A perspectiva decolonial e a (re)leitura dos conceitos geográficos no ensino de geografia

Rodrigo Capelle Suess, Alcinéia de Souza Silva

Resumo


O modo de colonização da América deixou marcas que refletem nas estruturas econômica, de poder e nos modos de ser, saber e pensar, sobretudo dos países latino-americanos. No Brasil, a imposição eurocêntrica na produção de conhecimentos reflete até hoje na educação, de modo geral, e na Geografia Escolar, de modo específico, pois ainda se encontram permeadas pelo colonialismo do saber.  Partindo desse contexto e na busca de uma descolonização da Geografia enquanto disciplina escolar, o objetivo desse artigo é analisar como a perspectiva decolonial pode contribuir para uma educação crítica e humanista em Geografia, especialmente por meio da (re)leitura dos conceitos geográficos. Construído a partir de pesquisa bibliográfica, esses conceitos foram (re)elaborados a partir de temáticas decoloniais como o papel da América no sistema-mundo, o eurocentrismo, a ideia de raça associada a um projeto de dominação, a constituição do Estado-nação moderno, a crítica ao desenvolvimento e ao modelo civilizatório, a colonialidade do poder, colonialidade do ser, colonialidade do saber, e a interculturalidade e a transculturalidade como ferramentas críticas e de transformação. Tal (re)leitura se configura como via de descolonização da Geografia Escolar e de construção de um novo modelo civilizatório que considere diversos saberes, diversas vozes, identidades, maneiras de ser, e novas formas de se constituir e organizar a sociedade.


Texto completo:

HTML

Referências


ANJOS, Rafael Sanzio Araújo dos. O Brasil africano: geografia e territorialidade. Brasília: CIGA/CESPE/UnB, 2010.

AQUINO, Julio Groppa. A indisciplina e a escola atual. Rev. Fac. Educ., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, july. 1998.

BALLESTRIN, Luciana. A América latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. n. 11, Brasília, maio-agosto de 2013, p. 89-117.

BERQUE, Augustin. Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROZENDAHL, Zeny (orgs.). Geografia Cultural: uma antologia (1). Rio de Janeiro: Eduerj, p. 239-244, 2012.

BEZERRA, Rafael Gonçalves; SUESS, Rodrigo Capelle. Representações acerca da escola de ensino médio: um estudo com alunos e professores de Formosa-GO. Revista Cadernos de Educação, Pelotas, RS, n. 50, p. 1-15, 2015.

CASTRO-GÓMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre editores; Universidade Central; Instituto de Estudios Socialies Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar, p. 25-47, 2007

CAVALCANTI, Lana de Souza. O ensino de Geografia na escola. Campinas, SP: Papirus,

CORONIL, Fernando. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 107-130, 2005.

CORRÊA, Roberto Lobato. Hinterlândia, hierarquias e redes. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). Os caminhos da reflexão sobre a cidade e o urbano. São Paulo: Ed. USP, 1994.

______. Região e organização espacial. São Paulo: Editora Ática, 2000.

DUSSEL, Enrique. The Invention of the Americas. Nova Iorque: Continuum, 1995.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 107-130, 2005.

______. Sentipensar con la tierra: novas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Medellín: Ediciones UNAULA, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da Tolerância. Organização, apresentação e notas Ana Maria Araújo Freire. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

______. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREMÓNT, Armand. A região, espaço vivido. Coimbra: Almedina, 1980.

GÁUDIO, Rogata Soares del; BRAGA, Rosalina Batista. A Geografia, a educação e a construção da ideologia nacional. Terra Livre, Presidente Prudente, Ano 23, v. 1, n. 28, p. 177-196, jan./jun. 2007.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, jan./abr. p. 25-49, 2016.

______. La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso. Tabula Rasa, n. 8, p. 243-282, 2008.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos território” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016.

______. Regional-global: dilemas da região e da regionalização na Geografia Contemporânea. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

JEOLÁS, Leila Sollberger; PAULILO, Maria Angela Silveira. Representações sociais da homossexualidade entre professores do ensino público: continuidades e rupturas.

Revista Textos e Contextos, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 266-285, jul./dez. 2008.

LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 107-130, 2005.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e

Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

LUCHESI, Marta, MALANGA, Eliana. Diálogos interculturais e identidades nacionais: transculturalidade e transdisciplinaridade. Visão Global, Joaçaba, v. 14, n.1, p. 73-88,

jan/jun. 2011.

MAIA, Doralice Sátyro. Natureza, sociedade e trabalho: conceitos para um debate geográfico. Revista Okara, v. 1, n. 1, p. 33-42, 2007.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre editores; Universidade Central; Instituto de Estudios Socialies Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar, p. 25-47, 2007.

MARCHERI, Pedro Lima; ÁLVARES, Silvio Carlos. A epistemologia do racismo no Brasil. RIL Brasília, ano 52, n. 208, out. dez. p. 149-166, 2015.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MENDONÇA, Sueli Guadalupe de Lima. A crise de sentidos e significados da escola: a contribuição do olhar sociológico. Cader. Cedes, Campinas, SP, v. 31, n. 85, p. 341-357, set./dez. 2011.

MIGNOLO, Walter. El pensamiento decolonial: despredimiento y apertura. In: CASTRO-GÓMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre editores; Universidade Central; Instituto de Estudios Socialies Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar, p. 25-47, 2007.

MIGNOLO, Walter. Historias locales/disenos globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2003.

______. Te geopolitics of knowledge and the colonial difference.

Te South Atlantic Quarterly, v. 101, n. 1, p. 57-95, 2002.

MORAIS, Eliana Marta Barbosa de. O ensino das temáticas físico-naturais na geografia escolar. 2011. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MOREIRA, Ruy. A formação espacial brasileira: contribuição crítica aos fundamentos espaciais da geografia do Brasil. Rio de Janeiro: Consequência, 2014a.

______. O pensamento geográfico brasileiro: as matrizes brasileiras. São Paulo: Contexto, 2010.

______. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2014b.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib. Políticas Públicas na trajetória do ensino e da formação dos professores: a construção de conhecimentos. In: ALBUQUERQUE, Maria Adailza

Martins de; FERREIRA, Joseane Abílio de Sousa (Orgs). Formação, pesquisas e práticas docentes: reformas curriculares em questão. João Pessoa, Ed Mídia, p.433-453, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 107-130, 2005.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. Companhia das Letras. São Paulo, 1995.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Edusp, 2012.

SAVIANI, Demerval. Histórias das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SUESS, Rodrigo Capelle. Estudar o lugar para compreender a si mesmo e o mundo: análise de uma experiência pedagógica em Geografia desenvolvida com alunos do 6º

ano do Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 6, n. 12, p. 74-98, jul./dez., 2016.

TORTATO, Cíntia de Souza Batista; CARVALHO, Márília Gomes de. Gênero e Sexualidade no cotidiano escolar: sobre as resistências. Fazendo Gênero: Diásporas,

diversidades, descolamentos, 9, Florianópolis, 2010. Anais... Florianópolis: UFSC, 2010.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. Londrina, PR: Eduel, 2013.

______. Paisagens do medo. Tradução Lívia de Oliveira. São Paulo: Ed. Unesp, 2005.

______. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina, PR: Eduel, 2012.

VAIDERGORN, José. Ensino religioso, uma herança do autoritarismo. Cad. CEDES, Campinas, v. 28, n. 76, p. 407-411, Dec. 2008.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499435469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas