LITERATURA E ENUNCIAÇÃO: O EU E O DUPLO, ENTRE NARRADOR-PROTAGONISTA E INTERLOCUTOR, EM GRANDE SERTÃO: VEREDAS

Fabrício Magalhães de SOUZA, Juciane dos Santos CAVALHEIRO

Resumo


Da leitura de Grande sertão:veredas, este trabalho faz uma análise do duplo a partir do narrador-protagonista e o seu interlocutor. Tem como sustentação teórica o estudo realizado por Nicole Bravo (1998), que analisa o duplo como um mito literário característico da literatura ocidental e defende seu surgimento atrelado à experiência subjetiva; assim como o estudo do sistema pronominal de Émile Benveniste (1989; 1991): verificaremos como a presença do duplo no um é a sustentação para configuração da subjetividade do eu-protagonista a partir de sua relação intersubjetiva com os outros personagens inseridos no ambiente narrativo/enunciativo.


Palavras-chave


GS:V – duplo – enunciação

Texto completo:

PDF

Referências


BRAVO, Nicole Fernandez. Duplo. In: BRUNEL, Pierre (org.). Dicionário de mitos literários. 2ª ed. Trad.: Carlos Sussekind et al. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1998, 261-287 pp.

BENVENISTE. Émile. O aparelho formal da enunciação. In: Problemas de Linguística Geral II. Trad.: Eduardo Guimarães et. al. Campinas, SP: Pontes, 1989, 81-90 pp.

BENVENISTE, Émile. Da subjetividade na linguagem. In: Problemas de linguística geral I. Trad.: Maria da Gloria Novak e Maria Luiza Neri. Campinas, SP: Pontes, 1991, 284-293 pp.

CAVALHEIRO, Juciane. Literatura e Enunciação. Manaus: UEA Edições, 2010.

COUTINHO, Eduardo F. Discursos, fronteiras e limites na obra de Guimarães Rosa. In: FANTINI SCARPELLI, Marli de Oliveira (org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. 365-378 pp.

DUFOUR, Dany-Robert. Os mistérios da trindade. Trad.: Dulce Duque Estrada. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000.

FANTINI SCARPELLI, Marli de Oliveira. Grande sertão: fronteiras. In: Guimarães Rosa: fronteiras, margens, passagens. Cotia, SP: Ateliê Editorial; São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2003. 269-282 pp.

FLORES, Valdir do Nascimento; Barbisan, Leci Borges; FINATTO, Maria José B.; TEIXEIRA, Marlene. Dicionário de linguística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009.

FLORES, Valdir do Nascimento; SILVA, Silvana; LICHTENBERG, Sônia; WEIGERT, Thaís. Enunciação e gramática. São Paulo: Contexto, 2008.

GUIMARÃES ROSA, João. Grande sertão: veredas. 19º ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

HANSEN, João Adolfo. O O: a ficção da literatura em Grande Sertão: Veredas. 1º ed. São Paulo: Hedra, 2000.

MORAIS, Márcia Marques de. Sujeito e Discurso: algumas considerações sobre a análise do discurso do narrador em “Grande Sertão: Veredas. Disponível em: . Acessado em: 20/04/2010.

MOURÃO, Cleonice Paes Barreto. Diadorim: o corpo nu da narração. In: DUARTE, Lélia Parreira et al[org.]. Veredas de Rosa. Cátedra Jorge de Sena: Belo Horizonte, 2000, 158-163 pp.

OLIVEIRA, Luiz Cláudio Vieira de. Palavras do sertão. In: Revista Discutindo literatura especial. Guimarães Rosa: os 100 anos de nascimento do autor que revolucionou a ficção brasileira. Ano 1, nº 4. São Paulo: Escala, 2008, 15-20 pp.

PASSOS, Cleusa Rios Pinheiro. Diadorim: dia da lua. In: FANTINI SCARPELLI, Marli de Oliveira (org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008, 64-88 pp.

ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. Desenveredando Rosa – J. G. Rosa e outros ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.

ROSENFIELD, Kathrin H. Do “volúvel” Machado ao Rosa “romântico”: reflexões sobre o uso da(s) ironia(s) no Brasil. In: FANTINI SCARPELLI, Marli de Oliveira (org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008, 64-88 pp.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219448273

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook