Rainer Forst leitor de John Rawls

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2179378666972

Palavras-chave:

Forst R., Rawls J., Teoria Crítica, Construtivismo, Justiça

Resumo

O artigo visa discutir o papel que a obra de John Rawls possui para o projeto teórico de Rainer Forst. Trata-se de acompanharas principaisleituras que Forst realiza sobre esse autor e discutir algumas consequências que podem ser delas depreendidas para seu modelo crítico. Assim, em primeiro lugar, discute-se a tentativa de Forst em aproximar os critérios de reciprocidade e universalidade, de seu princípio de justificação, à teoria de Rawls, ao mesmo tempo em que acusa Rawls de que sua configuração da posição original atribui conteúdos substantivos aos princípios de justiça, que, na verdade, só poderiam ser concebidos comoum princípio fundamental de justificação (I). Em seguida, observa-se a leitura que Forst realiza sobre o debate entre Habermas e Rawls, a fim de extrair uma alternativa a ambos. Novamente Forst faz um movimento de aproximação e crítica a Rawls (II). Em um terceiro momento, examina-se outra tentativa de aproximação e superação à obra de Rawls, mas dessa vezatravés da distinção entre duas imagens da justiça(III). Por fim, o artigo apresenta duas interpretações gerais sobe essas leituras: que existem certas constantes nos argumentos que unem e que pretendem superar Rawls; e que contém possíveis problemas,com consequências que ocasionam certos entraves para sua teoriaem sua pretensão de ser crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Garcia de Moura, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ciênicas Sociais da Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, Brasil.

Referências

ALLEN, A.; MENDIETA, E. (ed.). Justification and emancipation. The critical theory of Rainer Forst. University Park, Pennsylvania: Penn State University Press, 2019.

BENHABIB, S. The uses and abuses of Kantian rigorism. On Rainer Forst’s moral and political philosophy (Review Symposium). Political Theory, v. 43, n. 6, p. 777-792, 2015. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0090591715607259. Acesso em: 27 mar. 2021.

FINLAYSON, J. G. A Frankfurter in Königsberg: Prolegomenon to any future non-metaphysical Kant. Kantian Review, v. 25, n. 4, p. 583-604, 2020. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/kantian-review/article/abs/frankfurter-in-konigsberg-prolegomenon-to-any-future-nonmetaphysical-kant/41BF19EA445E0825F5019709E5B62E32. Acesso em: 27 mar. 2021.

FORRESTER, K. In the shadow of justice: postwar liberalism and the remaking of politicalphilosophy. Princeton: Princeton University Press, 2019.

FORST R. A critical theory of politics: Grounds, method and aims. Reply to Simone Chambers, Stephen White and Lea Ypi. Philosophy & Social Criticism, v. 41, n. 3, p. 225-234, 2015. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0191453715569342. Acesso em: 27 mar. 2021.

FORST, R. Contextos da justiça. Filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo.São Paulo: Boitempo, 2010.

FORST, R. Justice, democracy and justification. Rainer Forst in dialogue. London, New York: Bloomsbury Academic, 2014.

FORST, R. Justificação e crítica. Perspectivas de uma teoria crítica da política. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

FORST, R. Justifying justification: reply to my critics. In: FORST, R. (ed.). Justice, democracy and the right to justification: Rainer Forst in dialogue. London, New York: Bloomsbury Academic, 2014, p. 169-216.

FORST, R. Normativität und Macht. Zur Analyse sozialer Rechtfertigungsordnungen, Berlin: Suhrkamp, 2015.

FORST, R. The right to Justification. Elements of a constructivist theory of justice. Columbia University Press, 2012.

FORST, R. Toleration in conflict: past and present. New York: Cambridge University Press, 2013.

FORST, R. (et al). Toleration, power and the right to justification: Rainer Forst in dialogue. Manchester: Manchester University Press, 2020.

HABERMAS, J. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

HABERMAS, J. Facticidade e validade. 2ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2021.

HABERMAS, J. Reply to my critics. In: FINLAYSON, J. G.; FREYENHAGEN, F. (eds.). Habermas and Rawls: disputing the political. Routledge.New York, London: Routledge, 2011, p. 283-304.

HONNETH, A. A textura da justiça: sobre os limites do procedimentalismo contemporâneo. Civitas, v. 9, n. 3, p. 345-368, 2009. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/6896.Acesso em: 17 set. 2019.

HONNETH, A. Rekonstruktive Gesellschaftskritik unter genealogischen Vorbehalt. Zur Idee der “Kritik” in der Frankfurter Schule. In: HONNETH, A. Pathologien der Vernunft. Geschichte und Gegenwart der Kritischen Theorie. Frankfurt: Surhkamp, 2007b, p. 57-69.

HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. In: Os pensadores. Textos escolhidos (Col. Os Pensadores, Vo. XLVIII), São Paulo: Abril Cultural, 1975. p. 125–162.

NOBRE, M. A teoria crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

RAWLS, J. Justiça como eqüidade: uma concepção política, não metafísica. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. São Paulo, v. 25, p. 25-59, abr. 1992. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451992000100003. Acesso em: 21 nov. 2019.

RAWLS, J. Justiça como equidade: Uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

RAWLS, J. Political liberalism. New York: Columbia University Press, 1993.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SANGIOVANNI, A. Scottish constructivism and the right to justification. In: FORST, R. (ed.). Justice, democracy and the right to justification: Rainer Forst in dialogue. London, New York: Bloomsbury Academic, 2014, p. 29-64.

STREET, S. What is constructivism in ethics and metaethics? Philosophy Compass, v. 5, n. 5, 363-84, 2010. Disponível em:https://compass.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1747-9991.2009.00280.x. Acesso em 27 mar. 2021.

WELLMER, A. Sentido comum e justiça. In: ROHDEN, V. Ética e Política: IV Colóquio Teuto-Latino-Americano de Filosofia. Porto Alegre: Ed. Da Universidade/UFRGS, Goethe-Instituto/ICBA, 1993, p. 72-90.

WHITE, S. K. Does critical theory need strong foundations? Philosophy & Social Criticism, v. 41, n. 3, 2015, pp. 207-211. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0191453714555816. Acesso em: 27 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2023-01-13

Como Citar

Moura, M. G. de. (2023). Rainer Forst leitor de John Rawls. Voluntas: Revista Internacional De Filosofia, 13(1), e8. https://doi.org/10.5902/2179378666972

Edição

Seção

Dossiê 50 anos da Teoria da Justiça de John Rawls