Conhecimento dos cuidadores intradomiciliares de idosos com DM tipo 2 em insulinoterapia, na atenção primária

Denize Alves de Almeida, Marcelo Soares dos Santos, Walisete de Almeida Godinho Rosa, Mariana Gondim Mariutti Zeferino, Iácara Santos Barbosa Oliveira, Nariman de Felicio Bortucan Lenza

Resumo


Identificar o conhecimento dos cuidadores intradomiciliares de idosos com Diabetes Mellitus (DM) tipo 2, em insulinoterapia, na atenção primária. Método: Estudo descritivo, transversal, realizado através de entrevista estruturada com 31 cuidadores. Resultados: A maioria conhece o significado de DM; consegue identificar quadro de hipo e hiperglicemia; realizam o teste de glicemia, mas desconhecem os valores adequados de glicemia em jejum e na técnica de preparo e aplicação da insulina apresentam algum tipo de deficiência. A minoria refere dúvidas sobre como cuidar dos idosos com DM tipo 2, mas apresentam dificuldades de lidar com quadro de hipo e hiperglicemia e apresentam dificuldades nos cuidados relacionados às feridas e alimentação. Conclusão: Há lacunas de conhecimento desses cuidadores, sendo importante que a equipe de enfermagem faça um trabalho de educação em saúde voltado para os cuidadores para que o cuidado no domicilio seja realizado de forma correta e com qualidade.


Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Cuidadores; Idoso; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). Milech A et al.

Organização Oliveira JEP, Vencio S. São Paulo: A.C. Farmacêutica, 2016. 358p.

Fenley JC, Santiago LM, Nardi SMT, Zanetta DMT. Limitação de atividades e limitação social em pacientes com

diabetes. Acta fisiatra.2009; 16(1): 14-8.

Mendes TAB, Goldbaum M, Segri NJ, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, et al. Diabetes mellitus: fatores associados

à prevalência em idosos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde

Pública. 2011; 27(6): 1233-43.

Triches C, Schaan BD, Gross JL, Azevedo MJ. Complicações macrovasculares do diabetes melito: peculiaridades

clinicas de diagnóstico e manejo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009; 53(6): 699-708.

Martins JJ, Albuquerque GL, Nascimento ERP, Barra DCC, Souza WGA, Pacheco WNS. Necessidades de educação em saúde dos cuidadores de pessoas idosas no domicílio.Texto contexto enferm. 2007; 16(2): 262-4.

Stacciarini TSG; Haas VJH; Pace AE. Fatores associados à auto-aplicação da insulina nos usuários com diabetes

mellitus acompanhados pela Estratégia Saúde da Família. Cad. Saúde Pública.2008; 24(6): 1314-22.

Alves LC, Leimann BCQ, Vasconcelos MEL, Carvalho MS, Vasconcelos AGG, Fonseca TCO et al. A influência das

doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007;

(8): 1924-30.

Bauab JP, Emmel MLG. Mudanças no cotidiano de cuidadores de idosos em processo demencial. Rev. Bras. Geriatr.

Gerontol. 2014; 17(2): 339-52.

Gratão ACM, Vendrúscolo TRP, Talmelli LFS, Figueiredo LC, Santos JLF, Rodrigues RAP. Sobrecarga e desconforto

emocional em cuidadores de idosos. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2): 304-12.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras

de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, 2013.

Panhoca I, Pupo ACS. Cuidando de quem cuida: avaliando a qualidade de vida de cuidadores de afásicos. Rev

CEFAC, São Paulo. 2008; 12 (2): 299-307.

Salgueiro H, Lopes MA. Dinâmica da família que coabita e cuida de um idoso dependente. Rev Gaúcha Enferm. 2010;

(1): 26-32.

Vieira L, Nobre JRS, Bastos CCBC, Tavares KO. Cuidar de um familiar idoso dependente no domicílio: reflexões para

os profissionais da saúde. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2012; 5(2): 255-63.

Vieira CPB, Fialho AVM, Moreira TMM. Dissertações e teses de enfermagem sobre o cuidador informal do idoso.

Brasil, 1979 a 2007. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(1): 160-66.

Scheffel RS, Bortolanza D, Weber CS, Costa LA, Canani LH, Santos KG et al. Prevalência de complicações micro

e macrovasculares e seus fatores de risco em pacientes com diabetes melito tipo 2 em atendimento ambulatorial. Rev.

Assoc. Med. Bras.2004; 50(3): 263-67.

Brasil. Ministério da saúde (BR). Cadernos de atenção básica: Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Série A.

Normas e Manuais Técnicos, n.19. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Moreira RC, Cruz CFR, Valsecchi EASS, Marcon SS. Vivências em família das necessidades de cuidados referentes

à insulinoterapia e prevenção do pé diabético. Porto Alegre. Rev Gaúcha Enfermagem.2008; 29(2): 283-91.

Silva ENSF, Santana PS, Palmeira CS. Descarte de seringas e agulhas por pacientes com diabetes Mellitus. Rev.

Enferm. Contemporânea. 2013; 2(1): 82-102.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Manual de nutrição - pessoa com diabetes. Departamento de nutrição e metabologia

da SBD, 2009:1-40.

Brasil. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para

o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Pontieri FM, Bachion MM. Crenças de pacientes diabéticos acerca da terapia nutricional e sua influência na adesão

ao tratamento. Ciênc.Saúde Coletiva.2010; 15(10): 151-60.

Oliveira PB, Franco L. Consumo de adoçantes e produtos dietéticos por indivíduos com Diabetes Melito tipo 2,

atendidos pelo Sistema Único de Saúde em Ribeirão Preto, SP. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010; 54(5): 455-62.

Evangelista DG, Magalhães ERM, Moretao DIC, Stival MM, Lima LR. Impacto das feridas crônicas na qualidade de

vida de usuários da estratégia de saúde da família. Ver Enferm Cent.-oeste Min.2012; 2(2): 254-63.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Departamento de enfermagem da sociedade brasileira de diabetes. Grossi SAA,

Pascali PM (org). Cuidados de enfermagem em diabetes mellitus. 2009. p. 1-173.

Teixeira CRS, Zanetti ML, Landim CAP, Becker TAC, Santos ECB, Franco RC et al. Automonitorização da glicemia

capilar no domicílio: revisão integrativa de literatura. Rev. Eletr. Enf. [on line]. 2009; 11(4): 1006-17.

Villas Boas MLC; Schimizu HE. Tempo gasto por equipe multiprofissional em assistência domiciliar: subsídio para

dimensionar pessoal. Rev Acta Paul Enferm. 2015; 28(1): 32-40.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583431014

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.