Instituição de longa permanência para idosos: avaliando o processamento auditivo dessa população

Rubia Soares Bruno, Eliara Pinto Vieira Biaggio, Débora Durigon da Silva, Dayane Domeneghini Didoné, Sheila Jacques Oppitz, Elenir Fedosse, Michele Vargas Garcia

Resumo


RESUMO

Objetivo: Avaliar as habilidades do processamento auditivo de idosos institucionalizados por meio de testes comportamentais e eletrofisiológico.Metodologia: Participaram do estudo 12 idosos com audição normal e perda auditiva neurossensorial simétricas, de grau até moderado em ambas as orelhas. Todos os indivíduos foram submetidos aos seguintes procedimentos: anamnese,inspeção visual do meato acústico externo,audiometria,medidas de imitância acústica,Potenciais Evocados Auditivos de Longa Latência (PEALL) e testes comportamentais do processamento auditivo sendo eles:  localização sonora,memória sequêncial para sons verbais e não verbais, padrão de duração e dicótico de dígitos, realizados preferencialmente a 40dB NS. Para os PEALL pesquisou-se os valores de latência de N1-P2 e latência e amplitude do P300,realizados numa intensidade de 70-90 dBNPS.Resultados: A média de idade foi de aproximadamente 70 anos. A maioria dos idosos apresentou alteração em pelo menos um dos testes comportamentais. Nos PEALL a maioria apresentou valores de latência dos componentes N1 e P2 dentro do esperado para a faixa etária e alteração do P300.Conclusão: Constatou-se alteração das habilidades do processamento auditivo em todos os idosos institucionalizados.


Palavras-chave


Instituição de Longa Permanência para Idosos; Percepção Auditiva; Potenciais Evocados Auditivos; Idoso; Audição

Texto completo:

PDF

Referências


Mazo GZ, Liposcki DB, Ananda C, Prevê D. Condições de saúde, incidência de quedas e nível de atividade física dos idosos. Rev. bras. Fisioter. São Carlos. 2007; 11(6): 437-442.

Baldoni AO, Pereira LRL. Estudos de utilização de medicamentos em idosos atendidos pelo Sistema Único de Saúde. [Dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60137/tde-09082010-095427/pt-br.php

Freitas MAV, Scheicher ME. Qualidade de vida de idosos institucionalizados. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2010;13(3):395-401.

Christophe M & Camarano AA. Dos asilos às instituições de longa permanência: Uma história de mitos e preconceitos, 2010. In: Camarano AA . Cuidados de longa duração para a população idosa: Um novo risco social a ser assumido? 2010. pp. 145-162. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Melo J, Garcia MV, Fedosse E. Os múltiplos aspectos da linguagem em processo demencial: um comparativo entre contexto doméstico e institucional. No prelo, Revista CEFAC. 2015;17(2):615-627.

Hull RH. Atendimento ao paciente idoso. In: Katz J. Tratado de audiologia clínica. 4ª ed. São Paulo: Manole; 1999. p. 783-91.

Teixeira AR, almeida LG, Jotz GP, DE Barba MC. Qualidade de vida de adultos e idosos pós adaptação de próteses auditivas. Rev Soc Bras Fonoaudiol.2008;13(4): 357-61.

Corso JF. Presbycusis, hearing aids and aging. Audiology.1977;16(2):146- 63.

Jerger J. Audiological findings in aging. Adv. Otorhinolaryngol. 1973;20:115-24.

Veras RP, Mattos LC. Audiologia do envelhecimento: revisão da literatura e perspectivas atuais. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2007; 73(1): 128-134.

Koslowski L, Wiemes GMR, Magni C, Silva ALG. A efetividade do treinamento auditivo na desordem do processamento auditivo central: estudo de caso. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2004; 70(3): 427-32.

Marangoni AT, Santos RBF, Suriano ÍC, GIL D. Avaliação eletrofisiológica da audição em indivíduos após traumatismo cranioencefálico. Rev. CEFAC [online ahed of print]. 2011; 15(1) : 58-68.

Wiemes GRM, Koslowski L, Mocelin M, Hamerschmidt R, Schuch LH. Cognitive evoked potentials and central auditory processing in children with reading and writing disorders. Braz J Otorhinolaryngol. 2012;78(3): 91-7.

Miranda EC, Pinheiro MMC, Pereira LD, Iorio MC M. Correlação do potencial evocado P300 com aspectos cognitivos e depressives do envelhecimento. São Paulo. Braz. J. Otorhinolaryngol. 2012;78(5).

Davis H, Silvemann RS. Hearing and Deafness. New York: Holt, Rinehart e Winston; 1970.

Wilson RH, Strouse AL. Audiometria com estímulos de fala. In: Musiek FE, Rintelmann N. F.Perspectivas atuais em avaliação auditiva. São Paulo: Manole, cap 2, p. 21-54. 2001.

Pereira LD, Schochat E. Testes auditivos comportamentais para avaliação do processamento auditivo. São Paulo: Pró Fono, p. 22-45. 2011.

Taborga LMB. Processos temporais auditivos em músicos de Petrópolis. Rio de Janeiro,1999 [Monografia – Universidade Católica de Petrópolis/ UNIFESP]. P.76.1999.

Mcpherson DL. Late potencials of the auditory system. 1 Ed, San Diego: Singular Publishing Group, 1996.

Oliveira JC, Murphy CFB, Schochat E. Processamento auditivo (central) em crianças com dislexia: avaliação comportamental e eletrofisiológica. Revista CoDAS. 2013:25(1): 39-44.

Del duca GF, Silva FG, Thumé S, Santos IS, Hallal PC. Indicadores da Institucionalização de Idosos: estudo de casos e controles. Revista de Saúde Pública, São Paulo.2012;46(1).

Pinheiro MMC, Dias KZ, Pereira LD. Efeito da estimulação acústica nas habilidades do processamento temporal em idosos antes e após protetização auditiva. São Paulo. Braz. j. otorhinolaryngol. 2012;78(4) .

Azzolini VC, Ferreira MIDC. Processamento Auditivo Temporal em Idosos. Rev. Arq. Int. Otorrinolaringol, São Paulo. 2010;14(1): 95-102.

Liporaci FD, Frota SMMC. Envelhecimento e ordenação temporal auditiva. Rev CEFAC. [online]. 2010;12(5): 741-748.

Cóser MJS, Cioquetta E, Pedroso FS, Cóser PL. Potenciais Auditivos Evocados Corticais em Idosos com Queixa de Dificuldade de Compreensão da Fala. Arq. Int. Otorrinolaringol.., São Paulo. 2007;11(4):396-401.

Maurits NM, Elting JW, Jager DK, Van Der Hoeven JH, Brouwer WH. P300 component identification in auditory oddball and novel paradigms using source analysis techniques: reduced latency variability in the elderly. J. Clin. Neurophysiol., Netherlands. 2005;22(3):166-175.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583420423

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.