Polo naval e offshore do Rio Grande: desafios colocados ao Corede Sul

Andréa Bento Carvalho, Gustavo Inácio de Moraes, Paulo Henrique de Oliveira Hoeckel

Resumo


Este artigo tem por objetivos identificar empresas fornecedoras à indústria do petróleo, gás natural e naval localizadas no Rio Grande do Sul e, em particular, na região do COREDE Sul, inseridas na Rede Petro/RS e SEBRAE, além de realizar uma breve análise comparativa do grau de concentração das atividades econômicas entre os oito COREDES com maior número de empregados. Neste sentido, conferindo atenção especial ao COREDE Sul observando se, ao longo dos anos, ocorreram alterações no grau de concentração de suas atividades em função da operação do Polo Naval e Offshore. Para obtenção dos índices de concentração foi adotada a metodologia do índice Hirschman-Herfindahl (HH), com dados de emprego apurados junto a RAIS. Os resultados deste trabalho evidenciam a tendência de os COREDES Metropolitano, Vale do Rio dos Sinos e Serra se consolidarem como principais fornecedores ao Polo Naval e Offshore do Rio Grande, e o COREDE Sul participando da referida cadeia com uma pequena quantidade de empresas, muitas delas prestadoras de serviços de baixo valor agregado. As evidências ainda apontam que as atividades do Polo Naval e Offshore do Rio Grande tendem a aprofundar uma característica já predominante no COREDE Sul, a desconcentração.


Palavras-chave


Indústria Naval; Desenvolvimento Regional; Índice HH

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA FILHO, Fernando de Holanda; PESSÔA, Samuel. Educação e Desenvolvimento no Brasil. in: VELOSO, Fernando; FERREIRA, Pedro Cavalcanti; GIAMBIAGI, Fabio; PESSÔA, Samuel (org.). Desenvolvimento Econômico: uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

BRASIL. Lei 11.892, 29 de dezembro de 2008.

CAMPOS, Marcelo Mallet Siqueira. Estado desenvolvimentista e a ampliação das capacitações: uma possível convergência. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v.9, n. 14, p. 119-135, jan.-jun. 2014.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da Ordem. Teatro de sombras. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

CEPAL. Pactos para la igualdad: Hacia un futuro sostenible. Santiago: CEPAL, 2014.

CHANG, Ha-Joon. Hamlet without the Prince of Denmark: How development has disappeared from today‟s „development‟ discourse. in: KHAN; CHRISTIANSEN (ed.) Towards New Developmentalism: Markets as Means Rather than Masters. Routledge: Abington: 2010.

CORBUCCI, Paulo Roberto. Dimensões estratégicas e limites do papel da educação para o desenvolvimento brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, set-dez. 2011.

CORBUCCI, Paulo Roberto. Evolução do acesso de jovens à educação superior no Brasil. Texto para discussão. Instituto Nacional de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: IPEA, 2014.

EVANS, Peter. O Estado como problema e como solução. Lua Nova, n.28-29, Abr.,1993.

EVANS, Peter. Collective Capabilities, Culture, and Amartya‟s Sen Development as Freedom. Studies in Comparative International Development, v. 37, n. 2, p. 54-60, Summer 2002.

EVANS, Peter. Além da “Monocultura Institucional”: Instituições, capacidades e o desenvolvimento deliberativo. Sociologias, Porto Alegre, v. 5, n. 9, p. 20-63, jan.-jun., 2003.

EVANS, Peter. The Challenges of the Institutional Turn: New Interdisciplinary Opportunities in Development Theory. in: NEE, Victor; SWEDBERG, Richard. The Economic Sociology of Capitalism. Princeton: Princeton University Press, 2005.

FERREIRA, Sergio Guimarães; VELOSO, Fernando. A Escassez de Educação. in: GIAMBIAGI, Fabio (et. al.). Economia Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

FONSECA, Pedro C. D. Sobre a Intencionalidade da Política Industrializante do Brasil na Década de 1930. Revista de Economia Política, v. 23, n. 1, jan-mar, 2003.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Educ. Soc. Campinas, vol. 28, n.100, p.1129-1152, Out. 2007.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 46, jan.- abr., 2011.

HAQ, Mahbub ul. Reflections on human development. New York: Oxford University Press, 1995.

HERRLEIN JÚNIOR, Ronaldo. Estado democrático e desenvolvimento no Brasil contemporâneo: um ensaio de economia política. Texto para discussão. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

HERRLEIN JÚNIOR, Ronaldo. A Construção de um Estado Democrático para o Desenvolvimento no Século XXI. Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: IPEA, 2014.

HOBSBAWM, Eric. A Era das Revoluções: Europa 1789-1848. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

IBGE. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira – 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

IPEA. PNAD 2009 – Primeiras análises: Situação da educação brasileira: avanços e problemas. Brasília: IPEA, Comunicados do IPEA, n° 66, 2010.

KLIKSBERG, Bernardo. Repensando o Estado para o Desenvolvimento Social: Superando Dogmas e Convencionalismos. São Paulo: Cortez Editora, 1998.

KUNZE, Nádia Cuiabano. O surgimento da rede federal de educação profissional nos primórdios do regime republicano brasileiro. Revista brasileira de educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC, SETEC, 2009.

LANDES, David. The Wealth and Poverty of Nations: Why some are rich so rich and some so poor. New York: W.W. Norton, 1999.

MEC. Painel de Controle do MEC. Disponível em: http://painel.mec.gov.br/ Acesso em 23/05/2014.

NUSSBAUM, Martha. Women and Human Development: The Capabilities Approach. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

NUSSBAUM, Martha. Not for profit: why democracy needs humanities. Princeton: Princeton University Press, 2010.

NUSSBAUM, Martha. Creating Capabilities: The Human Development Approach. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2011.

OECD. Pisa 2012 Results in Focus: What 15-years-old know and what they can do with what they know. Vol. I. Paris: OECD, 2013.

PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 2010: A verdadeira riqueza das nações: Vias para o desenvolvimento humano. New York: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2010.

PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 2013: A Ascensão do Sul: Progresso Humano num Mundo Diversificado. New York: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2013.

SEN, Amartya. The concept of Development. in. CHENERY, Hollis; SRINIVASAN, T. Handbook of Development Economics. Amsterdam: North Holland, 1988.

SEN, Amartya. Sobre ética e economia. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SEN, Amartya. Desigualdade reexaminada. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SEN, Amartya. Como julgar a globalização. in: SEN, Amartya; KLIKSBERG, Bernardo. As pessoas em primeiro lugar: A ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WINCKLER, Carlos Roberto; SANTAGADA, Salvatore. A educação profissional técnica de nível médio no Brasil: transição para um novo modelo? Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 39, n.3, p. 97-110, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1414650924683

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.