https://periodicos.ufsm.br/eed/issue/feed Economia e Desenvolvimento 2022-01-16T20:26:57-03:00 Júlio Rohenkohl red@ufsm.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A revista Economia e Desenvolvimento (E&amp;D) é um periódico acadêmico-científico em formato <em>on-line</em> da área de Economia, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Economia e Desenvolvimento (PPGE&amp;D) do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria. A E&amp;D tem a finalidade de divulgar a produção científica e promover o debate acadêmico na temática do desenvolvimento econômico, considerando a pluralidade teórica e metodológica da Ciência Econômica. Para atender a esse propósito, a E&amp;D publica, em fluxo contínuo, artigos e resenhas, em português, espanhol ou inglês. A E&amp;D tem classificação B4 no Qualis/CAPES (2013-2016), registrada com ISSN 2595-833X, e está indexada à base Latindex.</p> https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/64073 Das premissas metodológicas e conceituais da ética furtadiana aos desafios morais de um projeto estruturalista 2021-09-15T12:27:33-03:00 Alexandre Lyra Martins lyramartins@hotmail.com <p>O presente trabalho tem por objetivo esboçar a concepção ética subjacente à tese estruturalista de Celso Furtado, a partir de suas premissas metodológicas e conceituais, para delinear os parâmetros e desafios morais de um projeto político-econômico inspirado em suas ideias. O estudo mostrou que, como adepto da tradição da economia política clássica, Furtado se alinha à ética smithiana, mas com a introdução do marco conceitual do subdesenvolvimento periférico, vem a recomposição dos princípios éticos que norteiam sua obra e a proposta de repactuação social em torno do desenvolvimento das periferias econômicas.</p> 2022-05-02T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/61963 Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) das Regiões Metropolitanas de Belém-PA (RMB) e Manaus-AM (RMM) 2021-06-22T15:46:18-03:00 Michele Lins Aracaty e Silva michelearacaty@yahoo.com.br Silvia Regina de Souza Rojas silvia.rsrojas@gmail.com as diversas transformações socioeconômicas ocorridas nos últimos 50 anos no Brasil, oriundas do aumento populacional e da urbanização das cidades, evidenciam realidades desiguais dentro dos espaços metropolitanos. Situações indicativas de exclusão e vulnerabilidade, além da identificação da pobreza como insuficiência monetária, tem gerado a necessidade de identificar o grau de vulnerabilidade que vivem tais espaços. Como foi reportado pelo relatório do IPEA (2017), a RMM foi a que apresentou o maior IVS das 24 regiões metropolitanas analisadas no ano de 2010 e a RMB apresentou o sexto maior IVS para o período. Diante disto, uma análise da Vulnerabilidade Social da RMB e RMM foi realizada, onde foi feito um levantamento dos principais indicadores que compõem o IVS de tais regiões, juntamente com a análise de cada uma de suas respectivas dimensões, comparando as duas regiões e seus indicadores, além da apresentação dos resultados de suas respectivas Taxas de Prosperidade Social. Os resultados mostraram que os municípios de Marituba (RMB) e Careiro da Várzea (RMM) merecem urgente atenção do Poder Público e mesmo havendo sensível melhora para os indicadores de vulnerabilidade social no período de 2000 a 2010, ainda não acompanha a média das RM Brasileiras. 2021-06-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/62643 Mecanismos de transmissão política monetária em Moçambique: uma análise do canal do crédito no período de 2008 a 2019 2021-06-16T19:54:40-03:00 Agostinho Valente Macane amacane@ucm.ac.mz Carlos Seixas cseixas@porto.ucp.pt <span class="NenhumB"><span lang="DE">O presente artigo aborda a questão da transmissão da política monetária para a economia real em Moçambique, particularmente, através do canal de empréstimos bancários no período de 2008 a 2019. Testa-se a estacionariedade das variáveis, através dos testes Augmented Dickey Fuller e Phillip-Perron, e são aplicados, testes de causalidade de Granger, função impulso e resposta, decomposição da variância e o modelo Vetor Autorregressivo. Os resultados apontam que a taxa de referência do Banco de Moçambique impacta positivamente a inflação e o produto, no entanto, para a inflação, embora impactada positivamente, não é significante e para o produto somente é significante no segundo momento. Os