O GRITO DA QUEBRADA – A POTÊNCIA INTERSECCIONAL COMO ARMA NO MAINSTREAM

Thiago Tavares das Neves

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo trazer para o debate comunicacional reflexões teóricas do campo da música, do entretenimento e da interseccionalidade tendo como protagonista a artivista musical de gênero Linn da Quebrada. Linn funcionará como uma chave epistemológica, um operador que por meio dela será possível problematizar questões da música, da comunicação e da interseccionalidade na esfera do entretenimento midiático de maneira transversalizada. Como recurso metodológico foi utilizado trechos de entrevistas de Linn em diversos suportes midiáticos, assumindo-os como materialidade comunicacional. Conclui-se que Linn é criadora de sua própria epistême e através de sua potência intereseccional é possível uma voz subalternizada com sua força política ganhar visibilidade no mainstream.


Palavras-chave


Cultura Pop; Música; Comunicação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2175497740142 ';



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Apoio

Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-graduação em Comunicação

Animus recebe apoio financeiro do edital

PRÓ-REVISTAS 2019 nº 046/2019

 

ANIMUS - Revista Interamericana de Comunicação Midiática

e-mail: revistaanimus@ufsm.br

Classificação Qualis-CAPES: A3

Temática classificada CNPQ: Comunicação: 6.09.00.00-8

DOI: 10.5902/21754977

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Indexada em:

Compartilhe Revista Animus