em 27 mai. 2020.

DE GAULEJAC, V. Do assédio moral ao assédio social. In: Assédio Moral: desafios políticos, considerações sociais, incertezas jurídicas. Uberlândia: EDUFU, 2006.

FREITAS, M. E.; HELOANI, J. R.; BARRETO, M. Assédio Moral no Trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

GONSALES, T.; KUTZKE, L. Mudanças na rotina profissional de mulheres jornalistas devido ao assédio sexual, verbal e moral. Revista Paradoxos, v. 4, p. 38-52, 2019.

HIRIGOYEN, M. F. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. 8. ed., Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2015.

KOUBI, G. Variáveis da noção de assédio. In: BRESCIANI, M. S.; SEIXAS, J. (org.). Assédio Moral: desafios políticos, considerações sociais, incertezas jurídicas. Uberlândia: EDUFU, 2006.

LIMA, D. S.; SANTOS, W. O.; TAVARES, C. Q. Relações de gênero na rotina de trabalho de mulheres jornalistas: um estudo de Imperatriz e Balsas, no Maranhão. Revista Latino-americana de Jornalismo. João Pessoa, Brasil, ano 6, v. 6, n. 2, jul./dez. 2019, p. 300 a 32. Disponível em:https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ancora/article/view/49585/28792. Acesso em 27 mai. 2020.

OLIVEIRA M.; MAIO, E. (2016). Você tentou fechar as pernas? ” – a cultura machista impregnada nas práticas sociais. Polêmica, v. 16, n.3, p. 01-18, julho, agosto e setembro 2016.

REIMBERG, C. O. Quando o trabalho do jornalista é cenário para o assédio moral. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015, Rio de Janeiro. Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: Intercom, 2015. p. 1-15.

WOITOWICZ, K. J.; ROCHA, P. M. As mulheres na conquista de espaços no jornalismo paranaense: invisibilidade, lutas históricas e o processo de feminização da profissão. In: BIANCHI, G.; WOITOWICZ, K. J.; ROCHA, P. M. (Org.). Gênero, mídia & lutas sociais: percepções críticas e experiências emancipatórias. 1ed.Ponta Grossa: Editora UEPG, 2018, v. 1, p. 28-43.

Downloads

Publicado

2022-03-25

Como Citar

Bueno, T., Santos de Carvalho, M., & Sousa Lima, I. (2022). Mulheres na assessoria de imprensa: relatos de assédios em Imperatriz (MA). Cadernos De Comunicação, 26(1). https://doi.org/10.5902/2316882X65229

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)