Comentários ao diálogo "Parmênides" de Platão

Miguel Spinelli

Resumo


Este estudo se ocupa com algumas questões do prólogo do Parmênides, que, em geral, passam desapercebidas, mas são importantes para a compreensão da arquitetônica do diálogo. Haverá de ter, por exemplo, algum significado o fato de Platão trazer para dentro do Diálogo, Céfalo de Clazômenas (da Jônia), que veio para Atenas encontrar Antífon e ouvir dele um relato de Pitodoros sobre o que Parmênides e Zenão, vindos de Eleia (da Magna Grécia), confabularam com Sócrates em Atenas. Clazômenas é a terra de Anaxágoras, daquele que, a convite de Péricles, fundou em Atenas uma escola filosófica. Do debate que ocorreu entre Parmênides, Zenão e Sócrates, na casa de Pitodoros, foi Pitodoros, quem, por primeiro, registrou de memória; depois ele passou a Antífon (irmão de Platão por parte de mãe), e, Antífon, passou a Céfalo, que, enfim, veio a ser, e não o irmão de Platão, o relator do Diálogo. Há, pois, um fluxo de personagens e de regiões que compõem o Diálogo. Há ainda algo inusitado: Zenão, perante Sócrates e seus companheiros, na casa de Pitodoros, fez uma leitura de seus “escritos”, dos quais, no final, Sócrates pediu a Zenão que relesse apenas “o primeiro argumento”: o do paradoxo do Um e do Múltiplo, tema sobre o qual incidiram o debate e a construção do Diálogo. Este estudo cumpre três etapas: comenta o introito, esboça a tratativa do Um e do Múltiplo e ensaia algumas possibilidades de leitura e de interpretação do Parmênides.


Palavras-chave


Platão; Parmênides; Prólogo

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALLEN, R. E. Plato. Parmenides. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1983.

BAILLY, A. Dictionnaire Grec Français. Édition revue par L. Séchan et P. Chantraine. Paris: Hachette, 1996.

BARNES, J. Aristotle. The Complete Works of Aristotle. The Revised Oxford Translation, Princeton: Princeton University Press, 1984.

BURNET, J. Plato. Platonis Opera. 5 vols. T.I tetralogias I-II continens [insunt Euthyphro, Apologia, Crito, Phaedo, Cratylus, Theaetetus, Sophista, Politicus], recognoverunt brevique adnotatione critica instruxerunt W.A. Duke, W.F. Hicken, W.S.M. Nicoll, D.B. Robinson et J.C.G. Strachan. Oxford:

Clarendon Press, 1995.

BOLZANI FILHO, R. “Glauco, o guardião do lógos”. Revista Dois Pontos, São Carlos/Curitiba, v. 10, n. 2, 2013, pp.11-32;

CLEMENE DE ALEXANDRIA. Les Stromates. Introduction par Claude Mondésert, traduction et notes de Marcel Caster. Paris: CERF, 2006.

CROMBIE, I. An Examination of Plato’s Doctrines. Vol. II: Plato on Knowledge and Reality. London: Routledge, 1963.

DIELS, H. & KRANZ, W. Die Fragmente der Vorsokratiker. l8ª ed., Zürich-Hildesheim: Weidmann, 1989.

DÜRING, I. Aristotele. Traduzione di Pierluigi Donini. Milano: Mursia, 1966.

IGLÉSIAS, M. & RODRIGUES. F. Platão. Parmênides. Rio de Janeiro/São Paulo: PUC/Loyola, 2003.

LIDDELL, H. G., SCOTT, R. & JONES, H. S. (1990). A greek-english lexicon. Revised Edition by H. Stuart-Jones. Oxford: Clarendon Press, 1968.

MOTTA, G. D. “Gláucon, Adimanto e a necessidade da filosofia”, Revista Kléos, n. 9/10, 2005/6, pp. 87-113;

NIETZSCHE, F. A Filosofia na Idade Trágica dos Gregos. Trad. Maria Inês Madeira de Andrade. Lisboa: Edições 70, 1987.

NUNES. C. A.. Platão. Parmênides. Belém: Universidade Federal do Pará, 1974.

NUNES, C. A. Platão. Diálogos. Cartas. Belém: Universidade Federal do Pará, 1975.

PAUSÂNIAS. Descripción de Grecia. Trad. María Cruz Herrero Ingelmo. Madrid: Gredos, 1994.

PLOCLO. Commentaire sur le ‘Parménide’ de Platon. Traduction de Guilhaume de Moerbeke. 2 vols., Édition Critique par Carlos STEEL. Lieden: Brill, 1981.

PLUTARCO. Vidas Paralelas. Vol. I: Teseo-Rómulo, Licurgo-Numa; Trad. Aurelio Pérez Jiménes, Madrid: Gredos, 1985.

PLUTARCO. Vies. Périclè-Fabius Maximus. Alcibiade-Coriolan. Tome III. Texte établi et traduit par Robert Flacelière, Émile Chambry et Marcel Juneaux. Paris: Les Belles Lettres, 2012.

REALE, G. Diogene Laerzio. Vite e dottrine dei più celebri filosofi. Testo greco a fronte, con la collaborazione di Giuseppe Girgenti e Ilaria Ramelli. Milano: Bompiani, 2005.

SPINELLI, M. Ética e Política: a edificação do éthos cívico da paideia grega. São Paulo: Loyola, 2017.

SPINELLI, M. Questões Fundamentais da Filosofia Grega, São Paulo: Loyola, 2006.

SPINELLI, M. Herança Grega dos Filósofos Medievais. São Paulo: Hucitec, 2013.

TUÑÓN, O. G. Xenofonte. Helénicas. Introducción, traducción y notas. Asesor para la sessión griega Carlos García Gual. Madrid: Gredos, 1994.

TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Trad. João José Torres Esbarranch. Madrid: Gredos, 1990.

VOILQUIN, J. Aristotele. Éthique à Nicomaque, texte établi et traduit. Paris: Garnier, 1961.

YEBRA, V.G. Aristoteles. Metafísica. Edição trilingüe. Madrid: Gredos, 1982.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378643308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.