Agroecologia e educação do campo: meios de promover a permanência do jovem no campo?

Fernanda Paula Piran Kusniewski, Kátia Aparecida Seganfredo, Maude Regina de Borba

Resumo


Este trabalho tem como objetivo principal discutir sobre a realidade de jovens em áreas rurais. Buscou-se analisar as perspectivas desses jovens e sua relação com a produção Agroecológica e a Educação do Campo. Como metodologia utilizou-se de uma abordagem quali-quantitativa. Para coleta dos dados utilizou-se de pesquisa de campo, onde foram realizadas entrevistas semi-estruturadas e aplicados questionários. O foco do estudo se deu com jovens dos assentamentos Marcos Freire e Ireno Alves dos Santos no município de Rio Bonito do Iguaçu, Paraná. Ao total foram pesquisados 58 jovens distribuídos em diferentes grupos: famílias em sistema de produção Agroecológica (17), Convencional (18) e matriculados em escola do campo (23). O recorte etário aderido nesta pesquisa foi de 13 a 29 anos. Como resultado não foi possível observar que existe relação entre as perspectivas de permanência dos jovens no campo com os sistemas produtivos adotados e a Educação do Campo. Foi verificado que os principais motivos das migrações dos jovens do campo estão relacionados com a busca por escolarização e emprego. A Agroecologia e a Educação do Campo ainda enfrentam inúmeros desafios do ponto de vista teórico e prático.


Palavras-chave


Assentamentos rurais; Educação; Êxodo; Juventude e Trabalho

Texto completo:

HTML

Referências


ABRAMOVAY, R. et al. Juventude e agricultura familiar: desafios dos novos padrões sucessórios. Brasília, DF: UNESCO, 1998.

ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. 112 p.

BALSAN, R. Impactos decorrentes da modernização da agricultura brasileira. Campo-território: revista de geografia agrária, v. 1, n. 2, p. 123 – 151. Agos. 2006.

BIASUS, F.; BRANCO, S. Representação social de meio urbano e meio rural de jovens residentes no meio rural. PERSPECTIVA, Erechim. v.37, n.140, p. 27-37, dezembro/2013.

BOF, A. M. (Orgs)et al. A educação no Brasil rural. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006. 236 p.

BRASIL. Lei no 12.852/2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE.

CALDART, R. S. Sobre educação do campo. In: SANTOS, Clarice Aparecida dos. (Org.). Por uma educação do campo: campo-políticas públicas-educação. 1. ed. Brasília: INCRA/MDA, 2008. v.7, p. 67-86.

CALDART, R. S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: Educação do campo: identidade e políticas públicas- Caderno 4. Brasília: Articulação Nacional “Por Uma Educação Do Campo”, 2002.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: Panorama dos últimos 50 anos. Desafios do Desenvolvimento, IPEA, Texto paradiscussão n. 621, 1999. Disponível em: Acesso em: 11 junho 2017.

CAPORAL, F. R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Brasília: 2009. 30 p.

CARNEIRO, M. J. O Ideal Rurbano: campo e cidade no imaginário de jovens rurais. In: SILVA, F. C. T.; SANTOS, R.; Costa, L. F. C. (Org.). Mundo Rural e Política: ensaios interdisciplinares. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

CASTRO, E. G. Entre ficar e sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. 2005. 380 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) Programa de Pos-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: < http://teses.ufrj.br/ppgas_D/ElisaGuaranaDeCastro.pdf> Acesso em: 08 de agosto 2017.

CASTRO, E.G.; MARTINS, M.; ALMEIDA, S. L. F.; RODRIGUES, M. E. B. & CARVALHO, J. G. Os jovens estão indo embora? Juventude Rural e a construção de um ator político. Rio de Janeiro: MAUAD X; Seropédica, RJ: EDUR, 2009.

CASTRO, E. G. de. Juventude rural no Brasil: processos de exclusão e a construção de um ator político. Revista Latinoamericana de CienciasSociales, Niñez y Juventud [on-line], v. 7, n. 1, p. 179-208, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em 13 de julho de 2017.

CERICATO, K. A. S. Os princípios organizativos e a proposta pedagógica do MST: contradições de sua materialização na Escola Estadual Iraci Salete Strozak. Dissertação de Mestrado. UEL, Londrina, 2008.

DE BASTIANI, T. M.; STRASSER, R. B. PERMANÊNCIA DOS JOVENS NO CAMPO: PARA QUE? UFSM Santa Maria, 2012. Disponível: . Acesso em: 20 out. 2016.

DELGADO, G. C. Do capital financeiro à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012. 144 p.

DOTTO, F. Fatores que influenciam a permanência dos jovens na agricultura familiar, no estado de Mato Grosso do Sul. 133 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local), Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande - MS, 2011.

DREBES, L. M.; WIZNIEWSKY, J. G. Agroecologia e juventude: um possível campo de investigação científica em ascensão. Monografias Ambientais, v. 14, n. 1, p. 26-36, 2015.

FERRARI, D. L. et al. Dilemas e estratégias dos jovens rurais: ficar ou partir? Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, ano 12, v. 02, p. 237-271, out. 2004.

GAVIRIA, M. R.; MENASCHE, R. A juventude rural no desenvolvimento territorial: Análise da posição e do papel dos jovens no processo de transformação do campo. Estudo & Debate, Lajeado, Univates, v. 13, n. 1, pp. 69-82, 2006. Disponível em: Acesso em: 08 de agosto 2017.

GIRARDI, E. P. O rural e o urbano: é possível uma tipologia. Presidente Prudente, 2008.

GLIESSMAN, S. R., Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 4°ed. Porto Alegre, Editora UFRGS, 2008.

HARTWIG, M. Migração campo cidade: trajetórias de vida, trabalho e escolarização de jovens trabalhadores. In: I Seminário Internacional e I Fórum de Educação do Campo da Região Sul do RS: campo e cidade em busca de caminhos comuns, 2012, Pelotas/RS. Anais. UFSC.

IPARDES. CADERNO ESTATÍSTICO: MUNICÍPIO DE RIO BONITO DO IGUAÇU. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Setembro, 2016.

IPARDES. CADERNO ESTATÍSTICO: MUNICÍPIO DE RIO BONITO DO IGUAÇU. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Dezembro, 2018.

KUMMER, R.; COLOGNESE, S. A. Juventude rural no Brasil: entre ficar e partir. Tempo da Ciência, Toledo, v. 20, n. 39, p. 201-220, 2013.

LÉON, O. D. Adolescência e juventude: das noções às abordagens. In: FREITAS, Maria Virgínia (Org.). Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais. Ação Educativa: 2005.

LOPES, E. S. A. A reforma agrária no Brasil: um velho problema, esperando uma solução que nunca chega? Texto apresentado na Mesa Redonda "O Sentida da Reforma Agrária no Século XXI", durante o XIII Encontro Nacional de Geógrafos, realizado em João Pessoa-PB, 2002. Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2724%3Aa reforma-agrariano-brasil-um-velho-problema-esperando-uma-solucao-que-nunca-chega&catid=58&Itemid=414. Acesso em: 03 Jul. 2017.

MACHADO, L. C. P.; MACHADO FILHO, Luiz Carlos Pinheiro. A dialética da agroecologia: contribuição para um mundo com alimentos sem veneno. São Paulo: Expressão Popular, 2014. 360p.

MOLINA, M. C. (Org.). Educação do campo e pesquisa II. 1. ed. Brasília: Nead, 2010. v. 1, 211 p.

MOURA, N. F. de; FERRARI, Eugênio. Juventudes e agroecologia: a construção da permanência no campo na zona da mata mineira. Rio de Janeiro: ANA; Viçosa: CTA-ZM, 2016.

