Discurso, prática e poder: o Brasil na Liga das Nações

Anaís Passos, Camilla Corá, Igor Amazarray

Resumo


O presente artigo aborda a participação do Brasil na Liga das Nações,contextualizando internamente e internacionalmente as razões da formulaçãoda busca de um assento permanente como linha definidora da política externado período, bem como os motivos do fracasso dessa pretensão. A política externabrasileira é orientada por uma busca de coesão social face à instabilidadeinterna política. O fortalecimento dos EUA, a reconversão econômica européiapós-1ª Guerra e o fracasso dos ideais wilsonianos, por outro lado, colaborampara a manutenção do status periférico brasileiro e a não-obtenção do assentodesejado. A situação remete à atual atuação brasileira em relação ao Conselhode Segurança da ONU, hoje um ator regional e internacional relevante.

Palavras-chave


Política externa; Política Interna; Pós-Guerra; Liga das Nações.

Texto completo:

PDF

Referências


A/60/L.46. Brazil, Germany and India: draft resolution. United Nations General Assembly, 19 de janeiro de

BOBBIO, Norberto et al. Dicionário de Política. 2ª ed. Brasília: Ed. Universidade de Brasília. 1986.

BURNS, E. Relações Internacionais do Brasil durante a primeira República. In: História Geral da Civilização

Brasileira. P. 375-400. (vol. 2, tomo3)

BUENO, Clodoaldo. Política externa da Primeira República: os anos de apogeu (1902 a 1918). São Paulo:

Paz e Terra, 2001.

BURCHILL, Scott et al. Theories of International Relations. Nova York: Palgrave, 2001.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da Política Exterior do Brasil. Editora UNB, 2002.

DORATIOTO, Francisco Fernando Monteoliva. O Brasil e as grandes potências no século XX (1902-1991).

In: Revista Múltipla, nº 21, ano XI, Dezembro/2006.

DROZ, Bernard; ROWLEY, Anthony. História do Século XX. Lisboa: Dom Quixote, 1988. 1º vol.

FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de A. N. (org). O tempo do liberalismo excludente: da Proclamação

da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

GARCIA, Eugênio Vargas. A candidatura do Brasil a um assento permanente no Conselho da Liga das

Nações. Revista Brasileira de Política Internacional - Ano 37, n° 1 janeiro-junho 1994. Disponível

em: http://www.mundorama.info/Mundorama/RBPI_-_1993-2007_files/RBPI_1994_1.pdf. Acesso em

/05/2010.

______________________. O Brasil e a Liga das Nações: vencer ou não perder. Porto Alegre: Editora

da UFRGS, 2000.

______________________. Entre a América e a Europa: a política externa brasileira na década de

Editora UNB, 2006.

HOBSBWAN, Eric. A Era dos Extremos: o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das

Letras, 1995.

LIMA, Marcos Felipe Pinheiro. Do americanismo ao universalismo: as transformações nas relações

internacionais do Brasil, de 1902 a 1964. 2006. 117 p. Dissertação (Mestrado em Relações

Internacionais)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

MADDISON, A. Economic Growth in the West. Comparative Experience in Europe and North America.

Nova York, 1964.

Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Reforma da ONU. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.

br/temas/governanca-global/reforma-da onu/?searchterm=conselho%20de%20segurança.

RODRIGUES, José Honório; SEINTENFUS, Ricardo A.S. Uma história diplomática do Brasil – 1531-1945.

Rio de Janeiro: Civilização Brasiliense, 1995.

SANTOS, Norma Breda. Diplomacia e fiasco. Repensando a participação brasileira na Liga das Nações:

elementos para uma nova interpretação. Revista Brasileira de Política Internacional, vol. 46 no. 2,

Brasília julho/dezembro 2003.

SILVA, Alexandra de Mello. Idéias e política externa: a atuação brasileira na Liga das Nações e na ONU.

Revista Brasileira de Política Internacional, vol. 42 no. 2, Brasília julho/dezembro 1998.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. As Guerras Mundiais. Porto Alegre: Leitura XXI, 2003.

SILVA, José Werneck e GONÇALVES, Willians. Relações Exteriores do Brasil I (1808-1930): a política

externa do sistema agro-exportador. Petrópolis: Vozes, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2357797512695

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Twitter | Facebook