Performance and quality indicators and the governance process in Brazilian Federal Universities: a multi-case study

Josiane de Oliveira Lobato, Elida Furtado da Silva Andrade, Emerson Antonio Maccari, Marcos Rogério Mazieri

Abstract


The aim of this study was to verify the relationship between the use of the performance and quality indicators and the governance process of the Brazilian federal universities. To achieve this, semi-structured script interviews were conducted with the managers of four universities with the best performance and quality indicators. Following the request to maintain anonymity in the interviews, universities were codified as University 1, University 2, University 3 and University 4. Secondary data were collected in bibliographical and documentary research on the official websites of the universities participating in the research. For the analysis of the results, the triangulation of data sources was used. As a result, it has been verified that governance has a great influence on the way in which management conducts its work, since management with greater maturity in the governance process better understand the importance of indicators and all institutional information, and use them in a strategic way.


Keywords


Governance; Indicators; Information Management; Federal University

Full Text:

PDF

References


Andrade Oliveira, D. (2015). Nova Gestão Pública e Governos Demoráctico-Populares: Contradições entre a busca da Eficiência e a ampliação do Direito á Educação. Educação & Sociedade, 36(132), 625–646. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015152440

Barbosa, G. de C., Freire, F. de S., & Crisóstomo, V. L. (2011). Analyzing management indexes of Federal Universities against students’ performance at ENADE. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior (Campinas), 16(2), 317–344. https://doi.org/10.1590/S1414-40772011000200005

Barney, J. B. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management. https://doi.org/10.1177/014920639101700108

Bernardes, J. dos S., & Rothen, J. C. (2015). Comissão própria de avaliação: dois lados de uma mesma moeda. Estudos Em Avaliação Educacional, 26(62), 420–446. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.18222/eae266202966

Boynard, K. M. S. (2013). Indicadores de gestão em conflito com indicadores de qualidade?: lições econômicas para a gestão universitária. Retrieved from http://repositorio.unb.br/handle/10482/14753

Brasil. (2006). Orientações para o cálculo dos indicadores de gestão: decisão TCU no 408/2002 - Plenário. Versão revisada em janeiro de 2006. Tribunal de Contas Da União - TCU; Secretaria de Educação Superior – SESu/MEC; Secretaria Federal de Controle Interno – SFC. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Brasil. (2011). Orientações para Elaboração do Plano Plurianual 2012-2015. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos.

Brasil. (2012). Indicadores Orientações Básicas Aplicadas à Gestão Pública. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Retrieved from http://www.gespublica.gov.br/sites/default/files/documentos/indicadores_orientacoes_basicas_aplicadas_a_gestao_publica.pdf

Bresser-Pereira, L. C. (1997). Reforma do Estado nos Anos 90: Lógica e Mecanismos de Controle. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, Cadernos MARE da Reforma do Estado.

Bresser-Pereira, L. C. (1999). Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista Do Serviço Público, 1(4).

Bresser-Pereira, L. C. (2010). Democracia, Estado Social e Reforma Gerencial. Revista de Administração de Empresas, 50, 112–116.

Bundt, C. F. da C. (2000). Universidade: mudanças e estratégias de ação. Universidade Federal de Santa Catarina.

Catani, A. M., Oliveira, J. F. de, & Dourado, L. F. (2001). Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educação & Sociedade.

Choo, C. W. (2003). A Organização do Conhecimento - Livro de gestão do conhecimento... São Paulo: Senac.

Cittadin, A. (2011). Proposta de estruturação de uma unidade organizacional de controladoria em uma Instituição de Ensino Superior. Florianópolis - SC. Retrieved from https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95214

Corbucci, P. R. (2007). Desafios da educação superior e desenvolvimento no Brasil. Desafios Da Educação Superior e Desenvolvimento No Brasil, Texto para Discussão 1287, 35. Retrieved from http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/1887

Cunha, C. J. C. A. (1995). Planejamento Estratégico em Universidades. Florianópolis: NEST- Núcleo de Estudos do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas da UFSC.

Daft, R. L. (1983). Organization theory and design. St. Paul: West Pub. Co.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus, 6–8.

Davenport, T., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Peres L, Tradutor, 8.

Eisenhardt, K. M., & Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: Opportunities and challenges. Academy of Management Journal, 50(1), 25–32. https://doi.org/10.5465/AMJ.2007.24160888

Ferreira, H., Cassiolato, M., & Gonzalez, R. (2009). Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do programa segundo tempo. Texto para Discussão (Vol. 1369). Brasília: IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. Retrieved from http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1369.pdf

Francisco, T. H. A., Nakayama, M. K., Melo, P. A. de, Pitta, M. A., & Oliveira, F. P. de. (2015). Análise epistemológica da avaliação institucional da educação superior brasileira: reflexões sobre a transposição de paradigmas. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Vol. 20).

Gomes, E. G. M. (2009). Gestão por Resultados e eficiência na Administração Pública: uma análise à luz da experiência de Minas Gerais. Tese de Doutorado, 187. Retrieved from http://hdl.handle.net/10438/4652

Gonçalves, R. B., Vieira, G. B. B., & Stallivieri, L. (2016). Os recursos estratégicos e as Instituições de Ensino Superior: estudo de caso em uma Universidade do Sul do Brasil. Revista GUAL, 9(3), 89–107.

INEP. (2018a). Indicadores de qualidade. Retrieved March 10, 2018, from http://portal.inep.gov.br/web/guest/indicadores-de-qualidade

INEP. (2018b). Sinopses Estatisticas da Educacao Superior.

Leite, D., Tutikian, J., & Holz, N. (2000). Avaliação & compromisso: construção e prática da avaliação institucional em uma universidade pública. Porto Alegre: Ed. da Universidade, 2000. Editora Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Magalhães, E. A. de, Silveira, S. de F. R., Abrantes, L. A., Ferreira, M. A. M., & Walkim, V. R. (2010). Custo do ensino de graduação em instituições federais de ensino superior: o caso da Universidade Federal de Viçosa. Rap—rio de Janeiro, 44(3), 637–66. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n3/05

Martins, G. de A., & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas (3rd ed.). São Paulo: Atlas.

Meyer Jr, V. (1991). Planejamento Estratégico: Uma renovação na gestão das instituições universitárias. Brasília: Seminário - A administração universitária rumo ao ano 2000.

Monteiro, S. A. (2015). Indicadores de qualidade para avaliação dos processos de gestão da informação. Universidade Federal da Paraíba.

Oliveira, D. A. (1996). A qualidade total na educação: os critérios da economia privada na gestão da escola pública. In Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo: leituras selecionadas (pp. 57–90). São Paulo: Atlas.

Paro, V. H. (2001). Administração escolar: introdução crítica (10th ed.). São Paulo: Cortez.

Queiróz M. I. de P. (1992). O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In In: Lang, A.B.S.G., org. Reflexões sobre a pesquisa sociológica ((Coleção T, pp. 13–29). São Paulo: Centro de Estudos Rurais e Urbanos.

Rossato, R. (2005). Universidade: nove séculos de história. Universidade de Passo Fundo, UPF Editora.

Rua, M. das G. (2004). Desmistificando o problema: uma rápida introdução ao estudo dos indicadores. Avaliação de Resultados No Ciclo Da Gestão Pública, 1–20. Retrieved from http://antigo.enap.gov.br/downloads/ec43ea4fUFAM-MariadasGraEstudoIndicadores-novo.pdf

Sampaio, H. (2011). O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. O Setor Privado de Ensino Superior No Brasil: Continuidades e Transformações., (Revista Ensino Superior, 2(4)), 28–43. Retrieved from https://www.google.com.br/search?q=sAMPAIO,+H.+Ensino+superior+no+Brasil.+O+setor+privado.+Ed.+Hucitec,+São+Paulo,+1999&ie=utf-8&oe=utf-8&client=firefox-b-ab&gws_rd=cr&ei=9c1CWaHRBsPhmwGijKGoBw#q=sAMPAIO,+H.+Ensino+superior+no+Brasil.+O+setor+privado.+

Santana, É. E. de P., & Sobrinho, Z. A. (2007). O Interpretativismo, Seus Pressupostos e Sua Aplicação Recente na Pesquisa do Comportamento do Consumidor. Anais Do I Encontro Do Ensino e Pesquisa Em Administração e Contabilidade, 1–10.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração de Empresas, 43(2), 347–369. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n2/v43n2a04

Siggelkow, N. (2007). Persuasion with Case Studies. The Academy of Management Journal, 50(1), 20–24. https://doi.org/10.5465/AMJ.2007.24160882

Silva, M. A. da, Cunha, C. J. C. de A., & Possamai, F. (2001). O que os aprendem para dirigir unidades universitárias: o caso da UFSC. Anpad. Retrieved from http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2001-cor-751.pdf

Silva, M. A. da, & Moraes, L. V. dos S. de. (2002). Como os Professores Aprendem para Dirigir Unidades Universitárias: O Caso da UFSC, 1–16. Retrieved from http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2002-cor-948.pdf

Siqueira, M. C. (2005). Gestão Estratégica da Informação. Brasport.

Tarapanoff, K. (2006). Inteligência, informação e conhecimento em corporações. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).

Terto, D. C., & Pereira, R. L. de A. (2011). A Nova Gestão Pública e as Atuais Tendências da Gestão Educacional Brasileira. Simpósio Brasileiro de Política e Administração Da Educação, 10. Retrieved from http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/trabalhosCompletos02.htm

UFLA - Universidade Federal de Lavras. (2018). Relatório de Autoavaliação Institucional - 2015-2017. LAVRAS: CPA - Comissão Própria de Autoavaliação UFLA.

UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais. (2018). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI 2018 – 2023. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2016). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI 2016 – 2026. (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Ed.). Porto Alegre.

UFSCAR- Universidade Federal de São Carlos. (2013). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI/MEC. Universidade Federal de São Carlos.

UFSCAR - Universidade Federal de São Carlos. (2017). Projeto de autoavaliação da Universidade Federal de São Carlos, 1–47.

Institucional - PDI/MEC. Universidade Federal de São Carlos.

Vieira. (2013). Educação Superior No Contexto Nacional : Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rap/v51n1/0034-7612-rap-51-01-00147.pdf

Vieira, S. L. (2007). Gestão, avaliação e sucesso escolar: recortes da trajetória cearense. Estudos Avançados -USP, 21(90), 45–60. Retrieved from http://www.revistas.usp.br/eav/article/viewFile/10236/11853

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: (4o. ed.) Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983465938565

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

  

  

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659