Revolta nas aldeias: o conto popular francês como forma de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1679849X67788

Palavras-chave:

Conto popular, Literatura de resistência, Literatura oral

Resumo

O artigo analisa e discute o conto popular francês enquanto instrumento de representação literária e de conscientização crítica das camadas sociais populares. Enquanto forma literária cuja origem remete à tradição das formas breves, o conto francês é um objeto muito importante para pensarmos a cultura popular no início da modernidade na Europa. Tais narrativas evidenciam a consciência do povo do campo acerca da dura realidade que os cercava e forneciam estratégias resistir a ela. Em um período em que a fome e a doença assolavam o continente, as histórias que os camponeses contavam serviam não apenas de divertimento, mas levantavam questões latentes à vida nos feudos, as quais, no decorrer do tempo, auxiliariam a formar o espírito crítico dessas populações. Para os franceses, os contos informavam sobre o mundo e forneciam meios para enfrentá-lo. No presente artigo, objetiva-se realizar esta discussão a partir da teorização realizada por Darnton (2014) sobre as histórias que os camponeses contam, tendo em perspectiva o conceito de resistência inerente à narrativa apresentado por Bosi (1996) e a produção de Burke (2010) acerca da descoberta do povo e da cultura oral. Para tanto, serão analisados os contos O pequeno polegar (PERRAULT, 2010), Jean de l’ours (anônimo) e L’enfant perdu (DELAURE, 1956).

Biografia do Autor

Luiza Carvalho Santos Brandão, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BOSI, Alfredo. Narrativa e resistência. Intinerários. Araraquara, SP, n. 10, p. 11-27, 1996.

BURKE, Peter. A descoberta do povo. In: Cultura popular na Idade Moderna. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 26-49.

BURKE, Peter. A transmissão da cultura popular. In: Cultura popular na Idade Moderna. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 130-162.

CARTER, Angela. Introdução. In: 103 Contos de Fadas. Trad. Luciano Vieira Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 13-26.

DELAURE, Paul. The Lost Children. In: The Borzoi book of French Folk Tales. Trad. Austin E. Fife. New York: Alfred A Knopf, 1956, p 97-102.

DARNTON, Robert. Histórias que os camponeses contam: o significado de Mamãe Ganso. In: O Grande massacre de gatos: e outros episódios da história cultural francesa. Trad. Sônia Coutinho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014, p. 21-93.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Syncorax. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

JEAN de l’Ours. Tous les contes. Disponível em: <http://touslescontes.com/biblio/conte.php?iDconte=408 > . Acesso em: 24 de agosto de 2021.

PERRAULT, Charles. O Pequeno Polegar. In: TATAR, Maria. Contos de Fadas. Trad. Ma Luíza Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010, p. 269 - 283.

TATAR, Maria. Contos de Fadas. Trad. Ma Luíza Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-29 — Atualizado em 2022-01-13

Versões

Como Citar

Carvalho Santos Brandão, L., & Luz de Medeiros, C. (2022). Revolta nas aldeias: o conto popular francês como forma de resistência. Literatura E Autoritarismo, (38). https://doi.org/10.5902/1679849X67788 (Original work published 29º de dezembro de 2021)