Sintomas osteomusculares em profissionais de enfermagem de um hospital público

Lara Andrade Souza, Érica Midori Ikegami, Isabel Aparecida Porcatti de Walsh, Dernival Bertoncello

Resumo


Introdução: A enfermagem é uma profissão exaustiva, acarretando desgaste físico e mental, que podem adoecer o trabalhador e, no Brasil, perfaz um número expressivo de profissionais. Objetivo: identificar sintomas osteomusculares, sua frequência e interferências em profissionais de enfermagem de um hospital público de alta complexidade. Métodos: Trata-se de um estudo observacional com 37 técnicos de enfermagem que responderam um questionário semi-estruturado e o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO). Na análise dos dados utilizaram-se estatística descritiva e índices de correlação. Resultados: Os profissionais de enfermagem investigados eram adultos jovens, trabalhando em período matutino (56,7%), mulheres (59,5%), em união estável (51,3%), brancos (54%), católicos (35,1%) e com escolaridade a nível técnico (56,7%). De acordo com os resultados do QNSO em relação aos últimos 12 meses, 97,3%apresentaram alguma dor, desconforto ou dormência como queixa e 67,5% nos últimos sete dias sendo as regiões mais citadas a parte inferior e superior das costas. Não houve correlação da idade com a intensidade dos sintomas avaliados. Conclusão: Medidas de promoção e prevenção devem ser tomadas para tentar reduzir os sintomas na saúde desses trabalhadores, proporcionando bem estar e consequente melhoria do atendimento prestado ao paciente.


Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Saúde Coletiva; Equipe de Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Fracon JF, Ali RN, Braz RG. Estudo epidemiológico de sintomas osteomusculares em cirurgiões-dentistas do Distrito Federal. Revista Movimenta. 2012;5(1):27-39.

Magnago TSBS, Lisboa MTL, Griep RH, Kischhof ALC, Guido, LA. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbio musculoesquelético em trabalhadores de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010;18(3):429-35.

Azevedo BDS. Absenteísmo na equipe de enfermagem em unidades de cuidados críticos: uma revisão integrativa. Revista da Universidade Vale do Rio Verde - Três Corações. 2014; 12(2):285-95.

Ribeiro RP, Martins JT, Marziale MHP, Robazzi MLCC. O adoecer pelo trabalho na enfermagem: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(2):495-504.

Brasil. Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília (DF): OPAS/OMS; 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Lesões por esforços repetitivos (LER)/Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Boschman JS, van der Molen HF, Sluiter JK, Frings-Dresen MH. Musculoskeletal disorders among construction workers: a one-year follow-up study. BMC Musculoskelet Disord. 2012;13:196-205.

Coggon D et al. The CUPID (Cultural and Psychosocial Influences on Disability) Study: Methods of Data Collection and Characteristics of Study Sample. PLoS ONE. 2012; 7(7):1-12.

Machado LSF, Rodrigues EP, Oliveira LMM, Laudano RCS, Sobrinho CLN. Agravos à saúde referidos pelos trabalhadores de enfermagem em um hospital público da Bahia. Rev Bras Enferm. 2014;67(5):684-91.

Conselho Federal de Enfermagem. Enfermagem em números [Internet]. 2016. [acesso em 21 nov 16]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/enfermagem-em-numeros

Conselho Federal de Enfermagem. Pesquisa inédita traça perfil da Enfermagem. [Internet]. 2015. [acesso em 21 nov 16]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem_31258.html

Afecto MCP, Teixeira MB. Avaliação do estresse e da síndrome de Burnout em enfermeiros que atuam em uma unidade de terapia intensiva: um estudo qualitativo. Online Braz J Nurs. 2009;8(1).

Silva RM, Beck CLC, Magnago TSBS, Carmagnani MIS,Tavares JP, Prestes FC. Trabalho noturno e a repercussão na saúde dos enfermeiros. Esc Anna Nery. 2011;15(2):270-6.

Henriques Camelo SH, Silva VLS, Laus AM, Chaves LDP. Perfil profissional de enfermeiros atuantes em unidades de terapia intensiva de um hospital de ensino. Cienc Enferm. 2013;19(3): 51-62.

Duarte NS, Mauro MYC. Análise dos fatores de riscos ocupacionais do trabalho de enfermagem sob a ótica dos enfermeiros. Rev Bras Saúde Ocup. 2010; 35(121):157-67.

Hilleshein EF, Souza LM, Lautert L, Paz AA, Catalan VM, Teixeira MG,Mello DB. Capacidade para o trabalho de enfermeiros de um hospital universitário. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(3):509-515.

Pinheiro FA, Troccoli BT, Carvalho CV. Validity of the Nordic Musculoskeletal Questionnaire as morbidity measurement tool. Rev Saude Publica. 2002;36(3):307-12.

Rocha CSA, Silva CB, Neto MG, Martinez BP. Alterações osteomusculares em técnicos de enfermagem em um ambiente hospitalar. Revista Pesquisa em Fisioterapia. 2013;3(1):3-12.

Happell B, Dwyer T, Reid-Searl K, Burke KL, Caperchione CM, Gaskin CJ. Nurses and stress: recognizing causes and seeking solutions. J Nurs Manag. 2013;21(4):638-47.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583432277

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.