MUNARIM, A. et al. (Orgs.). Educação do Campo: políticas públicas, territorialidades e práticas pedagógicas. Florianópolis: Insular, 2011. 192 p.

NUNES, C. C. P. As instituições dos mercados de produtos agroecológicos em Laranjeiras do Sul – Paraná. Dissertação (mestrado). Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, 2016.

OLIVEIRA, D.; SCHNEIDER, S. O futuro das unidades familiares: uma análise das possibilidades de sucessão hereditária entre os agricultores ecologistas de Ipê/RS. Rev. Bras. de Agroecologia, v.4, n.2, p.1293-1297, nov.2009. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2017.

OLIVEIRA, L. B.; RABELLO, D.; FELICIANO, C. A. Permanecer ou sair do campo? Um dilema da juventude camponesa. Revista Pegada – vol. 15 n.1. Julho/2014.

PIRES, M. J. de S.; RAMOS, P. O termo modernização conservadora: sua origem e utilização no Brasil. Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, v. 40, n. 3, jul./set. 2009.

PRIORI, A., et al. História do Paraná: séculos XIX e XX [online]. Maringá: Eduem, 2012. A modernização do campo e o êxodo rural. pp. 115-127, 2012.

ROSSI, R. Educação do campo e agroecologia: da perspectiva reformista à necessária práxis revolucionária. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v. 14, n. 1, p. 171-174, jan./jun. 2015.

SEVILLA GUZMÁN, E. A perspectiva sociológica em Agroecologia: uma sistematização de seus métodos e técnicas. Trabalho apresentado na Seção de Pesquisa em Agroecologia, do II Seminário Internacional sobre Agroecologia, realizado em Porto Alegre (RS) de 26 a 28/11/2001. Córdoba, novembro/2001. Traduzido por Francisco Roberto Caporal, em janeiro de 2002.

SIKORA, D. A educação e seus condicionantes frente ao êxodo rural. Revista HISTEDBR, Campinas, n. 50 (especial), p. 61-80, maio, 2013.

SILVESTRO, M. L.; ABRAMOVAY, R.; MELLO, M. A.; DORIDON, C; BALDISSERA, I. T. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Epagri; Brasília: Nead/Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2001.

SOUZA, M. A. de. Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica.Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 105, p. 1089-1111, set./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2016.

STEDILE, J. P. A natureza do desenvolvimento capitalista na agricultura. 2010. Disponível em: http://base.d-p-h.info/fr/fiches/dph/fiche-dph-8244.html, acesso em: junho de 2018.

TROIAN, A.; DALCIN, D.; OLIVEIRA, S. V. Estudo da participação e permanência dos jovens na agricultura familiar nas localidades de Dr. Pedro e Mirim em Santa Rosa-RS. Porto Alegre/RS: Sober, jul. 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2016.

VENDRAMINI, C. R. A educação do campo na perspectiva do materialismo histórico-dialético. In: MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Educação do campo e pesquisa II. 1. ed. Brasília: MDA/MEC, 2010. v. 1, p. 127-135.

WANDERLEY, M. N. Jovens rurais de pequenos municípios de Pernambuco: que sonhos para o futuro? In: CARNEIRO, M. J.; CASTRO, E. G. de. (Org.) Juventude Rural em Perspectiva. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

WEISHEIMER, N. Juventudes rurais: mapa de estudos recentes. Brasília: MDA/NEAD, 2005.

WEISHEIMER, N. A situação juvenil na agricultura familiar. 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

WHITAKER, D. C. A.; SOUZA, M. F. de. A permanência dos jovens nos assentamentos de reforma agrária: um rosário de equívocos. In: FERRANTE, Vera Lúcia S. B.; WHITAKER, Dulce C. A. (Org.). Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, Uniara/Nupedor, n. 10, p. 113-125, 2006.

ZAGO, N. Migração rural-urbana, juventude e ensino superior.Rev. Bras. Educ.: v. 21 n.64,Jan/mar. Págs. 61-78, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499431991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas