Percorrendo o labirinto com Marcel Duchamp

Flávia Dutra Cordeiro

Resumo


Demonstrar como as obras do artista Marcel Duchamp se inserem na Arte Contemporânea e como a existência de vários dos seus fragmentos, esboços e estudos são pontos centrais para a construção de mundos de devaneios que trazem conceitos intercalados de forma labiríntica. Os estudos e obras de Duchamp são parte integrante de um labirinto que percorre o espaço-tempo e cujas marcas estão fortemente associadas ao modo de se pensar a Arte Contemporânea quando inclui o outro. O que perpassa pela abrangência do outro como co-artista carrega em si algo de subjetivo, o que tornou possível aproximarem-se várias correntes de pensamento, fazendo com que eles se encontrassem através desta pesquisa cujos conceitos foram sendo delineados durante a sua realização. Analisar e pesquisar faz parte do processo desenvolvido e traz consigo a proximidade entre as obras de Duchamp e o que tenho feito durante alguns anos através da Arte.


Palavras-chave


Arte Contemporânea; Marcel Duchamp; Labirinto; Androgenia

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. La Poétique de l`Éspace. Paris: Presses Universitaries de France, 1961, p.200-01.

BAILLY, Jean-Christophe. Marcel Duchamp. Paris: Fernand Hazan, 1984, p.5-6.

BERGAMO, Mônica. É arte ou não é?. FOLHA DE S.Paulo, caderno Ilustrada, domingo 17 de outubro de 2004.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas. Vol2. Lisboa: Teorema, 1998. p.314,366,517.

BUREN, Daniel. Daniel Buren: textos e entrevistas escolhidos(1967-2000)/ organização Paulo Sergio Duarte [tradução, Ana Maria Castro Santos, André Sena, Lúcia Maia]- Rio de Janeiro: Centro de Arte Hélio Oiticica, 2001, p.16.

CABANNE, Pierre. Marcel Duchamp: engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Perspectiva, 2001, p.24.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. Tradução Diogo Mainardi. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p.67.

COSTA, Cláudio da. A arte moderna e contemporânea: a lógica da superfície em dois momentos. Disponível em: http:www.digitagrama.com.br . Acesso em: 2005.

DA VINCI, Leonardo, apud CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário dos símbolos. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1982, p.530.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Vol1. Tradução Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Fio de Janeiro: Ed.34, 1995, p.15.

DUCHAMP, Marcel. Escritos. Duchamp du signe. Barcelona: Gustavo Gili, p.42,164.

DUCHAMP apud CABANNE, Pierre. Marcel Duchamp: Engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Ed.Perspectiva S.A., 2001, p.47,110.

HABERMAS, Jurgen. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990. p.237.

HEARTNEY, Eleonor. Pós-Modernismo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, p.9.

MATOS, Olgária F. http://www.patio.com.br/labirinto/paisagensurbanas.html.

MEREJKOWSKI, Dimitri. The romance of Leonardo da Vinci. Bernard Guilbert Guerney, tr.New York. The Modern Library, 1928, p.510-11.

RANCIÈRE, Jacques. Autor morto ou artista vivo demais? Folha de São Paulo, cadeno mais! São Paulo, 6 de abril de 2003.

VELLOSO, Rita de Cássia L. O Cotidiano Selvagem: a arquitetura na internacional “situtionniste”. Entre riscos & rabiscos. Publicação dos alunos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Izabela Hendrix, set/out 2002, p.17.

VENEROSO, Maria do Carmo F. Caligrafias e escrituras: diálogo e intertexto no processo escritural nas artes do século XX. [Tese de Doutorado em Estudos Literários]. Belo Horizonte:Faculdade de Letras da UFMG, 2000, p.173.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas; Tradução Marcos G. Montagnoli. Rio de Janeiro: Vozes, 1994, p.244.




DOI: https://doi.org/10.5902/198373482204

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio