A influência dos percursos percorridos pela língua portuguesa no Brasil na produção nacional de instrumentos linguísticos

Felipe Echevarria, Eliana Rosa Sturza

Resumo


Sob a perspectiva teórica da História das Ideias Linguísticas, o presente artigo apresenta os processos pelos quais a língua portuguesa passou até se firmar como língua nacional do Brasil e ser incluída como disciplina escolar nas escolas brasileiras. Também apresentamos a importância das gramáticas e dicionários feitos por autores brasileiros como forma de consolidar um sentimento de nacionalidade e como uma maneira do país ter uma gramática brasileira. Observamos que o processo de institucionalização da língua portuguesa no Brasil foi longo, pois ao chegar ao país o português deparou-se com outras línguas e disputou espaço com elas até consolidar-se como língua nacional e, como possível resultado do presente trabalho, compreendemos que o longo tempo de duração desses percursos fez com que a produção nacional de instrumentos linguísticos (gramáticas e dicionários) distintos dos de Portugal fosse tardia.

Palavras-chave


dicionário; gramatização; História das Ideias Linguísticas; língua portuguesa; língua nacional.

Texto completo:

PDF

Referências


AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

ANGELO, G. Revisitando o ensino tradicional de língua portuguesa. 2005. 265 f. Tese (doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade de Campinas, Campinas, 2005.

BRANCO, N. L. O funcionamento da noção de língua em dicionários. In: VI Seminário de Estudos em Análise do Discurso, 2013, Porto Alegre. Anais do VI SEAD - Seminário de Estudos em Análise do Discurso, 2013. v. 6. p. 1-6.

BUNZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 11, n. 34, p. 885-911, set./dez. 2011.

FARACO, C. A. Por uma pedagogia da variação lingüística. In: CORREA, D. A. (Org.). A relevância social da linguística: linguagem, teoria e ensino. São Paulo: Parábola Editorial; Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2007.

FERREIRA, V. R. S. Produção de dicionários contemporâneos com línguas em contato: o caso do português e das línguas indígenas brasileiras. In: Aparecida Negri Isquerdo; Lídia Ameida Barros. (Org.). As Ciências do Léxico. Lexicologia, Lexicografia e Terminologia. Campo Grande: UFMS, 2010, v. V, p. 267-275.

FREIRE, J. R. B. Nheengatu: a outra língua brasileira. In: História social da língua nacional / Organizadoras: Ivana Stolze Lima, Laura do Carmo. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; 2008.

GUIMARÃES, E. A língua portuguesa no Brasil. In: Ciência e Cultura. vol.57 nº.2. São Paulo Abril/Junho 2005a.

______. Política de Línguas na Linguística Brasileira- Da abertura dos cursos deLetras ao Estruturalismo. In: ORLANDI, Eni P. (org.) Política Linguística no Brasil.São Paulo: Pontes, 2007.

______. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2ª edição, 2005b.

______. Sinopse dos estudos do português no Brasil: a gramatização brasileira. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. (Orgs.) Língua e cidadania: O Português no Brasil. Campinas: Pontes, 1996.

HOBSBAWN, E. J. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

KRIEGER, M da G. et al. O século XX, cenário dos dicionários fundadores da lexicogracia brasileira: relações com a identidade do português do Brasil. São Paulo: Revista Alfa, 50, 2006.

LIMA, I. S. Língua nacional: histórias de um velho surrão. In: História social da língua nacional / Organizadoras: Ivana Stolze Lima, Laura do Carmo. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; 2008.

LUCCHESI, D. Africanos, crioulos e a língua portuguesa. In: História social da língua nacional / Organizadoras: Ivana Stolze Lima, Laura do Carmo. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; 2008.

MARIANI, B. Colonização linguística. Campinas - SP; Pontes 2004.

MELLO, H. Modelos de formação da língua nacional sob a perspectiva do contato de populações. In: História social da língua nacional / Organizadoras: Ivana Stolze Lima, Laura do Carmo. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; 2008.

NUNES, José Horta. Dicionário, sociedade e língua nacional: o surgimento dos dicionários monolíngues no Brasil. In: História social da língua nacional / Organizadoras: Ivana Stolze Lima, Laura do Carmo. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa; 2008.

______. As palavras, o espaço e a língua: o vocabulário pernambucano. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 12, p. 43-56, 2006.

ORLANDI, E. P. História das idéias linguíticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional/ organizadora: Eni Orlandi. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

______. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

ORLANDI, E. P; GUIMARÃES, E. Formação de um espaço de produção lingüística: a gramática no Brasil. In: ORLANDI, Eni Pucinelli (Org.). História das idéias lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, 2001. p. 21-38.

PETRI, V. Um outro olhar sobre o dicionário: a produção de sentidos. Santa Maria: UFSM, PPGL Editores, 2010.

PIETRI, É. de. Sobre a constituição da disciplina curricular de língua portuguesa. In: Revista Brasileira de Educação v. 15 n. 43. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

RAZZINI, M. de P. G. O espelho da nação: a Antologia Nacional e o ensino de português e de literatura. 2000. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.

SOBRINHO, J. S. A língua é o que nos une: língua, sujeito e Estado no Museu da Língua Portuguesa. In: Anais do Seta, Volume 2, UNICAMP, Universidade de Campinas; SP, 2008.

STURZA, E. R. Vocabulário sul-rio-grandense: De Instrumento Linguístico à Constituição de um Discurso Fundador. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas: Pontes Editores, 2006. (Letras e Instrumentos Linguísticos, n. 18, p. 101-121, jul./dez.2006).

TATSCH, J. O funcionamento semântico-enunciativo da língua espanhola nas tiras do Tapejara: uma represetação da linguagem gauchesca. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Letras/UFSM, 2013..

TEYSSIER, P. História da língua portuguesa. 3ª Ed, São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849225509

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                              

 

Revista Qualis B4, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES).