Diagnóstico e proposições para os resíduos sólidos urbanos de Professor Jamil, GO

Evaldo de Melo Ferreira, Fernanda Viana Batista, Natan Moraes Ribeiro, Simone Costa Pfeiffer

Resumo


Como objetivo principal para a realização do presente trabalho, tem-se a proposição de medidas para mitigação das possíveis contaminações geradas pela disposição final, efetuadas com base no diagnóstico realizado, e também de rotas tecnológicas para os resíduos. As rotas tecnológicas apontadas nesse trabalho visam alternativas para a redução no volume do lixo a ser enviado ao aterro. Uma das principais ferramentas utilizadas para avaliação da área foi o Índice de Qualidade de Aterros (IQR) proposto pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) em que o lixão obteve nota igual a 1,5 em uma escala de 0 a 10. O IQR considera as características do local, a infraestrutura e condições operacionais. Além do IQR, para a execução do presente trabalho, foram feitos levantamento bibliográficos relacionados ao tema e também a determinação da composição gravimétrica do lixo gerado no município. Nessa última etapa, foram considerados os seguintes grupos: matéria orgânica, metal, papel, plástico, tecido e outros materiais não identificados. Com já esperado, devido aos hábitos da população, o item que apresentou maior percentual foi a matéria orgânica, correspondendo a 68,2% do total. Durante a execução desse trabalho, Professor Jamil estava em processo de análise para a realização de consórcio.

Palavras-chave


Saneamento ambiental; Controle de impactos ambientais; Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 306, de 7 de dezembro de 2004.

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0306_07_12_2004.html.

Acesso em: 01 ago. 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13896: Aterros de resíduos não perigosos –

critérios para projeto, implantação e operação. Rio de Janeiro, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8419: Apresentação de projetos de aterros sanitários de resíduos sólidos urbanos. Rio de

Janeiro, 1992.

AWASTHI, M. K; PANDEY, A. K; KHAN, J; BUNDELA, P. S; WONG, J. W. C; SELVAM, A. Evaluation of

thermophilic fungal consortium for organic municipal solid waste composting. Bioresource

Technology-Elsevier, USA, vol. 168, p. 214–221, Sept. 2014.

BRASIL. Lei de Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a

Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 25 out. 2014.

CETESB – COMPANHIA ESTADUAL DE SÃO PAULO. Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Urbanos,

21 ed. São Paulo: CETESB, 2011. 110 p.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o

tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências.

Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35805.pdf. Acesso em: 01 ago.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução de Nº 448, de 18 de janeiro de 2012. Altera os arts. 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 da

Resolução nº 307, de 5 de julho de 2002, do Conselho Nacional do Meio Ambiente- CONAMA.

Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=672. Acesso em: 13 fev.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução de Nº 428, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe, no âmbito do licenciamento ambiental

sobre a autorização do órgão responsável pela administração da Unidade de Conservação (UC),

de que trata o § 3º do artigo 36 da Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000, bem como sobre a ciência

do órgão responsável pela administração da UC no caso de licenciamento ambiental de

empreendimentos não sujeitos a EIA-RIMA e dá outras providências. Disponível em:

http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=641. Acesso em: 10 nov. 2014.

COUTO, M. C. L.; BRAGA, F. S.; LANGE, L. C. Tratamento de lixiviado por infiltração rápida como

alternativa para cidades de pequeno porte. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, vol. 18,

n. 3, p. 223-234, jul./set. 2013.

COUTRO, L & DUARTE, L. C. Reciclagem de embalagens plásticas flexíveis: contribuição da identificação

correta. Polímeros, São Carlos, vol. 23, n. 1, p. 128-134, Epub 01-Fev-2013.

CRUZ, N. F & MARQUES, R. C. Análise econômica do sistema da reciclagem em Portugal. Engenharia

Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, vol. 19, n. 3, p. 335-344, jul./set. 2014.

ERMOLAEV, E; SUNDBERG, C; PELL, M; JÖNSSON, H. Greenhouse gas emissions from home composting

in practice. Bioresource Technology-Elsevier, USA, vol. 151, p. 174–182, Jan. 2014.

FERREIRA, E. M.; CRUVINEL, K. A. S.; COSTA, E. S. Disposição final dos resíduos sólidos urbanos:

diagnóstico da gestão do município de Santo Antônio de Goiás. Revista Monografias Ambientais,

Santa Maria, vol. 14, n. 3, p. 3401-3411, mai-ago. 2014.

GOUVEIA, N & PRADO, R. R. Riscos à saúde em áreas próximas a aterros de resíduos sólidos urbanos.

Revista de Saúde Pública, São Paulo, vol. 44, n. 5, p. 859-866, out. 2010 Epub 03-Set-2010.

IBAM – Instituto Brasileiro de Administração Municipal. Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos

Sólidos. 15. ed. Rio de Janeiro: IBAM, 2001. 200 p.

LAGARINHOS, C. A. F & TENÓRIO, J. A. S. Logística reversa dos pneus usados no Brasil. Polímeros, São

Carlos, vol. 23, n. 1, p. 49-58, 2013 Epub 11-Out-2012.

LASSO, P. R. O; VAZ, C. M. P; BERNARDI, A. C. C; OLIVEIRA, C. R; BACCHI, O. O. S. Avaliação do uso

de resíduos de construção e demolição reciclados como corretivo da acidez do solo. Revista Brasileira

de Ciência do Solo, Viçosa, vol. 37, n. 6, p. 1659-1668, nov./dez. 2013.

MATOS, A. T; SILVA, D. F; LO MONACO, P. A. V; PEREIRA, O. G. Produtividade e composição química do

capim-Tifton 85 submetido a diferentes taxas de aplicação do percolado de resíduo sólido urbano.

Engenharia Agrícola, Jaboticabal, vol. 33, n. 1, p. 188-200, jan./fev. 2013.

PROFESSOR JAMIL. Plano de gestão integrada de resíduos sólidos. Professor Jamil: Instituto Vida, Gestão

Ambiental e Municipal, 2012. 61 p.

SEMARH GO – Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Resolução Nº 05, de 2014.

Dispõe sobre os procedimentos de Licenciamento Ambiental dos projetos de disposição final dos

resíduos sólidos urbanos, na modalidade Aterro Sanitário, nos municípios do Estado de Goiás.

Disponível em:

http://www.semarh.goias.gov.br/site/uploads/files/resolu%C3%A7%C3%A3o_cemam_05_2014_aterr

o.pdf. Acesso em: 10 nov. 2014.

SILVA, T. N.; FREITAS, F. S. N.; CANDIANI, G. Avaliação das emissões superficiais do gás de aterros

sanitários de grande porte. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, vol. 18, n.2, p. 95-104,

abr./jun. 2013.

ZHOU, H-B; MA, C; GAO, D; CHEN, T-B; ZHENG, G-D; CHEN, J; PAN, T-H. Application of a recyclable

plastic bulking agent for sewage sludge composting. Bioresource Technology-Elsevier, USA, vol. 152,

p. 329–336, Jan. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236130817547

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.