A escrita da história e a ação como “obra aberta” ante as “perspectivas cruzadas”

Sanqueilo de Lima Santos, Mariana Marcelino Alvares

Resumo


O presente artigo discute sobre o caráter aberto que Ricœur, em sua obra A memória, a história, o esquecimento (2001), mantém para a questão da validade da historiografia enquanto saber científico. O fato de Ricoeur não objetivar um consenso que valide a historiografia, no sentido epistemológico, pode desanimar um leitor historiador. No entanto, o dissensus que se reflete na falta de um método paradigmático, de um significado unívoco e de uma categoria fundamental da investigação historiográfica, em Ricoeur, não condena a historiografia à impossibilidade. Ao invés disso, o presente texto tem o objetivo de justificar o caráter “aberto” da historiografía, exposto por Ricoeur na obra aqui citada, apresentando a necessidade das “perspectivas cruzadas” para a relação da historiografia com o debate público. Essa discussão desemboca nas implicações éticas e políticas do discurso historiográfico.


Palavras-chave


Historiografia; Memória; Dissensus

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ARRIADA, Eduardo. “Uma história dos sem nomes”: a visão de história em Walter Benjamin. História da Educação, Pelotas, n. 14, set./2013, pp. 195-209.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2007.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

REIS, José Carlos. História da "Consciência Histórica" Ocidental Contemporânea - Hegel, Nietzsche, Ricoeur. Belo Horizonte – MG: Autêntica Editora. 2013.

RICŒUR, Paul & CASTORIADIS, Cornelius. Diálogo sobre a história e o imaginário social. Lisboa: Edições 70, 2016.

RICŒUR, Paul. A crítica e a convicção. Lisboa: Edições 70, 1997.

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas – SP: Editora da Unicamp, 2007.

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas – SP: Editora Unicamp, 2007.

RICŒUR, Paul. A Metáfora Viva. Trad. D. D. Macedo. São Paulo - SP: Edições Loyola, 2000.

RICŒUR, Paul. Del texto a la acción: Ensayos de hermenéutica II. México: Fondo de Cultura Económica, 2002.

RICŒUR, Paul. O mal – um desafio à Filosofia e à Teologia. Campinas – SP: Papirus, 1988.

RICŒUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas – SP: Papirus, 1994.

SILVA, Jaisson Oliveira da. Paul Ricoeur: a ética no cruzamento entre a prática historiadora e a condição história. 2015. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2015.

WHITE, Hayden. Guilty of history? The longue durée of Paul Ricœur. History and Theory 46 (May 2007), 233-251. Disponível em: https://www.historyandtheory.org/archives/archives10.html Acesso em: 29/11/2019.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378640392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.