Um epistolário filosófico: a correspondência entre Schopenhauer e Johann August Becker

Domenico M. Fazio

Resumo


A correspondência entre Schopenhauer e seus discípulos – cuja edição italiana eu acabei de finalizar, realizando a tradução e a redação de um aparato crítico novo e completo – é a principal fonte para o conhecimento daquela que é entendida como a Escola de Schopenhauer em sentido estrito, e constitui-se de um modo especial como indispensável para o conhecimento da personalidade dos discípulos de Schopenhauer que não escreveram sobre ele e que o filósofo chamava de Apóstolos, para distingui-los dos Evangelistas, os discípulos que escreveram sobre ele. Entre os Apóstolos destaca-se a figura de Johann August Becker, com o qual em 1844 Schopenhauer manteve uma correspondência filosófica sobre o tema da afirmação e da negação da vontade, da liberdade do querer, da doutrina do caráter e do critério das ações morais, correspondência que chegou até nós sem lacunas. A sua importância é tal que no interior da escola circulavam três cópias dela, um sinal de como os discípulos de Schopenhauer consideravam-na como documento fundador de sua organização.

Palavras-chave


Arthur Schopenhauer; Correspondência; Escola de Schopenhauer; Johann August Becker

Texto completo:

PDF

Referências


CIRACÌ, F. Die Gelassenheit im Rahmen des Quietismus Eduard von Hartmanns und Philipp Mainländers. Schopenhauer-Jahrbuch, 90 (2009), pp. 179-188.

GOETHE, W. Vanitas! Vanitatum vanitas! In: Goethes Werk in Kontext. Bd. I. Berliner Ausgabe auf CD-ROM. Berlin: Aufbau-Verlag, 2005.

HÜBSCHER, A. Der Briefwechsel J. A. Becker - A. von Doß. Schopenhauer-Jahrbuch, 1934.

KANT, I. Critica della ragion pura. A cura di C. Esposito. Milano: Bompiani, 2007.

LÜTKEHAUS, L. Esiste una sinistra schopenhaueriana? Ovvero: il pessimismo è un quietismo? In: D. M. Fazio; M. Koßler; L. Lütkehaus. Arthur Schopenhauer e la sua scuola. Lecce: Pensa MultiMedia, 2005.

RÉE, P. Osservazioni psicologiche. A cura di D. M. Fazio. Lecce: Pensa Multimedia, 2010.

SIMMEL, G. La cosa più indifferente. Un dilemma morale. In: Sul pessimismo. A cura di D. Ruggieri. Roma: Armando, 2006.

SCHOPENHAUER, A. Die beiden Grundprobleme der Ethik. Frankfurt a. M.: Hermannsche Buchhandlung, 1841.

SCHOPENHAUER, A. Die Welt als Wille und Vorstellung. Zweiter Band welcher die Ergänzungen zu den vier Büchern des ersten Bandes enthält. 2 Bde. Leipzig: Brockhaus, 1844.

SCHOPENHAUER, A. Gespräche. Hrsg. von A. Hübscher. Stuttgart Bad Cannstatt: Fromman, 1971.

SCHOPENHAUER, A. Briefwechsel zwischen Arthur Schopenhauer und Johann August Becker. Hrsg. von J. C. Leipzig: Becker, 1883. In: A. Schopenhauer. Gespräche. Hrsg. von A. Hübscher. Stuttgart Bad Cannstatt: Fromman, 1971.

SCHOPENHAUER, A. I colloqui. A cura di A. Verrecchia. Milano: Rizzoli, 2000.

SCHOPENHAUER, A. Sobre o fundamento da moral. Trad. Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação. Tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, A. Carteggio con i discepoli. Tomi I e II. A cura di D. M. Fazio. Lecce: Pensa MultiMedia, 2018 (Schopenhaueriana, 12).

STIRNER, M. O único e a sua propriedade. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VITALE, M. Dalla volontà di vivere all’inconscio. Eduard von Hartmann e la trasformazione della filosofia di Schopenhauer. Lecce: Pensa MultiMedia, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378633544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.