O TOQUE TERAPÊUTICO COMO UMA PRÁTICA AMBIENTAL ANTI-IATROGÊNICA

Aline Cristina Calçada de Oliveira, Alfredo Guillermo Martin Gentini

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/2236130812370

O presente artigo é um relato de experiência fruto das vivências de uma tese de doutorado em andamento. Suas premissas encontram-se dentro da perspectiva cartográfica sob a ótica da Esquizoanálise. O recorte escolhido é uma reflexão de como o Toque Terapêutico pode se aproximar de uma prática ambiental, minimizando a iatrogenia hospitalar. A hipótese sugerida para esta discussão entende o hospital enquanto espaço clínico e ambiental, o qual deve ir além da patologia, valorizando o ser humano de forma integral. Para tanto, considera a aplicação do Toque Terapêutico em duas pacientes internadas em unidade de Clínica Médica de em um Hospital Universitário do Sul do país, respeitando os preceitos éticos. O enfoque valorizado é a qualidade da relação que se estabelece a partir deste cuidado diferenciado em saúde. Entende também a promoção de um paradigma ético-estético e de devires espontâneos da pesquisadora sob forma de poesia, como formas de exercer um cuidado anti-iatrogênico, apresenta-os entremeados ao texto presente. Esta prática pode levar a uma práxis de pertencimento ao entorno capaz de conduzir a uma nova relação com a vida e com a Educação Ambiental.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Toque Terapêutico, Cuidado, Iatrogenia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130812370

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.