resultados revelam a não existência ou funcionamento do canal dos empréstimos bancários em Moçambique no período em análise. Por outro lado, sugerem a existência de algumas limitações na eficácia da transmissão da política monetária sobre a economia real, dado que são encontradas evidências de não significância da referência da política monetária na inflação e produto em algun</span></span> 2021-06-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/44302 Os determinantes da mortalidade infantil nos municípios paranaenses entre 1991 e 2010 2021-06-17T13:29:27-03:00 Géssica Mathias Diniz gessica92eco@gmail.com Diego Ferreira diegoferreira.eco@gmail.com <p>A taxa de mortalidade infantil vem decrescendo em muitos países nas últimas décadas devido a melhorias não só em termos de renda, mas, principalmente, pelos aspectos sociais, demográficos e de atendimento de serviços básicos. Este estudo visa identificar a relação das variáveis taxa de fecundidade, taxa de analfabetismo, proporção da população servida pela coleta de lixo e rede geral de água, renda e índice de Gini com a taxa de mortalidade infantil. Para tanto, foram coletadas informações do Atlas do Desenvolvimento Humano para os 399 municípios paranaenses, referentes aos anos censitários e estimou-se um modelo econométrico com dados em painel. Em geral, os resultados obtidos vão ao encontro do referencial teórico e bibliográfico. De fato, a estimativa para a proporção da população servida por rede de abastecimento de água foi o único resultado incongruente encontrado, com sinal positivo estatisticamente não-significativo. Assim, pode-se concluir que melhorias nos serviços básicos, no atendimento à saúde, na educação, e o aumento e melhor distribuição da renda têm relação com a redução da taxa de mortalidade infantil e as políticas públicas devem ser direcionadas para tais setores.</p> 2021-06-07T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/66620 Bem-estar social em economia: Utilitarismo Benthamita ou Igualitarismo Seniano? 2021-12-07T18:03:48-03:00 Mayara da Mata Moraes mayara.m.moraes@grad.ufsc.br Solange Regina Marin solange.marin@ufsc.br <p>O objetivo deste artigo é fazer uma revisão de literatura a respeito de como o utilitarismo clássico de Jeremy Bentham e o igualitarismo de Amartya Sen compreendem o bem-estar. Bentham, com seu princípio da utilidade, foi um dos grandes influenciadores do que hoje se constitui como a economia do bem-estar predominante que entende bem-estar como função de utilidade e concebe o indivíduo com uma razão calculadora inata. Amartya Sen, crítico desse pensamento e seguindo os ensinamentos de Smith sobre motivação humana, apresenta a abordagem das capacitações com o objetivo de discutir bem-estar e de enfrentar problemas como desigualdades, garantia de direitos e pobrezas.</p> 2022-04-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/68215 Energia Solar e Economia Comportamental: O Caso da Solar City 2022-01-16T20:26:57-03:00 Eduardo Varella Avila eduardo.avila@revolusolar.com.br Helder Queiroz Pinto Junior helder@ie.ufrj.br Marcos Gonçalves Avila marcos@coppead.ufrj.br <p>A geração distribuída de energia solar ocupa um papel de destaque no atual processo de transição energética. Existem, entretanto, fatores que podem limitar a velocidade de expansão na adoção desta tecnologia. Um primeiro fator é a limitação na capacidade de investimento na aquisição do sistema fotovoltaico. Um segundo fator é relativo à racionalidade na tomada de decisão. Economistas comportamentais têm evidenciado que vieses comportamentais tendem a se manifestar de forma sistemática e previsível em julgamento e tomada de decisão. Este trabalho estuda o caso da empresa SolarCity, líder no mercado de energia solar distribuída nos EUA entre 2007 e 2016. O objetivo é identificar possíveis barreiras comportamentais no processo de adoção da tecnologia fotovoltaica e avaliar a eficácia do modelo de negócios implementado pela empresa em neutralizá-las. O modelo de negócios da SolarCity, com a estratégia de criação de comunidades solares e adoção da estrutura de pagamentos mensais, se mostrou consistente com dois tipos de intervenção no sentido de neutralizar essas barreiras: o uso de influências sociais e a adoção de mecanismos de neutralização do viés do presente e da aversão a perdas.</p> 2022-05-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento