REALIZAÇÕES VARIÁVEIS DE VOGAIS TÔNICAS EM PORTO ALEGRE (RS): DITONGAÇÃO OU INGLIDING?

Elisa Battisti

Resumo


O presente artigo revisa a proposta de Bisol (1989, 1994, 2012) sobre a existência de verdadeiros e falsos ditongos em português, para definir se a realização vocálica variável de vogais tônicas (né~néah, aí~aíah, tudo~tuahdo) no falar de Porto Alegre (RS) é ditongação. A revisão sugere que a realização tenha representação subjacente monofonêmica, como nos ditongos falsos. Contudo, a oitiva de entrevistas sociolinguísticas mostra que o processo não é a ditongação assimilatória de Bisol. A análise acústica de dados prototípicos revela que há aumento na duração dessa realização. Há centralização da porção final da realização vocálica, o que é compatível com ingliding.

Palavras-chave


Variação fonológica; Português brasileiro; vogais tônicas; ingliding; Leda Bisol

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/10846



ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook