Diferenciais do Sistema Cooperativo Sicredi: análise das demonstrações financeiras nos anos de 2012 a 2014

Ariane Saraiva de Jesus, Carla Letícia de Almeida

Resumo


A concessão de crédito no Brasil ainda é uma realidade multifacetada e, para suprir a necessidade de capital no mercado, aparecem iniciativas populares que têm, continuamente, se destacado na economia mundial, entre elas o foco deste artigo: cooperativas de crédito. O cooperado é, ao mesmo tempo, cliente, dono e fornecedor da cooperativa. Devido a essa capilaridade, questiona-se se é possível avaliar uma cooperativa por meio de indicadores tradicionais. Utilizando pesquisas bibliográficas, o objetivo deste artigo fora avaliar a estrutura de capital do Sistema Cooperativo Sicredi, analisando sua flexibilidade na gestão e sua proximidade com o cooperado e, consequentemente, seu impacto nos indicadores de rentabilidade, solvência e de endividamento. É possível concluir que por ser uma instituição diferenciada, merece também uma interpretação diferenciada de seus indicadores, assim, sua forma de captação e de aplicação de recursos favorece o crescimento contínuo de sua margem de rentabilidade sob os serviços oferecidos tornando-o um sistema eficiente de cooperativismo.

 


Palavras-chave


Cooperativa de crédito; Crédito; Estrutura de Capital; Análise; Indicadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro: comércio e serviços, indústrias, bancos comerciais e múltiplos. 10ª. ed. São Paulo: Atlas, 2012. p. 303-324.

BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. 21ª. reimp. São Paulo: Atlas, 2013. p. 29-30.

BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 4.595, de 31 dezembro de 1964. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 31 dez. 1964. Seção 1, p. 28. (Lei da Reforma Bancária). Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2015.

BRASIL. Congresso. Senado. Lei nº 5.764, de 16 dezembro de 1971. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 dez. 1971. Seção 1, p. 10354. (Lei do Cooperativismo). Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2015.

CARDOSO, Univaldo Coelho (ORG.). Cooperativa. Brasília : SEBRAE, 2014. (Série: Empreendimentos Coletivos) 62 p. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.

DAMODARAN, Aswath. Avaliação de Investimentos: Ferramentas e técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo. Trad. Kleber Nunes. Rev. Eduardo Fortuna e José Rabello Moraes. 2ª. ed. Rio de Janeiro : Qualitymark, 2009 . p. 1-215.

FARIA, Lúcio César de. O fundo garantidor do cooperativismo de crédito. In: MEINEN, Ênio; PORT, Márcio. Cooperativismo financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Manaus: Confebras, 2014. p. 529-549 (capítulo 11º)

FARIA, Lúcio César de; et al. Relatório Anual 2014: Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). Brasília/DF: FGCoop, 2015.

FUNDAÇÃO SICREDI. A Trajetória da Sicredi. Cartilha Institucional. Porto Alegre: Fundação Sicredi, 2010.

MATARAZZO, Dante Carmine. Análise Financeira de Balanços: abordagem gerencial. 7ª. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MATIAS, Alberto Borges; et al. Bancos versus cooperativas de crédito: um estudo dos índices de eficiência e receita da prestação de serviços entre 2002 e 2012. RAM - Revista de Administração Mackenzie, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo: vol. 15, n. 5, p. 195-223, out. 2014. Disponível em: Acesso em: 25 mar. 2015.

PINHEIRO, Marcos Antonio Henriques. Cooperativas de crédito: história da evolução normativa no Brasil. 6ª ed. Brasília: BACEN, 2008.

PIZZANI, Luciana; et al. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Universidade de Campinas, Campinas: vol. 10, n.1, p. 53-66, jul./dez. 2012.

RECEITA FEDERAL. Perguntas Frequentes: Qual a diferença entre sobras líquidas e resultado do exercício apurados pelas sociedades cooperativas?. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2015.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Gestão de Cooperativas de Crédito: O cooperativismo de crédito. SEBRAE: 2010. (Módulo 1: Curso à distância desenvolvido pela plataforma EAD-SEBRAE, com carga-horária de 30 horas).

SILVA, José Pereira de. Análise financeira das empresas. 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

SISTEMA SICREDI. Demonstrações Financeiras consolidadas: 31 dezembro de 2013. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2015.

______________________. Demonstrações Financeiras consolidadas: 31 dezembro de 2014. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2015, às 14h20min.

______________________. Relatório de Sustentabilidade 2014: Sistema Sicredi. Superintendência de Marketing e Canais: 2015b. (Comunicação Institucional). Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2015.

SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo : Nova Cultural, 1996. (Série: Os Economistas. Título Original: An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations).

SOARES, Marden Marques; MELO SOBRINHO, Abelardo Duarte de. Microfinanças: O papel do Banco Central do Brasil e a importância do cooperativismo de crédito. 2ª ed. rev. e ampl. Brasília : BACEN, 2008.

SOARES, Marden Marques; BALLIANA, Gilson Marcos. O cooperativismo de crédito no Brasil. In: Governança Cooperativa: Diretrizes e mecanismos para fortalecimento da governança em cooperativas de crédito. Brasília: BACEN, 2009. p. 17-30 (Capítulo 1º).

WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Trad. Marcella Furtado. São Paulo : Landmark, 2012. Capítulo 1, p. 39. (Ano de publicação original: 1890. Título original: The Picture of Dorian Gray).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2359043219807

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103