Evolução dos gastos públicos estaduais em capital humano e em infraestrutura fisica nos estados brasileiros

Aline Cristina Cruz, Daniela Almeida Raposo, Erly Cardoso Teixeira, Robson Miranda Silva, Rogerio Cesar Corgosinho

Resumo


O objetivo principal deste trabalho é avaliar a evolução dos gastos públicos em capital humano e físico e a evolução de alguns dos principais indicadores socioeconômicos nos diversos estados brasileiros, de forma a extrair conclusões sobre a eficácia destes dispêndios do Governo, quanto à meta de aumento do bem estar das famílias dos diversos estados do país. As principais conclusões atestam eficácia dos dispêndios públicos em infraestrutura rodoviária e em educação e saúde quanto aos avanços na malha rodoviária e no estoque de capital humano, respectivamente, a partir da análise da estrutura socioeconômica dos estados brasileiros. Fica claro que os estados do Sul e Sudeste continuam a concentrar riqueza e maior infraestrutura em detrimento dos demais. Entretanto, houve melhora geral no país, nos anos de 2007 e 2008, em relação à década de 1980, a exemplo da diminuição da mortalidade e da melhora de indicadores de escolaridade média, PIB per capita, condição das rodovias federais e de concentração de renda, em todos os estados brasileiros.


Palavras-chave


Gastos Públicos; Capital Humano; Infraestrutura Física

Texto completo:

PDF

Referências


ASCHAUER, D. Is public expenditure productive? Journal of Monetary Economics, v. 23, p. 177-200, 1989.

BARRO, R. J. Government spending in a simple model of endogenous growth. Journal of Political Economy, v. 98, p. 103-125, 1990.

BARROS, R. P.; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. A Estabilidade Inaceitável: Desigualdade e Pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2001. (Texto para discussão IPEA, no. 800).

BARROS, R; HENRIQUES, R; MENDONÇA, R. A Estabilidade Inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In: Henriques, Ricardo (Org.). Desigualdade e Pobreza no Brasil. cap. 1, pp. 21-47. IPEA: Rio de Janeiro, 2000a.

BARROS, R; HENRIQUES, R; MENDONÇA, R. A (2000b). Pobreza e política social. São Paulo, Fundação Konrad Adenauer, 2000b.

BARROS, R. P. & MENDONÇA, R. O impacto do crescimento e de reduções no grau de desigualdade sobre a pobreza. Rio de Janeiro: IPEA, 1997. (Texto para Discussão 528)

BLACKBURN, K.; HUNG, V. T. Y. E POZZOLO, A. F. Research, Development and Human Capital Accumulation” – Journal of Macroeconomics, volume 22, number 2, 2000.

BOURGUIGNON, F. Pareto-Superiority of Unegalitarian Equilibrium in Stiglitz'Model of Wealth Distribution with Convex Savings Function, Econometrica 49, 1981.

BOURGUIGNON, F. The Growth Elasticity of Poverty Reduction; Explaining Heterogeneity Across Countries and Time Periods in T. Eicher and S. Turnovsky, eds. Inequality and growth. Theory and Policy Implications, Cambridge: The MIT Press, 2003.

CASTRO, J. A. Evolução e desigualdade na educação brasileira. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 108, 2009.

CRUZ, A. C.; TEIXEIRA, E. C.; BRAGA, M. J. O efeito dos gastos públicos em infraestrutura e em capital humano no crescimento econômico e na redução da pobreza no Brasil. Economia (Brasília), v. 11, p. 163-185, 2010.

FERRANTI, D. et al. Inequality in Latin America: breaking with history? Washington, DC: World Bank, 2004.

FERREIRA, A. B.; NAKABASHI, L.; SANTOS, M. Crescimento econômico e acumulação de capital humano: uma análise de causalidade. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 2003. (Texto para discussão n. 222)

FERREIRA, F. H. G. Os determinantes da desigualdade de renda no Brasil: luta de classes ou heterogeneidade educacional? Rio de Janeiro, Departamento de Economia PUC, Texto para discussão n.º 415, 2000.

FERREIRA, P.C. Investimento em infraestrutura no Brasil: fatos estilizados e relações de longo prazo. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 26, no. 2, 231-252, 1996.

