Vivências de famílias no cuidado de adolescentes com paralisia cerebral

Bruna Teodoro Xavier, Paloma Raysla da Silva, Elaine Cristina Rodrigues Gesteira

Resumo


Objetivo: compreender as vivências das famílias no cuidado de adolescentes com paralisia cerebral. Método: pesquisa qualitativa, fenomenológica, realizada no domicílio de cinco famílias situadas na região centro-oeste de Minas Gerais, de abril a agosto de 2017. Após a aprovação do comitê de ética em pesquisa, os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com os familiares de adolescentes com Paralisia Cerebral (PC) e submetidos à análise compreensiva fenomenológica. Resultados: apreendeu-se que o cotidiano dessas famílias é permeado por sofrimento e angústia para oferecer ao adolescente com PC, uma melhor qualidade de vida. A assistência em saúde é fragmentada, impedindo avanços na integralidade do cuidado para esse público. Conclusão: considera-se que os adolescentes com PC estão sendo pouco assistidos multiprofissionalmente cabendo, ao enfermeiro, o desafio de criar estratégias de cuidado que possam empoderar e subsidiar as famílias na busca de recursos disponíveis visando à integralidade.


Palavras-chave


Adolescente; Paralisia Cerebral; Família.

Referências


Weierink L, Vermeulen RJ, Boyd RN. Brain structure and executive functions in children with cerebral palsy: A systematic review. Res de Disabil [internet]. 2013 [acesso em 2017 dez 4]; 34(1):1678-88. Disponível em:https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0891422213000486?via%3Dihub

Dias CP, Goulart NBA, Freire B, Becker J, VazMA. Cerebral palsy in Pediatrics. Pediatrmod [internet]. 2015 [acesso em 2017 set 15]; 11(6):224-29. Disponível em :http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=6122

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes Brasileiras de Atenção à Pessoa com Paralisia Cerebral [internet].2013 [acesso em 2016 mar 15]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_paralisia_cerebral.pdf

Abreu A, Alegrete N, Vieira I. Avaliação de deformidades da coluna vertebral em adolescentes com paralisia cerebral. Rev Port OrtopTraum [Internet]. 2014 [acesso em 2018 jul 4]; 22(4):370-378. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S164621222014000400004&lng=pt.

Franki I, Desloovere K, De Cat J, Feys H, Molenaers G, Calders P, Vanderstraeten G, Himpens E, Van Broeck C. The evidence-base for basic physical therapy techniques targeting lower limb function in children with cerebral palsy: a systematic review using the International Classification of Functioning, Disabilityand Health as a conceptual framework. J RehabilMed [internet]. 2012 [acesso em 2018 jul 4]; 44(5):385-95. Disponível em:https://www.medicaljournals.se/jrm/content/abstract/10.2340/16501977-0983

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas [internet]. 2010 [acesso em 2016 jul 14]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_pessoa_deficiencia.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde [internet].2010 [acesso em 2019 ago 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_atencao_saude_adolescentes_jovens_promocao_saude.pdf

Andrade MMG, ElpídioSF, Frota LMCP, Cardoso KVV, Carleial GMA. Interventions of health education in mothers of children with cerebral palsy. J Hum Growth [internet].2017 [acesso em 2018 jul 4]; 27(2): 175-81. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/126857/133403

Campelo LLCR, Costa SME, Colvero LA. Dificuldades das famílias no cuidado à criança e ao adolescente com transtorno mental: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP [internet]. 2014 [acesso em 2017 set 16]; 48: 197-204. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48nspe/pt_0080-6234-reeusp-48-esp-196.pdf

Roquet M, Garlantezec R, Remy-Neris O, Sacaze E, Gallien P, Ropars J, et. al. From childhood to adulthood: health care use in individuals with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol [internet].2019 [acesso em 2019 ago 10];60(12):1271-77. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30171608

Molinaro A, Fedrizzi E, Calza S, Pagliano E, Jessica G, Fazzi E, et al. Family-centred care for children and young people with cerebral palsy: results from an Italian multicenter observational study. Child Care Health Dev [internet]. 2017[acesso em 2019 ago 12]; 43(4):588-9o7. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/cch.12449

Lima LAN. O Método da Pesquisa Qualitativa do Fenômeno Situado. Uma criação do educador brasileiro Joel Martins, seguida pela Professora Maria Aparecida Vigianni Bicudo. As análises: Idiográfica e Nomotética. [internet].2016 [acesso em 2018 jul 4];1:534-40. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/640/629

Associação de pais e amigos dos excepcionais-APAE- Divinópolis- MG [internet]. 2016 [acesso em 2016 nov. 10]. Disponível em: http://divinopolis.apaebrasil.org.br/.

Cardoso P, Padoin CM, Maris S, Terra G, Souza MO, Ívis E, et al. Modos de condução da entrevista em pesquisa fenomenológica: relato de experiência. Rev Bras enferm [internet].2014 [acesso em 2018 jul 4];67(3):468-72. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003471672014000300468&script=sci_abstract&tlng=PT

Correia VD, Salimene ACM. Perfil social de crianças e jovens com paralisia cerebral em um centro de reabilitação física. Acta Fisiátrica [internet]. 2016 [acesso em 2018 jul 4]; 23(1):16-19. Disponível em

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde [internet].2010 [acesso em 2016 jul 14]. . Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_pessoa_deficiencia.pdf

Brasil. Políticas públicas para a primeira infância e alteração da Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) [Internet]. 2016 [acesso em 2017 set 4]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13257.htm

Lima SAV, Silva MRFS, Carvalho RMF, Cesse EAP, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis: revista de saúde coletiva [internet].2015 [acesso em 2017 nov 23]; 25(2): 635-656. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312015000200635&lng=en.

Silva SSC, Pontes FAR. Rotina de famílias de crianças com paralisia cerebral. Educ Ver [internet]. 2016 [acesso em 2017 dez 12]; 59: 65-78. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602016000100065&lng=en&nrm=iso&tlng=PT

Santos KH, Marques D, Souza AC. Criança e adolescentes com Paralisia Cerebral: Análise sobre longitudinalidade do cuidado. Texto & Contexto Enferm [internet]. 2017 [acesso em 2017 set 6]; 26(2) 26(2):e00530016: 2-9. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n2/pt_0104-0707-tce-26-02-e00530016.pdf

Rocha PFA, Bohels AE, Silva AMF. Rotinas de cuidados das famílias de crianças com paralisia cerebral. Rev Enferm UFSM [internet]. 2015 [acesso em 2018 jul 4]; 5(4):650-60. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/15685/pdf

Gesteira ECR, Bousso RS, Rodarte AC. Uma reflexão sobre o manejo familiar da criança com doença falciforme.Rev Enferm CentOest Min [internet]. 2016 [acesso em 2018 mar 15]; 6(3):2454-462. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/758/1178

Brasil. Lei No. 8080/90, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. [internet]. 2009 [acesso em 2016 set 8]. Disponível em:http://conselho.saude.gov.br/web_confmundial/docs/l8080.pdf

Nóbrega VM, Silva MEA, Fernandes LTB, Viera CS, Reichert APS, Collet N. Chronic disease in childhood and adolescence: continuity of care in the Health. Care Network. Rev Esc Enferm USP[internet].2017;51:e03226:1 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342017000100427

Horridge KA, Harvey C, McGarry K, Williams J, Whitlingum G, Busk M, Fox S, et al. Quantifying multifaceted needs captured at the point of care. Development of a Disabilities Terminology Set and Disabilities Complexity Scale. Dev Med Child Neurol [internet].2016;58(6):570-80. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/dmcn.13102




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769233267

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.