Os paradigmas educativos da formação para o emprego e aprendizagem permanente na União Europeia: o Direito do Trabalho em construção

Adriana Hartemink Cantini

Resumo


Este trabalho apresenta um estudo interdisciplinar que enfoca a perspectiva dos Direitos Humanos e Fundamentais dos trabalhadores, a formação para o emprego e a aprendizagem permanente e por toda a vida na sociedade do Conhecimento e da Globalização. Demonstra a relação existente entre Direito do Trabalho e Educação, na perspectiva do direito à formação para o emprego como um direito social exigível. Para tanto, utiliza as teorias educacionais revolucionárias de Jacques Delors, em os quatro pilares para a educação do futuro, de Edgar Morin em os sete saberes necessários para a educação do futuro e de Paulo Freire, que defende a ideia de que a formação profissional deve ser parte integrante do processo educativo e é uma questão política. Buscando compreender essas temáticas e com foco na aprendizagem permanente e por toda a vida para o trabalho, retoma as normas internacionais dos principais Organismos intergovernamentais sobre a formação para o emprego e a aprendizagem permanente e ao longo da vida, destacando alguns conceitos importantes que irão percorrer toda a discussão: aprendizagem permanente, empregabilidade, competência e qualificação profissional. Buscando aliar conhecimentos educacionais e jurídicos, já que se trata de um estudo interdisciplinar, olha para a União Europeia (EU) no intento de compreender o processo de construção do Instituto da Aprendizagem e da formação profissional. Nesse sentido, traz à tona os principais documentos emitidos pela UE para orientar os Estados membros a unificarem os seus Sistemas de formação facilitando o exercício do direito à mobilidade laboral dos seus trabalhadores. Trabalha a perspectiva da sociedade do conhecimento que leva a UE a buscar políticas públicas capazes de tornar a economia do bloco a mais dinâmica e avançada do mundo, e alcançar o pleno emprego. Todo esse empenho é revelado com base no Memorando Sobre a Aprendizagem ao Longo da Vida, que está fundamentado nas teorias educacionais expressas anteriormente e que serão o pano de fundo da elaboração das normas jurídicas que orientam esse novo Sistema. Na Espanha, trabalha a formação para o emprego como um direito individual do trabalhador buscando afirmar essa posição doutrinária através da busca da legislação pertinente e das doutrinas publicadas a respeito. Verifica como o processo de construção das normas relativas à formação profissional é encaminhado e quais são os atores envolvidos nessa tarefa. Ao final, apresenta conclusões significativas em relação à temática abordada reafirmando a ideia inicial da interdisciplinaridade entre o Direito do Trabalho e a Educação, mais especificamente, a formação para o emprego, retomando as teorias educacionais expressas no início do trabalho.


Palavras-chave


Aprendizagem Permanente; Direitos Sociais; Políticas Públicas; Qualificação; Competência Profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


AREND, Hannah. A Condição Humana. 6ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1992;

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e apresentação de Celso Lafer. 5º reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004;

COMISSÃO EUROPEIA. Memorando Sobre a Aprendizagem ao Longo da Vida. 30.10.2000. Bruxelas: SEC, 2000.

CONSEJO EUROPEU. Recomendación do Parlamento Europeo y Consejo sobre el establecimiento de um Marco de Referencia Europea de Garantia de la Calidad en la Educación y Formación Profesionales, de 18 de junio de 2009. Publicado no Diário Oficial da UE 2009/C 155/01.

DELORS, Jacques (Org.). Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 10ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2006.

EDUC. Conclusões do CONSELHO sobre a garantia da qualidade a educação e na formação profissional. 9599/04, EDUC 117 SOC 252, 18 de Maio de 2004.

FREIRE, Paulo. Política e Educação. Coleção questões da nossa época, nº 23, 5ª edição. São Paulo: Cortez, 1997.

__________. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 34ª ed. Coleção Leitura. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

__________. Educação como Prática da Liberdade. 19ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

MINARELLI, José Augusto. Empregabilidade: como ter trabalho e remuneração sempre. 19ª Ed. São Paulo: Gente, 2009.

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. 8ª edição. São Paulo: Cortez: Brasília DF: UNESCO, 2003.

__________. A Cabeça Bem-Feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 12ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2006.

MARTÍN PUEBLA, Eduardo. El Sistema de Formación Profesional para el Empleo. Madrid: Fundación Tripartita para la Formación en el Empleo. Lex Nova, 2009.

MINISTERIO DE TRABAJO Y SEGURIDAD SOCIAL. s/d.

PARLAMENTO EUROPEO. Recomendación (CE) nº 2006/961/CE del Parlamento Europeo y del Consejo, de 18 de diciembre de 2006, relativa a la movilidad transnacional en la Comunidad a efectos de educación y formación: Carta Europea de Calidad para la Movilidad. Diario Oficial L 394 de 30.12.2006.

__________. Recomendación del Parlamento Europeo y del Consejo realtiva a la creación del Sistema Europeo de Créditos para la Educación y la Formación Profesionales (ECVET). Bruselas, 09.04.2008. SEC (2008) 442 SEC(2008) 443].

__________. Recomendación del Parlamento y del Consejo sobre El estabelecimiento de um Marco de Referencia Europeo de Garantia de la Calidad en la Educación y Formación Profesional, de 18 de junio de 2009. Publicado no Diario Oficial de la Unión Europea 2009/C 155/01.

PEREZ LUÑO, Antonio Enrique. Los Derechos Fundamentales. Madrid: Editorial Tecnos, 2004.

PRADOS DE REYES, Francisco Javier. “Contrato de Trabajo y Formación Profesional: consecuencias laborales y sociales de la integración de España en la Comunidad Europea”. In: V Jornadas Universitárias Andaluzas de Derecho dei Trabajo y Relaciones Laborales, celebradas en Sevilla, 15 y 16 de diciembre de 1986.

SASTRE IBARRECHE, Rafael. El Derecho al Trabajo. Madrid: UNIÃO EUROPEIA. Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. Jornal Oficial nº C 303 de 14 de dezembro de 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/2357797512710

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



ISSN 2357-7975

Redes Sociais: Twitter | Facebook 

Universidade Federal de Santa Maria