A Implementação do Ambulatório de Risco de Prematuros: As vivências do fisioterapeuta residente

Thaila Thaiane Garcia Nunes, Paola Gomez, Rafael Malheiros, Nelson Serrão Jr, Eloa Chiquetti

Resumo


RESUMO: Os programas de seguimento de prematuros e de baixo peso ao nascer são altamente indicados e a sua continuidade durante a infância, uma vez que as demandas por desempenho aumentam com o tempo e certas alterações do desenvolvimento. O objetivo dessa experiência é relatar a vivência das atividades práticas realizadas por uma fisioterapeuta residente no campo prático, no eixo de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) e o Seguimento Ambulatorial de Prematuros de Risco(SAPR). Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, vivenciada por uma fisioterapeuta residente de urgência e emergência, no município de Uruguaiana-RS. A implementação do Seguimento Ambulatorial de Prematuros de Risco se iniciou com a criação do eixo UTIN e Centro da Criança, onde a residente realizava avaliação e atendimento para os pacientes provenientes da UTIN, além de orientar a família desde a UTIN ao seguimento sobre cuidados e formas de estimular os prematuros. A vivência proporcionou a fisioterapeuta residente uma experiência enriquecedora e uma visão da importância da continuidade do SAPR no cuidado e da intervenção fisioterapêutica com prematuros nos primeiros anos de vida.

Palavras-chave


fisioterapia; prematuros; internato e residência multiprofissional

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA – AMERICAN ACADEMY FO PEDIATRICS. Babies should sleep on their backs, play on stomachs. The Official Newsmagazine of the American Academy of Pediatrics, AAP News, v. 30, n. 9, sep., 2009.

ADOLPH, K. E.; BERGER, S. E. Motor Development. In: Handbook of Child Psychology. Hoboken, NJ, USA: John Wiley & Sons, Inc., 2007.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS Committee on Fetus and New-born. Hospital discharge of the high-risk neonate. Pediatrics. 122:1119-26, 2008.

ARAÚJO, A. T. DA C.; EICKMANN, S. H.; COUTINHO, S. B. Fatores associados ao atraso do desenvolvimento motor de crianças prematuras internadas em unidade de neonatologia. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 13, n. 2, p. 119–128, jun. 2013.

BALLANTYNE, M. et al. Risk of developmental delay: Comparison of late preterm and full term Canadian infants at age 12 months. Early Human Development, v. 101, p. 27–32, 1 out. 2016.

BRENNMAN, SK. Testes de Desenvolvimento do Bebê e da Criança. In: Tecklin JS. Fisioterapia Pediátrica. Porto Alegre: Artmed; p. 35-68,2002.

CAÇOLA, P. M. et al. The new affordances in the home environment for motor development - infant scale (AHEMD-IS): Versions in English and Portuguese languages. Brazilian journal of physical therapy, v. 19, n. 6, p. 507–25, 2015.

CÂMARA, A.M.S.; GOMES, A.L.S., LIMA, S.N.R.; FROTA, L.M.C.P. Aplicabilidade da escala motora infantil alberta: experiência com crianças prematuras no NUTEP. Extensão em Ação, Fortaleza, v.3, n.12, 2016.

CAMPBELL, S. K. The Test of Infant Motor Performance - Test User’s Manual Version 3.0 for the TIMP Version 5, 2012.

GARCIA, P.A.; VIEIRA, M.E.B., FORMIGA, C.K.M.R., LINHARES, M.B.M. Influência de fatores de risco no desenvolvimento neuromotor de lactentes pré-termo no primeiro ano de vida. Revista Movimenta, v. 2, p. 83-98, 2011.

GEUZE, R. H. On constraints and affordances in motor development and learning – The case of DCD. A commentary on Wade & Kazeck (2017). Human Movement Science, v. 57, p. 505–509, 1 fev. 2018.

GONTIJO ML, CARDOSO AA, DITTZ, ES, MAGALHÃES. Evasão em ambulatório de seguimento do desenvolvimento de pré-termos: taxas e causas. Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 26, n. 1, p. 73-83, 2018.

GURALNICK, J. M. Preventive interventions for preterm children: effectiveness and developmental mechanisms. Journal of Development Behaviour Pediatrics, Philadelphia, v. 33, n. 4, p. 352-364, 2012.

HAGIO, C. M. M.; GONZAGA, A. D. Prematuridade: Ocorrência, fatores de risco, complicações e atuação fisioterapêutica em uma UTI Neonatal. Revi. PIBIC. Osasco - Volume. 5, 6, 51-59, 2011.

HUTCHON, B. et al. Early intervention programmes for infants at high risk of atypical neurodevelopmental outcome. Developmental Medicine & Child Neurology, 2019.

KOLOBE, T.H.; BULANDA M., SUSMAN L. Predicting motor outcome at preschool age for infants tested at 7, 30, 60, and 90 days after term age using the test of infant motor performance. Phys Ther, v. 84, p. 1144– 56, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). WORLD HEALTH ORGANIZATION. Survive and thrive: transforming care for every small and sick newborn. Geneva; 2019.

PEREIRA, K. R. G.; SACCANI, R.; VALENTINI, N. C. Cognição e ambiente são preditores do desenvolvimento motor de bebês ao longo do tempo. Fisioterapia e Pesquisa, v. 23, n. 1, p. 59–67, mar. 2016.

PIPER, M.C., DARRAH, J. Motor assessment of the developing infant. Philadelphia W.B: Saunders Company., 1994.

ROVER MM, VIERA CS, SILVEIRA RC, GUIMARÃES AT, GRASSIOLLI S - Risk factors Associated with growth failure in the follow-up of very low birth weight newborns Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, v.92, n.3, pg. 307-313, 2016.

SACCANI, R. et al. Associations of biological factors and affordances in the home with infant motor development. Pediatrics international : official journal of the Japan Pediatric Society, v. 55, n. 2, p. 197–203, abr. 2013.

SANTOS, RS. et al. Diagnóstico precoce de anormalidades no desenvolvimento em prematuros: instrumentos de avaliação. Jornal de Pediatria. (Rio J.), Porto Alegre, v. 84, n. 4, p. 289- 299, 2008.

SILVA, P. L.; SANTOS, D. C. C.; GONÇALVES, V. M. G. Influência de práticas maternas no desenvolvimento motor de lactentes do 6o ao 12o meses de vida. Rev. bras. fisioter, v. 10, n. 2, p. 225–231, 2006a.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP). Prevenção da prematuridade- uma intervenção de gestão e da assistência. Departamento Cientifico de Neonatologia, n. 2, p. 1-5, nov. 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual seguimento ambulatorial do prematuro de risco / Rita de Cássia Silveira. – 1.ed. – Porto Alegre : Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia, 2012.

THEIS, RCS, GERZSON LR, ALMEIDA, CS. A atuação do profissional fisioterapeuta em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal. Cinergis, Santa Cruz do Sul, 17(2):168-176, abr./jun. 2016 ISSN: 2177-4005




DOI: https://doi.org/10.5902/2447115142030

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Experiência - Revista Científica de Extensão

Universidade Federal de Santa Maria, Brasil

http://www.ufsm.br/experiencia

E-mail: experienciaufsm@ufsm.br

ISSN: 2447-1151

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.