A arte de ter razão

Sílvia Faustino de Assis Saes

Resumo


Este artigo pretende mostrar de que maneira a “dialética erística”, que Schopenhauer define como “a arte de ter razão”, surge da combinação de duas linhas de pensamento sobre a dialética: a tradição aristotélica, que concebe a dialética como um discurso argumentativo baseado em opiniões geralmente aceitas; e aquela, inaugurada por Kant, que concebe a dialética como uma lógica das aparências ou lógica da ilusão. Este trabalho argumentará a favor da seguinte interpretação: ao absorver e tentar superar os ensinamentos de ambas as tradições, Schopenhauer acaba produzindo os rudimentos de uma espécie de racionalidade comunicativa na qual o funcionamento polêmico da linguagem, concebida como instrumento eficaz de certa “vontade de poder”, torna-se o único responsável pela consolidação das crenças e valores sociais.


Palavras-chave


Schopenhauer; Dialética; Erística

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Aristóteles. Obras Completas. Tópicos. Tradução, introdução e notas J. A. Segurado e Campos. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2007.

BERTI, Enrico. As razões de Aristóteles. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola. 1998.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Tradução Manuela P. dos Santos e Alexandre F. Morujão. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1994.

LEBRUN, Gérard. A dialética pacificadora. In: Marta Kawano, Maria Lúcia Cacciola e Carlos Alberto R. Moura (Orgs). A filosofia e sua história. São Paulo: Cosacnaify, 2006, pp. 89-127.

SALVIANO, Jarlee. O Novíssimo Organon: lógica e dialética em Schopenhauer. In: João Carlos Salles (Org.). Schopenhauer e o idealismo alemão. Salvador: Quarteto Editorial, pp. 99-113.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de ter razão: exposta em 38 estratagemas. Organização e ensaio de Franco Volpi. Tradução Alexandre Krug e Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. Eristische Dialektik. In: Schopenhauer in Kontext (Werke auf CD-ROM). Kap. Nr. 446, VI 393 – VI 428.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Da certeza (edição bilíngue). Tradução de Maria Elisa Costa. Lisboa: Edições 70, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378633799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.