Atuação profissional e bem-estar em enfermeiros

Débora Aparecida da Silva Santos, Luc Vandenberghe

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/217976926676

Objetivo: identificar o grau de bem-estar de enfermeiros da cidade de Rondonópolis-MT e relacioná-lo com aspectos da sua atuação profissional. Método: estudo transversal, analítico, com 128 enfermeiros dos serviços de saúde públicos e privados. Utilizou-se questionário de práticas profissionais e uma escala de Bem-estar validada; dados analisados por regressão linear. Resultados: identificou-se que 78,1% dos enfermeiros possui bem-estar elevado; mulheres (82,5%) mais que homens (61,5%). Sobrecarga de horas de trabalho semanal é prejudicial ao bem-estar. Paradoxalmente, salário (função de carga horária) está negativamente relacionado ao bem-estar. Há queixas sobre condições estruturais para efetuar um trabalho eficiente. Menor bem-estar associa-se a trabalho em hospitais e instituições similares, bem como assistência direta ao paciente contribui para maior bem-estar. Maior bem-estar associa-se com satisfação com o trabalho e percepção de eficiência profissional. Conclusão: o profissional deve repensar seu trabalho evitando sobrecarga, exigindo condições estruturais adequadas e procurando especialização para obter uma eficiência satisfatória.


Palavras-chave


Enfermagem; Trabalho; Promoção da saúde; Qualidade de vida

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/217976926676



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.