O genocídio e o fim das Teorias das Relações Internacionais

Leonardo Augusto Peres

Resumo


O genocídio é um dos crimes mais atrozes contra a humanidade, mas sua compreensão e estudo ainda representam um campo de pesquisa muito limitado, o que dificulta sua prevenção e erradicação. Este artigo propõe, portanto, que as Relações Internacionais têm uma contribuição significativa a dar ao nascente campo de Estudos de Genocídio. Insere-se, assim, o conceito de genocídio no debate sobre o “fim da teoria” nas Relações Internacionais, perguntando-se se aquele é mais adequado a um estudo através de Teorias Gerais ou de teorias de médio alcance advindas de testes de hipóteses. Conclui-se, através de argumentos substantivos, normativos e metodológicos, que, no estágio atual das pesquisas sobre o genocídio, é mais interessante fazer estudos através de Teorias, para que, entre outros, se revelem as variáveis, indicadores e valores necessários aos testes de hipótese.

Palavras-chave


Genocídio, Teoria das Relações Internacionais, Epistemologia das Relações Internacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

_____. A condição humana. 11ª ed. revista. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BELLAMY, Alex J. Military intervention. In: BLOXAM, D.; MOSES, A. The Oxford handbook of genocide studies. Oxford: Oxford University Press, 2010, pp. 597-616.

BENNET, Andrew. The mother of all isms: causal mechanisms and structured pluralism in International Relations theory. European Journal of International Relations. 2013, 19: 459.

DUNNE, Tim; HANSEN, Lene; WIGHT, Colin. The end of International Relations theory? European Journal of International Relations. 2013, 19: 405.

EPSTEIN, Charlotte. Constructivism or the eternal return of universals in International Relations. European Journal of International Relations. 2013, 19: 499.

EVANS, Graham & NEWNHAM, Jeffrey. Dictionary of International Relations. Londres: Penguin Books, 1998.

HUTTENBACH, Henry R. Note from the editor: no comparing, no thinking – the unavoidable future of studying genocide. Journal of Genocide Studies, vol. 2, n. 3, 2000, pp. 2-3.

JONES, Adam. Genocide: a comprehensive introduction. Londres e Nova York: Routledge, 2006.

LAFER, Celso. A ruptura totalitária e a reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com Hannah Arendt. São Paulo, 1988.

LAKE, David. Why “isms” are evil: theory, epistemology, and academic sects as impediments to understanding and progress. International Studies Quarterly. 2011, 55: 465-80.

MEARSHEIMER, John; WALT, Stephen. Leaving theory behind: why simplistic hypothesis testing is bad for International Relations. European Journal of International Relations. 2013, 19: 427.

MIDLARSKY, Manus I. The demographics of genocide: refugees and territorial loss in the mass murder of European Jewry. In: Journal of Peace Research, vol. 42, n. 4, 2005, pp. 375-391.

NAU, Henry R. No alternative to “isms”. International Studies Quarterly. 2011, 55: 287-91.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2357797516496

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais