Próxima parada: Manguetown – fluxos de cultura na cidade e um novo olhar devolvido ao Brasil

Autores

Palavras-chave:

Manguebeat, Manguetown, Cultura, Resistência, Cidade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo trazer à tona reflexões sobre a cena do Manguebeat, movimento que irrompe em Recife ao fim dos anos 1980. Nesse panorama, propõe-se uma relação entre a cidade e as produções culturais da banda Chico Science & Nação Zumbi – especificamente nos álbuns Da lama ao caos (1994) e Afrociberdelia (1996) –, projetando um espaço simbólico entendido como Manguetown. Busca-se entender como as canções inscritas na cena repercutem uma outra imagem do Brasil ao Brasil e diversificam um eixo hegemônico de produção e circulação da cultura. Para isso, recuperam-se as contribuições de Lefevbre (2002), Anderson (2008) e Didi-Huberman (2015) para a construção de um aparelho teórico que permita a investigação desse cenário. Esse processo é acompanhado das considerações sobre as dinâmicas entre global e local – pensadas a partir das ideias de Huyssen (2002) na esteira dos Estudos Culturais – configuradas no espaço privilegiado de análise da cidade.

Biografia do Autor

Felipe Roner Vilanova Novais, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestrando em Estudos Literários pelo programa de Pós-graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da UFMG, na área de Literaturas Modernas e Contemporâneas.

Referências

ALVES, Cristiano Nunes. Os lugares da cena Manguebit no Recife: cultura e produção do espaço urbano. In. XI SEUR – V Colóquio Internacional sobre Comércio e Consumo, 2015. Anais. Pelotas: [s.n], 2015, p. 509-521.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

APPADURAI, Arjun. Disjunção e diferença na economia cultural. In: FEATHERSTONE, Mike (org.). Cultura global: nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994. p 311-328.

CALÁBRIA, Lorena. Chico Science & Nação Zumbi: da lama ao caos. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Devolver uma imagem. In: ALLOA, Emmanuel (org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 7-19.

DJ DOLORES. Viagem ao Centro do Mangue: O Manifesto. YouTube, 2021a. Disponível em: encurtador.com.br/gmuT7. Acesso em: 10 ago. 2021.

DJ DOLORES. Viagem ao Centro do Mangue: Cinema. YouTube, 2021b. Disponível em: encurtador.com.br/nDK37. Acesso em: 10 ago. 2021.

DJ DOLORES. Viagem ao Centro do Mangue: Tecnologia. YouTube, 2021c. Disponível em: encurtador.com.br/nDK37. Acesso em: 29 ago. 2021.

HUYSSEN, Andreas. Literatura e cultura no contexto global. In: MARQUES, Reinaldo; VILELA, Maria Helena (org.). Valores: arte, mercado, política. Belo Horizonte: Editora UFMG/Abralic, 2002. p. 15-35.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MATIAS, Alexandre. Entrevista: H.D. Mabuse. Trabalho Sujo, 8 ago. 2003. Disponível em: https://trabalhosujo.com.br/entrevista-hd-mabuse/. Acesso em: 22 ago. 2021.

LIRA, Paula de Vasconcelos. Uma antena parabólica enfiada na lama: ensaio de diálogo complexo com o imaginário do MangueBit. 2000. Dissertação (Mestrado em Antropologia Cultural) – Centro de Filosofia e Ciência Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2000. Disponível em: https://url.gratis/RAy8VZ. Acesso em: 18 ago. 2021.

NOVAIS, Marina de Morais Faria. Cuba refletida nas telas: uma análise narrativa das obras de codireção Alea-Tabío. 2019. Tese (Doutorado em Artes) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://url.gratis/UOMQaF. Acesso em: 20 ago. 2021.

OLIVEIRA, Anita Loureiro de. Música e vida urbana: encontros e confrontos na cidade do Rio de Janeiro (1990-2008). Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 2008. Comunicação oral apresentada na sessão temática de Cidade Imaterial.

RAMA, Angel. A cidade das letras. São Paulo: Boitempo, 2015.

RICKLEFS, R. E. A economia da natureza. 3. ed. Tradução de Cecília Bueno. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

ZUMBI, Chico Science & Nação. Da lama ao caos. Rio de Janeiro: Polysom, 1994. 1 disco de vinil, 33 rpm.

ZUMBI, Chico Science & Nação. Afrociberdelia. 1996. Disponível em: https://url.gratis/np3CqV. Acesso em: 2 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

Vilanova Novais, F. R., & Monte Alto, R. (2021). Próxima parada: Manguetown – fluxos de cultura na cidade e um novo olhar devolvido ao Brasil. Literatura E Autoritarismo, (38). Recuperado de https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/67870