Filosofia da Macumba: a sacralização do corpo do negro na poética de Solano Trindade

Bas'Ilele Malomalo

Resumo


Esse trabalho analisa a quarta e quinta estrofes do poema “Macumba” de Trindade. Defende que esse poeta negro usa a estética poética, pautando-se nas religiões de matrizes africanas, para enfrentar o paradigma branco-racista que reduz o corpo negro à vadiagem. Trindade interpreta o corpo negro como um corpo sagrado e convida para a prática de uma política filosófica que valoriza a vida em todas suas manifestações.


Palavras-chave


Trindade; Macumba; Negro; Vida

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: Notas sobre a política. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AMADIUME, Ifi. Reiventing Africa: Matriarchy, religion and culture. London/New York: Zed Book, 2001.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: Contribuições a uma sociologia das interpretações de civilizações. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1989.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva. Psicologia Social Do Racismo – Estudos Sobre Branquitude e Branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 25-58.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

BILOLO, Mubabingue. Les cosmo-théologiques philosophiques de l’Égypte antique: Problématiques-prémisses hermenêutiques-et-problèmes majeurs. Kinshasa, Libreville, Munich: Publications Universitaires Africaines/Académie de la Pensée Africaine, 1986.

BOURDIEU, Pierre. Les règles de l´art: Genèse et structure du champ littéraire. Paris: Édition du Seuil, 1998.

CAVALCANTE, Paulo Sérgio Lisboa; JESUS, Aurilene Pereira de. Sabedoria e ancestralidade no Ceará: A didática dos tambores à sombra da pedagogia do baobá. In: PETIT, Sandra Haydée e SILVA, Geranilde Costa e (Orgs.). Memórias de Baobás. Fortaleza: Edições UFC, 2012, p. 199-212.

DICIO: Dicionário online. Disponível em: http://www.dicio.com.br/cambondo/. 2009. Acessado em: 15 jan. 2014.

FAIK-NZUGI. Arts africains. Signes et symboles. Louvain-la-Neuve: De Boeck Université, 2000.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. Vol 2, São Paulo: Ática, 1978.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: O sistema penal e o projeto genocídio do Estado brasileiro. Brasília: Brado Negro, 2017.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro; VARGAS, João Helion Costa. Motim: Horizontes do genocídio antinegro na Diáspora. Brasília: Brado Negro, 2017.

KILEUY, Odé; OXAGUIÃ, Vera. O Candomblé bem explicado (nações bantu, ioruba e fon). Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

LOPES, Nei. Dicionário escolar afro-brasileiro. São Paulo: Selo Negro, 2006.

LOPES, N. Enciclopédia brasileira: Diáspora africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.

MALOMALO, Bas´Ilele. Bioepistemolologia do Ntu: Meu(s) diálogo(s) com Dagoberto José Fonseca. In: FONSECA, Dagoberto José; MALOMALO, Bas´Ilele; FERREIRA, Simone Loiola (Orgs.). Intelectualidade coletiva negra: memórias, educação e emancipação. Porto Alegre: Editora Fi, 2018, p. 69-120.

MALOMALO, Bas´Ilele. Macumba, macumbização e desmacumbização. In: SILVEIRA, Ronie Alexsandro Teles da; LOPES, Marcos Carvalho (Orgs.) A religiosidade brasileira e a filosofia. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2016b, p. 132-160.

MALOMALO, Bas´Ilele. Retrato dos brancos/as antirracistas feito do ponto de vista de uma educação macumbista. In: MULLER, Tânia; CARDOSO, Lourenço. Branquitude: estudos sobre identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017c, p. 259-276.

MBEMBE, Achille. Necropolítica/Sobre el gobierno privado indirecto. Trad Elisabeth Falomir. Santa Cruz de Tenerife: Editorial Melusina, 2011.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígonas, 2014.

MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

MVENG, Engelbert. L´art d´Afrique noire: liturgie cosmique et langage religieux. Yaoundé: Clé, 1974.

MVENG, E. Problematique d´une estétique negro-africaine. Ethiopiques – revue socialiste de la culture négro-africane, n. 03, p. 1-7, jul. 1973. Disponível em: http://ethiopiques.refer.sn/spip.php?page=imprimer-article&id_article=490. Acessado em 21 fev. 2014.

NAKOULIMA, Pierre Gomdraogo. A crise ecológica como exigência de um novo paradigma. In: HOUNTONDJI, Paulin. O antigo e o moderno. A produção do saber na África Contemporânea. Luanda: Pedago/Mulemba, 2012, p. 83-98.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NATÁLIA, Lívia. Sobejos do mar. Salvador: Camurê, 2017.

NTUMBA, Tshamalenga M. Le réel comme procès multiforme: pour une philosophie du Nous processuel, englobant et plural. Paris: Edilivre-Aparis, 2014.

OBENGA, Théophile. La philosophie africaine de la période pharaonique, 2780-330 avant notre ère. Paris: L´Harmattan, 1999.

OYEWUMI, Oyeronke. The invention of Woman: Making na african sense of wester gender discourses. Mineapolis: University of Minnesota Press, 1997.

PESSANHA, Eliseu Amaro de Melo; NASCIMENTO, Wanderson Flor. Necropolítica: Estratégia do extermínio do corpo negro. Odeere: Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB, v. 3, n. 6, p. 149-177, Jul–Dez 2018.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RAMOS, Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

RIVIÈRE, Claude. As liturgias políticas. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

SODRÉ, Muniz. Pensar nagô. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

SODRÉ, M. A verdade seduzida: Por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: DP & A editora, 2005.

THÉSÉE, Gina. L’interculturel en environnement: Rencontre de la justice sociale et de la justice environnementale. Canadian and International Education, v. 37, n. 1, p. 45-70, Jun 2008.

TRINDADE, Solano. Poemas antológicos. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2007.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás: Deuses iorubas na África e no novo mundo. Salvador: Corrupio, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378639947

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.