Características dos profissionais de saúde da família no atendimento de violência contra crianças e adolescentes

Jessye Melgarejo do Amaral Giordani, Pâmela Kurtz Cezar, Gilmara de Campos, Fernanda Giordani Kretzmman, Sheila Kocourek

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/2179769216375

Objetivo: avaliar as características dos profissionais de Saúde da Família no atendimento de casos de violência. Método: trata-se de um estudo transversal, utilizando dados coletados através de entrevistas estruturadas de um censo dos profissionais de saúde da família. O desfecho foi o atendimento ou identificação de casos de violência contra crianças ou adolescentes e os preditores foram sexo, idade, região, tempo de serviço em saúde da família, conhecimento teórico. Resultados: a prevalência de identificação ou atendimento de casos de violência foi 47,4% (IC95%: 38,6-56,4). Através de análise hierárquica agrupando as variáveis nas dimensões: Demográfica e Processo de trabalho, as maiores prevalências foram observadas entre os profissionais com maior tempo de serviço em saúde da família (RP = 3,17 IC95%: 1,11-9,03) e que conheciam alguma legislação (RP = 2,06 IC95%: 1,12-3,81). Considerações finais: independentemente de fatores demográficos, as características do processo de trabalho foram importantes para o cuidado.


Palavras-chave


Violência; Criança; Adolescente; Saúde da família; Pessoal de saúde

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2179769216375



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.