PRÁTICAS DE PAISAGISMO EM ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA SOCIAL EM COMUNIDADES RURAIS E EM CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Janine Farias Menegaes, Fernanda Alice Antonello Londero Backes, Karla Marque da Rocha, Karine Matuchevski Balzan

Resumo


A educação socioambiental aliada às técnicas de paisagismo tem sido utilizada para melhorar a estética de ambientes proporcionando inúmeros benefícios à sociedade, contribuindo, assim, para a melhoria da qualidade de vida dos usuários destes espaços. As técnicas de ajardinamento utilizadas para a remodelação ou revitalização da paisagem são fundamentais para tornar o ambiente prazeroso e propício ao convívio social. Desse modo, o presente trabalho objetivou por meio da realização de oficinas de paisagismo e jardinagem, transmitir e desenvolver assuntos sobre esta temática, com o intuito de ajardinar espaços de convivência social, nas comunidades rurais do município de Agudo, RS e no CEASM - Centro de Educação Ambiental de Santa Maria, RS. As oficinas ocorreram em dois momentos durante o dia, manhã e tarde, o período da manhã foi destinado à parte teórica sobre o tema paisagismo e jardinagem. Observou-se nas comunidades rurais que o grupo de mulheres que as mantém preocupam-se na manutenção dos espaços de convívio social e na preservação do meio ambiente e das suas culturas. Já no CEASM observou-se a preocupação dos professores em disseminar os conhecimentos relativos à ornamentação dos espaços escolares, com a finalidade de propiciar aos usuários destes espaços um ambiente prazeroso e socioeducativo.


Palavras-chave


Educação socioambiental; Paisagismo; Técnicas de jardinagem; Trabalho pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELIS, B. L. D. Material didático de Floricultura e Paisagismo, Departamento de Agronomia da Universidade de Viçosa. Viçosa. 2007.

CORREA, R. M. (Org.) Avanços e desafios na construção de uma sociedade inclusiva. Belo Horizonte: Sociedade Inclusiva/PUC-MG, 2009. 198 p.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 8 ed. São Paulo: Gaia, 2003. 551p.

FREITAS, L. V. M. A organização do Movimento de Mulheres Agricultoras de Santa Catarina, Igreja e Protagonismo Político no contexto da década de 1980. In: XXVI SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH. USP. São Paulo. 2011 Anais eletrônicos... Disponível em:< http://www.snh2011.anpuh.org/conteudo/view?ID_CONTEUDO=775>. Acesso em 28 maio 2015.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. 324p.

INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL. Informações/ Educação Ambiental. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2015.

LIBÂNEO, J. C. A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria histórico-cultural da atividade e a contribuição de Vasily Davídov. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, 2004.

LIRA FILHO, J. A.; PAIVA, H. N.; GONÇALVES, W. Paisagismo – princípios básicos. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001. 163p.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetórias e Fundamentos da Educação Ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2012. 168p.

MENEGAES, J. F.; BACKES, F. A. A. L.; BALDONI, M. B.; ZAGO, A. P.; BERNARDINI, C. Ajardinamento de espaços de convivência social através de técnicas de paisagismo com mulheres agricultoras do município de Agudo, RS. II Seminário Internacional de Educação do Campo e Fórum Regional do Centro e Sul do RS: educação, memória e resistência popular na formação social da América Latina. In: Anais eletrônicos... 2014. Santa Maria.

PAIVA, P. D. O.; POST, A. P. D. O. Conceitos e caracterização do paisagismo. In: PAIVA, P.D.O. Paisagismo – conceitos e aplicações. Cap. 2. Lavras: UFLA, 2008. p.67-76.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaré, BA, Brasil. Acta Botânica Brasileira, v. 20, n. 4, p.751-762, 2006.

RAYS, O. A. O conceito de aula: um dos saberes necessários à práxis pedagógica. In: RAYS, O.A. (Org.). Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002. p. 84-104.

SAHEB, D. A educação socioambiental na formação em pedagogia. 2008. 113f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2008.

SCARDUA, V. M. Educação infantil, educação ambiental e educação em valores: uma proposta de desenvolvimento moral da criança em relação às questões ambientais. Revista FACEVV - Faculdade Cenecista de Vila Velha. Vila Velha. n. 4; p. 136-148; jan./jun. 2010.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/FAPESP, 1996. 31p.

SILVA, L. R. A Natureza Contraditória do Espaço Geográfico. São Paulo: Contexto, 2. ed. 2001.

SOARES JÚNIOR, D. A.; OLIVEIRA, H. S.; PEDROSA, K. M. M.; SILVA, J. G. F. Paisagismo como alternativa na educação socioambiental. IX JORNADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – JEPX2009. In: Anais eletrônicos … 2009. Recife.

SOUZA, R. A. M. Educação ambiental e cidadania. In: HAMMES, V.S.; RACHWAL, M.F.G. Educação ambiental – para o desenvolvimento sustentável. Meio ambiente e a escola. Brasília: Embrapa, v.7. p.43-53, 2012.

ZANATTA, T.; ROSA, M.; SANTOS, J. V. SALAMONI, A. T. Práticas ambientais em escolas públicas de Frederico Westphalen. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. Santa Maria. v. 14 n. 14, p. 2817- 2822, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130819947

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.