As políticas públicas acessadas pelos agricultores familiares associados à COOESPERANÇA: PRONAF e PNAE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1414650941607

Palavras-chave:

Politicas públicas, Agricultura familiar, PRONAF, PNAE

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever e analisar as políticas públicas direcionadas aos empreendimentos de Economia Solidária, mais especificamente, busca-se mostrar como essas políticas públicas vêm se constituindo como elementos relevantes de desenvolvimento sócio territorial dos empreendimentos da Cooperativa Mista dos Pequenos Produtores Rurais e Urbanos vinculados ao Projeto Esperança (COOESPERANÇA). Os procedimentos partem de uma revisão bibliográfica e perpassam por uma rápida análise de alguns dados secundários da SENAES e de resultados da aplicação direta de questionários aos agricultores familiares vinculados a COOESPERANÇA.  A literatura especializada permitiu compreender que vem ocorrendo uma concentração de recursos no segmento mais capitalizado do que compõe o universo da agricultura familiar. Os resultados específicos mostram que uma parcela dos agricultores familiares vinculados à COOESPERANÇA acaba tendo participação mais restrita, e parte deles encontram-se alijados em termos de acesso a essa política pública. Ademais, verificou-se que apesar da importância do Programa Nacional da Agricultura Familiar (PRONAF) e do mercado institucional criado pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) ainda persistem outros problemas, em ambos os casos, tal como dificuldades de operacionalização, e fragilidades na assistência técnica de extensão rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Inês Paetzhold Pauli, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Professora associada da UFSM

Departamento de Economia e Relações Internacionais

Ednalva Felix das Neves, UFSM

Pesquisadora Pos doutorado

Referências

ABRAMOVAY, R. e VEIGA, J. E. Novas Instituições para o Desenvolvimento Rural: o caso do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). Texto para discussão n. 641. Brasília-DF, Convênio FIPE/IPEA 07/97. Abril de 1999, 51p.

AQUINO, J. R.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. O financiamento público da produção agroecológica e orgânica no Brasil: inovação institucional, obstáculos e desafios. Disponível em: http://www.corecon-rn.org.br/wp-content/uploads/2017/09/O-Financiamento-P%C3%BAblico-da-Produ%C3%A7%C3%A3o-Agroecol%C3%B3gica-e-Org%C3%A2nica-no-Brasil-Inova%C3%A7%C3%A3o-Institucional-Obst%C3%A1culos-e-Desafios.pdf.

BECKER, C; SACCO DOS ANJOS, F.; DAL MOLIN, L. H. Uma aproximação entre mercados institucionais e a abordagem das capacitações em duas regiões gaúchas. In: 7º ENCONTRO DE ECONOMIA GAÚCHA, 2014, Anais ... Porto Alegre, 2014. Disponível em: <http://www.fee.rs.gov.br/wp-content/uploads/2014/05/201405267eeg-mesa27-aproximacaomercadosinstitucionaisabordagemcapacitacoes.pdf>. Acesso em: 04 out. 2016).

BRASIL. Pronaf - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. BNDES. 2019.

DEUBEL, André-Noël Roth. Políticas Públicas: Formulación, Implementación e Evaluación. Bogotá: Ediciones Aurora, 2006.

DI GIOVANNI, Geraldo. As estruturas Elementares das Políticas Públicas. Caderno de Pesquisa, n. 82, NEPP/UNICAMP, 2009.

FORNAZIER, A. & BELIK, W. (2013) Produção e consumo local de alimentos; novas abordagens e perspectivas para as politicas públicas. Segurança alimentar e nutricional. Campinas.

GRISA, C. & PORTO, S. I. (2015). As contribuições e desafios para o desenvolvimento rural.in Politicas Públicas e desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre. Editora da UFRGS.

GRISA, C.; Schneider, S. Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e Estado no Brasil. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto

Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

GELLI. A. et al. Evaluation of alternative school feeding models on nutrition, education, agriculture and other social outcomes in Ghana: rationale, randomised design and baseline data.Journals Trials, v. 17, 2015.

GOODMAN, D. Rural Europe redux? Reflectionson alternative agro-food networks and paradigm change. Sociologia Ruralis, 44 (1) , p.3-16, 2004.

MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, P. Alegre, v. 25, n.1, p. 299-322, 2004.

MOURA. i. f. Antecedentes e Aspectos Fundantes da Agroecologia e Produção Orgânica na Agenda das Políticas Públicas no Brasil. In: A Política Nacional de Agroecologia e produção Orgância no Brasil: Uma Trajetória de Luta Pelo desenvolvimento Rural Sustentável. Organizadores: Regina Helena Rosa.Sambuichi et. al.) Brasília, IPEA, 2017.

MULLER, Pierre. Les politiques publiques. Collection Quesais-je? n. 2354, 4ª ed. Francesa, PUF, Junio de 2000. JOLLY, Jean-François & VARGAS, Carlos Salazar (Tradución). Las Políticas Públicas. Bogotá-Colombia: Universidad Externado de Colombia, 2002.

NEVES, Ednalva Felix. Percepções sobre as contradições e dificuldades de inserção e sobrevivência dos empreendimentos de economia solidária no mercado. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico). Instituto de Economia/UNICAMP, Campinas, 2016.

Agência de Desenvolvimento de Santa Maria (Adesm). Movimento A Santa Maria que queremos. Plano Estratégico de Desenvolvimento de Santa Maria. Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSM. 2013. Disponível em: http://coral.ufsm.br/midia/?p=9364. Acesso em 12/12/2019.

PAULI, Rita Inês Paetzhold; SCHULZ, JÉFERSON Réus da S.; ZAJONZ, Bruna Tadielo; STEINDORFF, Kelen. Análise comparativa do desenvolvimento do PNAE entre as escolas estaduais e municipais de Santa Maria (RS) à luz dos elementos potenciais da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN). Revista Estudos Sociedades e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 447-479, jun./set. 2018.

SCHIOCHET, V. Políticas Públicas. In: HESPANHA, P., et. all. Dicionário Internacional da Outra Economia. São Paulo: Ed. Almedina. 2009.

MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, P. Alegre, v. 25, n.1, p. 299-322, 2004.

SILVA, S. P. Políticas públicas, agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 16, p. 1-19, 2011.

SONNINO, R.; MARSDEN, T. Beyond the divide: rethinking relationshipsbetween alternative and conventional foot networksin Europe. Journal of Economic Geography, 6. 2006.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Revista Sociologias. Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45.

SOUZA-ESQUERDO, V. F. de; BERGAMASCO, S. M. P. P. Análise Sobre o Acesso aos Programas de Políticas Públicas da Agricultura Familiar nos Municípios do Circuito das Frutas (SP). Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, Supl. 1, p. S205-S222, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/extensaorural/article/view/14539.

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA (IPEA). Os novos dados do mapeamento de economia solidária no Brasil: nota metodológica e análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos. Relatório de Pesquisa. Brasília. IPEA, 2016.

Downloads

Publicado

2020-03-01

Como Citar

Pauli, R. I. P., & Neves, E. F. das. (2020). As políticas públicas acessadas pelos agricultores familiares associados à COOESPERANÇA: PRONAF e PNAE. Economia E Desenvolvimento, 32(Esp.), e10. https://doi.org/10.5902/1414650941607

Edição

Seção

Desenvolvimento e Tecnologias Sociais