Bacia hidrográfica e a confecção de recursos didáticos por alunos do ensino fundamental em Sergipe

Galileu Ribeiro Santos, Andressa Sales Coelho

Resumo


O estudo das bacias hidrográficas possui grande relevância para o meio ambiente porque promove a elaboração de planos que objetivem o equilíbrio do funcionamento hídrico e da manutenção dos ecossistemas. A inserção dessa temática dentro da escola reforça uma relação mais harmônica entre a sociedade e o uso dos recursos hídricos. O presente trabalho teve como objetivo construir três recursos didáticos (jogo da memória; maquete e cartilha educativa) dentro do ambiente escolar, para apresentar informações sobre a importância da conservação ambiental da Bacia Costeira do Sapucaia, no Estado de Sergipe, de maneira lúdica e interativa. O diálogo com os discentes na confecção dos recursos didáticos evidenciou a escassez de conhecimento sobre bacias hidrográficas e as atividades permitiram a construção desse conhecimento considerando os diversos estilos de aprendizagem.


Palavras-chave


Bacia Costeira do Sapucaia; Educação ambiental; Recursos didáticos

Texto completo:

HTML PDF

Referências


AZEVEDO, S. C.; ARCANJO, V. M.; CARDOSO, H. J. M. Oficina de maquete: a busca por um aprofundamento do processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, vol. 7, n. 14, p. 287-297, 2017.

BALBINOT, R.; OLIVEIRA, N. K.; VANZETTO, S. C.; PEDROSO, K.; VALERIO, Á. F. O papel da floresta no ciclo hidrológico em bacias hidrográficas. Ambiência, Guarapuava, vol.4, n.1, p.131-149, 2008.

BARRETO, S. R.; RIBEIRO, S. A.; BORBA, M. P. Nascentes do Brasil: estratégias para a proteção de cabeceiras em bacias hidrográficas. São Paulo: WWF-Brasil, 2010.

BRAGHINI, C. R.; VILAR, J. W. C. Gestão territorial de áreas protegidas no litoral: primeiras incursões. Ambivalências, São Cristóvão, vol. 1, p. 1-14-14, 2013.

BRASIL. Lei N.º 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, n. 79, 28 abr. 1999.

_______. Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis no 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis no 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, n. 102, 28 mai. 2012a.

_______. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, n. 116, seção 1, p. 70, 18 jun. 2012b.

CARVALHO, F. A. H. Reaprender a aprender: a pesquisa como alternativa metacognitiva. 2007. 152p. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

CARVALHO, J. W. L. T.; MYSCZAK, L. A.; OLIVEIRA, F. A. Bacias hidrográficas simuladas em maquetes: prática pedagógica para ensino fundamental e médio. Geosaberes, Fortaleza, vol. 7, n. 13, p. 25-39, 2016.

CASTRO, D.; MELLO, R. S. P.; POESTER, G. C. Práticas para restauração da mata ciliar. Porto Alegre: Catarse - Coletivo de Comunicação, 2012.

DURIGAN DA LUZ, R. M.; BRISKI, S. J. Aplicação didática para o ensino da geografia através da construção e utilização de maquetes. Revista Geográfica de América Central, Heredia, vol. 2, n. 47E, p. 1-20, 2011.

FIALHO, N. N. Os jogos pedagógicos como ferramentas de ensino. In: VIII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, Curitiba.Anais... Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2008. p. 12298-12306.

FREITAS, O. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

GILAKJANI, P. A. A Match or Mismatch Between Learning Styles of the Learners and Teaching Styles of the Teachers. Modern Education and Computer Science, ed. 11, p. 51-60, 2012.

GÓIS, J. S.; MENDES, L. E. Hidrologia e hidrometria. In: TELLES, D. D. (Org.). Ciclo ambiental da água: da chuva à gestão. São Paulo: Blucher, 2013. p. 55-76.

GOMES, L. J.; SANTANA, V.; RIBEIRO, G. T. Unidades de Conservação no Estado de Sergipe. Revista da Fapese, Aracaju, vol. 2, n. 1, p. 101-112, 2006.

INÁCIO, F. F.; OLIVEIRA, K. L.; MARIANO, M. L. S. Estilos intelectuais e estratégias de aprendizagem: percepção de professores do ensino fundamental. Psicol. Esc. Educ., Maringá, vol. 21, n. 3, p. 447-455, dez. 2017.

KLEIN, A. M.; PÁTARO, C. S. O. A escola frente às novas demandas sociais: educação comunitária e formação para a cidadania. Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade, São Paulo, vol. 1, p. 1-8, 2008.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de Biologia. 4.ed. São Paulo: Edusp, 2004.

LIMA, J. R. O desafio da escola em trabalhar com a diversidade. Revista Memento, Vale do Rio Verde, vol. 3, n. 1, jan.-jul. 2012.

MACHADO, L. C.; SELVA, V. S. F.; SANTOS, S. M. Proposta metodológica interdisciplinar como ferramenta para o potencial de conservação de nascentes. Journal of Environmental Analysis and Progress, Recife, vol. 03, n. 01, p. 8-23, 2018.

MORTATTI, M. R. L. Cartilha de alfabetização e cultura escolar: um pacto secular. Cad. CEDES, Campinas, vol. 20, n. 52, p. 41-54, 2000.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de biologia. Infor, Inov. Form., Rev. NEaD-Unesp, São Paulo, vol. 2, n. 1, p.355-381, 2016.

OLIVEIRA, K. L.; SANTOS A. A. A.; SCACCHETTI, F. A. P. Medida de estilos de aprendizagem para o ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, vol. 20, n. 1, p. 127-136, 2016.

OLIVEIRA, T.; VIANA, A. P. S.; BOVETO, L.; SARACHE, M. V. Escola, conhecimento e formação de pessoas: considerações históricas. Políticas Educativas, Porto Alegre, vol. 6, n. 2, p. 145-160, 2013.

PEÇANHA, M. P.; FREITAS, N. P. Biodiversidade em ambiente de água doce. In: TELLES, D. D. (Org.). Ciclo ambiental da água: da chuva à gestão. São Paulo: Blucher, 2013. p. 77-92.

PELUSO, D.; PAGNO, F. O uso de maquetes como recurso didático. In: SEMINÁRIO NACIONAL INTERDISCIPLINAR EM EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS, Francisco Beltrão. Anais... Francisco Beltrão: Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2015. p. 795-805.

PEREIRA, M. V. P.; MACEDO, C. S.; PIUZANA, D.; MORAIS, M. S. A comunicação através da arte: construção da maquete da Serra do Espinhaço Meridional como recurso interdisciplinar e didático. TerritoriumTerram, São João del-Rei, vol. 1, n. 2, p. 65-80, 2013.

POSTEL, S. L.; THOMPSON JR., B. H. Watershed protection: capturing the benefits of nature’s water supply services. Natural Resources Forum, vol. 29, p. 98-108, 2005.

RABELO, R. C.; GUTJAHR, A. L. N.; HARADA, A. Y. Metodologia do processo de elaboração da cartilha educativa “O papel das formigas na natureza”. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, vol.11 n. 21, p. 2769-2777, 2015.

REBERTE, L. M.; HOGA, L. A. K.; GOMES, A. L. Z. O processo de construção de material educativo para a promoção da saúde da gestante. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, vol. 20, n.1, p.101-108, 2012.

SANCHES, C. C.; PERIÇATO, A. J.; MANSANO, C. N. A criação e utilização de diferentes recursos didáticos aplicados à geografia para o ensino fundamental. Revista Científica ANAP Brasil, Tupã, vol. 8, n. 10, p. 26-40, 2015.

SANT’ANNA, I. M.; SANT’ANNA, V. M. Recursos educacionais para o ensino: quando e por quê?.Petrópolis: Vozes, 2004.

SANTOS, A. G.; SANTOS C. A. P. A inserção da educação ambiental no currículo escolar. Remoa: Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, vol. 15, n.1, p.369-380, 2016.

SANTOS, A. V.; ARAÚJO, F. B. Utilização de jogo didático para o ensino de tabela periódica. Revista Eletrônica LudusScientiae, Goiânia, vol. 1, n. 2, p. 78-89, 2017.

SANTOS, M. S.; DUARTE, G. S.; ROSA, O. O uso de maquetes no ensino aprendizagem em geografia. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, vol.11, n.20, p. 620-625, 2015.

SENNA, S.N.; SILVA, M. V; VIEIRA, M. R. Uso de cartilha com atividades lúdicas como material complementar para o ensino e aprendizagem de doenças parasitárias. In: ENCONTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA, Ilha Solteira.Anais... Ilha Solteira: Universidade Estadual Paulista, 2012. p. 1-4.

SERGIPE. Secretária de Estado da Educação. Rede Estadual: Escola Estadual Senador Gonçalo Rollemberg, 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 mai. 2018.

_______. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Plano estadual de recursos hídricos de Sergipe. Aracaju: Semarh/SRH, 2012. (CD ROM).

_______. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Atlas de Recursos Hídricos. Aracaju: Semarh/SRH, 2015 (Pen card).

_______. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Resolução nº 27 de 2015. Diário Oficial Estado de Sergipe. Aracaju, SE, p. 3-4, abr. 2016.

SILVA, A. C. M.; FREITAG, I. H.; TOMASELLI, M. V. F.; BARBOSA, C. P. A importância dos recursos didáticos para o processo ensino-aprendizagem. Arquivos do MUDI, Maringá, vol. 21, n. 02, p. 20-31, 2017.

SILVA, N.; MINEO, M. F. Elaboração e aplicação do jogo ambiental como instrumento de educação ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, vol. 19, n. 2, p. 1078-1082, 2015.

SODRÉ, F. F. Fontes Difusas de Poluição da Água: Características e métodos de controle. Artigos Temáticos do AQQUA, Brasília, vol.9, p. 9-16, 2012.

SOUZA, I. A.; RESENDE, T. R. P. S. Jogos como Recurso Didático - Pedagógico para o Ensino de Biologia. Scientia cum Industria, Caxias do Sul, vol. 4, n. 4, p. 181-183, 2016.

TAROUCO, L. M. R.; KONRATH, M. L. P.; GRANDO, A. R. S. O aluno como coconstrutor e desenvolvedor de jogos educacionais. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, vol. 3, n. 2, p. 1-8, 2005.

TEIXEIRA, R. R. P.; APRESENTAÇÃO, K. R. S. Jogos em sala de aula e seus benefícios para a aprendizagem da matemática. Revista Linhas, Florianópolis, vol. 15, n. 28, p. 302-323, 2014.

TELLES, D. D. A água e o ambiente. In: TELLES, D. D. (Org.). Ciclo ambiental da água: da chuva à gestão. São Paulo: Blucher, 2013. p. 27-54.

TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D. J. L.; FULLER, B. B. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Uniara, vol. 11, n. 1, 2007.

TUCCI, C. E. M.; MENDES, C. A. Avaliação Ambiental Integrada de Bacias Hidrográficas. Ministério do Meio Ambiente; Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Brasília-DF. 2006. 362p.

TUNDISI, J. G. A Governança da Água. Rev. UFMG, Belo Horizonte, vol. 20, p. 222-235, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499436065

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas