A exposição (Darstellung) poética na metafísica do belo de Schopenhauer

Cláudia Assunpção Dias

Resumo


Para Schopenhauer, a arte poética apresenta uma natureza diferenciada em relação as outras artes no que tange aos meios estabelecidos pelo filósofo para a sua exposição (Darstellung) e a relação entre tal exposição e a intuição genial que a precede. Afinal, como admitir que para a poesia também vale a concepção de que, sendo essencialmente intuitivas, as Ideias seriam por ela expressas de forma límpida e vivaz, se o material com o qual o poeta trabalha são conceitos abstratos? Ou seja, como conciliar esta condição da arte poética com o pressuposto da metafísica do belo schopenhaueriana segundo o qual “o conhecimento da Ideia e necessariamente intuitivo, não abstrato”? Com o presente artigo, pretendemos evidenciar como Schopenhauer, logo no início do §51 do Tomo I de O mundo como vontade e como representação, se esforça para indicar algumas saí das para a questão. A principal delas é a defesa de que o poeta só conseguiria fazer o ouvinte intuir as Ideias da vida com a ajuda de sua [do ouvinte] própria fantasia. O filósofo apresenta também outras observações sobre o modo com que os conceitos teriam de ser reunidos para que a fantasia do ouvinte seja posta em movimento, assim como
sobre o ritmo, a rima etc., questões de exposição poética que aparecem ainda mais especificadas nas Preleções sobre a Metafísica do belo
(1820).


Palavras-chave


Poesia; Exposição; Fantasia

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, Jair. A metafísica do belo de Arthur Schopenhauer. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP, 2001.

BARBOZA, Jair. Infinitude subjetiva e estética: natureza e arte em Schelling e Schopenhauer. São Paulo: Unesp, 2005.

BARBOZA, Jair. Os pintores de Schopenhauer e Nietzsche. Cadernos Nietzsche. São Paulo, Vol. 31, 2012, pp.189-207.

BRUM, José Thomaz. O pessimismo e suas vontades - Schopenhauer e Nietzsche. Rio de Janeiro: Rocco Editora, 1998.

CACCIOLA, Maria Lúcia. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: Edusp, 1994.

CACCIOLA, Maria Lúcia. Sobre o gênio na estética de Schopenhauer. Ethic@ (UFSC). Florianópolis, Vol. 11, N. 2, 2011, pp. 31-42.

CACCIOLA, Maria Lúcia. O conceito de interesse. Cadernos de Filosofia Alemã. São Paulo, Vol. 5, 1999, pp. 5-15.

CACCIOLA, Maria Lúcia. O intuitivo e o abstrato na filosofia de Schopenhauer. In: SILVA, João Carlos Salles Pires da (Org.). Schopenhauer e o idealismo alemão. Salvador: Quarteto, 2004, pp 169-186.

CACCIOLA, Maria Lúcia. Schopenhauer e Mondrian. Doispontos. Curitiba - São Carlos, Vol. 11, N. 1, 2014, pp. 91-103.

KOSSLER, Matthias. Sobre o papel do discernimento [Besonnenheit] na este tica de Arthur Schopenhauer. In: DEBONA, Vilmar; FONSECA, Eduardo Ribeiro da; MATTOS, Fernando Costa [et al.] (Orgs.). Dogmatismo e antidogmatismo: filosofia crítica, vontade e liberdade – Uma homenagem a Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola. Curitiba: Editora UFPR, 2015, pp. 19-36.

MAIA-FLICKINGER, Muriel. A outra face do nada. Sobre o conhecimento metafísico na estética de Arthur Schopenhauer. Petrópolis: Vozes, 1991.

MANN, Thomas. O pensamento vivo de Schopenhauer. Trad. Pedro Ferraz do Amaral. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1960.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke. Edição histórico-crítica de Paul Deussen. Vol. 16. München: Piper Verlag, 1911-1941. In: “Schopenhauer im Kontext III” - Werke, Vorlesungen, Nachlass und Briefwechsel auf CD-ROM (Release 1/2008).

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo I. 2ª ed. Trad. Jair Barboza. São Paulo:

UNESP, 2015.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo II (Suplementos). Trad. Jair Barboza.

São Paulo: UNESP, 2015.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do belo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2003.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a filosofia e seu método [parte de Parerga e paralipomena]. Organização e tradução de Flamarion Caldeira Ramos. São Paulo: Hedra, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga e paralipomena. Tomo II. 3ª ed. A cura di Mario Carpitella. Traduzioni di Mazzino Montinari e di Eva A. Kuhn. Milano: Adelphi, 2007.

ROSENFELD, Anatol. Influências estéticas de Schopenhauer. In: ROSENFELD, Anatol. Texto/Contexto I. São Paulo: Perspectiva, 2009, pp. 173-185.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378633729

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.