O drama do gênio na metafísica do belo de Schopenhauer: sua mais alta expressão no "Torquato Tasso" de Goethe

Iasmim Martins

Resumo


Para Schopenhauer, o que caracteriza o gênio é o excedente da faculdade de conhecer (genialidade) que lhe possibilita acesso imediato à Ideia por meio da contemplação intuitiva, enquanto puro sujeito do conhecimento. Todavia, esta mesma potencialidade amplifica a vontade do gênio, quando este retoma a condição de indivíduo. Segundo o filósofo, o excedente da faculdade de conhecer pode tomar duas orientações, excludentes entre si: a orientação objetiva, quando ele se torna livre da servidão da vontade, ou a orientação subjetiva, ocasião em que o excedente se coloca a serviço da vontade individual. Por conta dessas duas orientações do excedente, o gênio ora se abstém do sofrimento, ora sofre de maneira extremada. O presente artigo pretende apresentar a hipótese de que o gênio vivencia um drama existencial, que ultrapassa sobremodo o sofrimento natural inerente aos outros homens. Para tanto, objetiva-se recorrer à obra Torquato Tasso do Goethe, citada pelo próprio Schopenhauer

Palavras-chave


Gênio; Contemplação; Drama

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, Jair. Apresentação. In: SCHOPENHAUER, A. Metafísica do Belo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2003.

BUENO, Alexei. A Jerusalém Libertada e a Língua Portuguesa. In: TORQUATO, Tasso. Jerusalém Libertada. Trad. José Ramos Coelho. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

CHEVITARESE, Leandro. .A ética em Schopenhauer: que “liberdade nos resta” para a prática de vida? Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

GOETHE, Johann Wolfgang Von. Torquato Tasso. Trad. João Barrento. Lisboa: Relógio D’ Água, 1999.

GOETHE, Memórias: poesia e verdade. Vol I. Trad. Leonel Vallandro. Porto Alegre: Editora Globo, 1971.

GOETHE, Italienische Reise. Vol. 11/Hamburger Ausgabe. Munique: DTV, 1998.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

LUCCHESI, Marco. Introdução. In: TORQUATO, Tasso. Jerusalém Libertada. Trad. José Ramos Coelho. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

MOLDER, Maria Filomena. Introdução. In: GOETHE, Johann Wolfgang von. Torquato Tasso. Um drama. Trad. João Barrento. Lisboa: Relógio d’água Editores, 1999.

ROSSET, Clément. Écrits sur Schopenhauer. Paris: Presses Universitaires de France,

SAFRANSKI, Rüdiger. Schopenhauer e os anos mais selvagens da filosofia. Trad. William Lagos. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

SCHOPENHAUER, A. Die Welt als Wille und Vorstellung. Sämtliche Werke. Textkritisch bearbeitet und herausgegeben von Wolfgang Frhr. von Löhneysen. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1986.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação. Tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. Tomo II. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: Ed. UFPR, 2014.

SCHOPENHAUER, A. Metafísica do Belo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2003.

SCHOPENHAUER, A. Aforismos para a sabedoria de vida. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

TORQUATO, Tasso. Jerusalém Libertada. Trad. José Ramos Coelho. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378633937

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.