FERREIRA, P.C.; MALLIAGROS, T.G. Impactos produtivos da infraestrutura no Brasil – 1950/95. Pesquisa e Planejamento Econômico, v.28 n.2, 315-338, 1998.

FOSTER, A.D., ROSENZWEIG, M.R. Technical Change and Human-Capital Returns and Investments: Evidence from the Green Revolution. The American Economic Review, 86 (4), p. 931-953, 1996.

GALOR, O.; ZEIRA, J. Income Distribution and Macroeconomics. Review of Economic Studies, 60, p. 35−52, 1993.

HIRSCHMAN, A. O. Estratégia do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, 1961.

HOFFMANN, R. Elasticidade da pobreza em relação à renda média e à desigualdade no Brasil e nas unidades da Federação. Economia Revista da Anpec, v. 6, n. 2, p. 255-289, 2005.

IBGE (2012) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: http://www.ibge.gov.br/home/php. Acesso em novembro de 2012.

IPEADATA (2012). Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em abril de 2012.

KAKWANI, N.; PERNIA, E. What is Pro-Poor Growth?. Asian Development Review 16(1), 2000.

KALDOR, N. Alternative Theories of Distribution, Review of Economic Studies, 23, 1956.

KELLER, W. International Technology Diffusion. Journal of Economic Literature. Under revision, 2003.

LOAYZA, N., FAJNZYLBER, P., CALDERÓN, C. "Economic Growth in Latin America and The Caribbean: Stylized Facts, Explanations, and Forecasts," Working Papers Central Bank of Chile 265, Central Bank of Chile, 2004

LIMA, F. S.; BARRETO, F. A.; MARINHO, E. Impacto do Crescimento Econômico e da Concentração de Renda sobre o Nível de Pobreza dos Estados Brasileiros. Anais do VII Encontro Regional de Economia, Fortaleza. 2003.

LOPEZ, H. Pro-poor-Pro-growth: Is there a Trade Off?. The World Bank, Policy Research Working, Paper No. 3378, 2004a.

LOPEZ, H.; SERVEN, L. The Mechanics of Growth-Poverty-Inequality Relationship. Mimeo, The World Bank, 2004b.

LOPEZ, J. H. Pro-poor growth: A review of what we know (and of what we don't). PREM Poverty Group Paper. Washington DC: The World Bank, 2004b.

MANSO, C. A.; BARRETO, F. A.O Desequilíbrio Regional de Bem-Estar Social no Brasil: Implicações a Partir do Mercado de Trabalho Durante os Ciclos Econômicos. Ensaio Sobre Pobreza, N.º 19, 2009.

MENEZES, T. A.; PINTO, R. F. É Preciso Esperar o Bolo Crescer, para Depois Repartir? Anais do VIII Encontro Regional de Economia, Fortaleza, 2005.

MINCER, J. Investment in Human Capital and Personal Income Distribution. Journal of Political Economy, 66(4), p. 281-302, 1958.

MIRRLEES, J. An Exploration in the Theory of Optimum Income Taxation. The Review of Economic Studies, Vol. 38, No. 2, pp. 175-208, 1971.

RAM, R. Government size and economic growth: a new framework and some evidence from cross-section and time-series data. American Economic Review, v. 76, n. 1, p. 191-203, 1986.

RAVALLION, M.; CHEN, S. Measuring Pro-poor Growth, Economic Letters , Vol. 78 (1), 2003.

RAY, D. Development Economics. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1998.

Rocha S 2011. O programa Bolsa Família Evolução e efeitos sobre a pobreza, Economia e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 1 (41), p. 113-139, abr. 2011.

SEN, A. (1983). Development: Which Way Now? The Economic Journal 93(372): 745-762.

SILVA, G. J. C.; FORTUNATO, W. L. L. Infraestrutura e crescimento: uma avaliação do caso brasileiro no período 1985-1998. UFMG, 2002.

VANDENBUSSCHE, J., AGHION, P.; MEGHIR, C. Growth, distance to frontier and composition of human capital. Journal of Economic Growth 11, no. 2, p. 97-127 2006.

WHITE, H.; ANDERSON, A. Growth vs. Redistribution: Does the Pattern of Growth Matter?. DFID white paper on Elimination World Poverty; making Globalization Work for the Poor, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/1414650911283



Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.