Crise migratória: uma análise sobre direitos humanos e os refugiados sírios

Kelly Patrícia Ernst

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar a questão de respeito aos direitos humanos dos refugiados sírios, partindo de análise anterior e posterior ao status de refugiado. Inicialmente, aborda-se a origem do conflito armado na Síria, e as consequências aos seus cidadãos, os quais tem buscado proteção internacional nos países vizinhos e Europa. Em seguida, analisam-se as políticas internacionais adotadas para os refugiados e os impactos nos países de destino. Por fim, aborda-se a temática dos direitos humanos, garantidos por leis e estatutos internacionais, a todos aqueles que buscam proteção sob o status de refugiado. Dessa forma, visa-se averiguar de que forma os direitos fundamentais dos cidadãos sírios foram ameaçados ou violados por seu país de origem e as políticas internacionais adotadas em prol dos refugiados sírios.

Palavras-chave


direitos humanos; refugiados sírios; crise migratória.

Texto completo:

PDF

Referências


ACNUR. Syria Emergency. Nações Unidas: Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, 2016. Disponível em: http://www.unhcr.org/syria-emergency.html. Acesso em: 12 de agosto de 2016.

ALMEIDA, Guilherme Assis de. Direitos humanos e não-violência. São Paulo: Atlas, 2001.

AVRAMOPOULOUS, Dimitris; MOEDAS, Carlos. “Uma política europeia de asilo firma mas justa”. In: Público. Portugal. 13 de jul. 2016. Disponível em: https://www.publico.pt/mundo/noticia/uma-politica-europeia-de-asilo-firme-mas-justa-1738064. Acesso em: 20 de julho 2016.

BBC. “Entenda a ‘mini guerra mundial’ que ocorre na Síria”. In: BBC Brasil. 16 de fev. 2016. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160216_siria_nova_guerra_tg. Acesso em: 20 de julho de 2016.

BOBBIO, Norberto. O terceiro ausente: ensaios e discursos sobre a paz e a guerra. Barueri: Manole, 2009.

__________. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. - São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COMISSÃO EUROPEIA. Completing the reform of the Common European Asylum System. Bruxelas. 13 de jul. 2016a. Disponível em: http://ec.europa.eu/news/2016/07/20160713_en.htm. Acesso em: 04 de agosto de 2016.

__________. Projeto de orçamento da UE para 2017: a Comissão propõe um orçamento focalizado nas suas prioridades – crescimento, emprego e uma resposta consistente à crise dos refugiados. Bruxelas. 30 de jun. 2016b. Disponível em: http://europa.eu/rapid/press-release_IP-16-2347_pt.htm. Acesso em: 04 de agosto de 2016.

CONSELHO EUROPEU. EU-Turkey statement, 18 March 2016. Bruxelas. 18 de mar. 2016. Disponível em: http://www.consilium.europa.eu/en/press/press-releases/2016/03/18-eu-turkey-statement/. Acesso em: 04 de agosto de 2016.

DEUTSCHE WELLE. “Ancara e Berlim planejam unir forças contra crise migratória”. In: DW.COM. Alemanha. 08 de fev. 2016. Disponível em: http://www.dw.com/pt/ancara-e-berlim-planejam-unir-for%C3%A7as-contra-crise-migrat%C3%B3ria/a-19034256. Acesso em: 17 de maio de 2016.

DIEHL, Astor Antônio; TATIM, Denise Carvalho. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

HAMANN, Greta. “Quem luta contra quem na guerra da Síria?” In: DW.COM. Alemanha. 30 de jan. 2016. Disponível em: http://www.dw.com/pt/quem-luta-contra-quem-na-guerra-da-s%C3%ADria/a-19013932. Acesso em: 01 de junho de 2016.

HASSELBACH, Christoph. “Europeus temem efeito econômico do controle de fronteiras”. In: DW.COM. Alemanha. 22 de jan. 2016. Disponível em: http://www.dw.com/pt/europeus-temem-efeito-econ%C3%B4mico-do-controle-de-fronteiras/a-18999601. Acesso em: 18 de maio de 2016.

JORDÃO, Pedro. “Primavera Árabe – o romantismo e o horror”. In: Público. Portugal. 11 de jul. 2016. Disponível em: https://www.publico.pt/mundo/noticia/primavera-arabe--o-romantismo-e-o-horror-1737861. Acesso em: 14 de julho de 2016.

MENEZES, Thais Silva. Direitos humanos e refúgio: a violação de direitos antes e após a determinação do status de refugiado. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

MORAES, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos arts. 1º a 5º da Constituição da República Federativa do Brasil, doutrina e jurisprudência. 7. ed. - São Paulo: Atlas, 2006.

MOREIRA, Julia Bertino. A questão dos refugiados no contexto internacional (de 1943 aos dias atuais). Dissertação de Mestrado. Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2006.

NASCIMENTO, Allan Victor Coelho. “Análise sobre a proteção internacional dos refugiados”. In: Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 11, n. 2, ago./dez., 2013, pp. 493-501.

ONU. Infographics. Nações Unidas: Dirigindo Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, 2016. Disponível em: http://refugeesmigrants.un.org/infographics. Acesso em: 15 de agosto de 2016.

__________. Trends in International Migrant Stock: Migrants by Destination and Origin. Nações Unidas: Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, 2015. Disponível em: http://www.un.org/en/development/desa/population/migration/data/estimates2/estimates15.shtml. Acesso em: 13 de agosto de 2016.

RIEGERT, Bernd. “Opinião: O fim da política comum para refugiados da EU”. In: DW.COM. Alemanha. 09 de jan. 2016. Disponível em: http://www.dw.com/pt/opini%C3%A3o-o-fim-da-pol%C3%ADtica-comum-para-refugiados-da-ue/a-18969324. Acesso em: 20 de maio de 2016.

SANTOS, Izequias Estevam dos. Manual de métodos e técnicas de pesquisa científica. 7. ed. rev. e atual. - Niterói: Impetus, 2010.

TAWIL, Marta. “El horror sirio de cada día”. In: Nexos. 01 de jan. 2016. Disponível em: http://www.nexos.com.mx/?p=27302. Acesso em: 02 de junho de 2016.




DOI: https://doi.org/10.5902/2357797523774

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista InterAção



ISSN 2357-7975

Redes Sociais: Twitter | Facebook 

Universidade Federal de Santa Maria