Interceptação e escoamento superficial em diferentes estágios de regeneração da Floresta Atlântica, sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509866884

Palavras-chave:

Processos Hidrológicos, Precipitação Interna, Escoamento pelo Tronco, Estágio Inicial e Avançado de Regeneração

Resumo

A vegetação em regeneração passa por diferentes estágios ao longo do tempo, cada um com diferentes condições para o escoamento da água precipitada até a superfície do solo. O objetivo deste estudo foi avaliar a interceptação, a precipitação interna, o escoamento pelo tronco e o escoamento superficial em estágios inicial e avançado de regeneração na Floresta Ombrófila Densa Montana no Parque Nacional da Serra do Itajaí em Indaial/SC. A precipitação externa foi amostrada por três pluviômetros e a precipitação interna foi medida através do uso de calhas do tipo "U". O escoamento pelo tronco foi medido em 24 árvores por estágio de regeneração. A perda por interceptação foi calculada pela diferença entre a precipitação total e a soma da precipitação interna e do escoamento pelo tronco. O escoamento superficial foi medido utilizando calhas de metal. A vegetação arbórea do estágio inicial é composta por 7 espécies com área basal de 5,01 m².ha-1 e do estágio avançado é composta por 28 espécies com área basal de 34,7 m².ha-1. A precipitação interna foi de 81,7% da precipitação externa no estágio inicial e 74,1% no estágio avançado. O escoamento pelo tronco foi de 5,93% no estágio inicial e 0,54% no estágio avançado. A perda por interceptação foi de 13,2% no estágio inicial e 25,8% no estágio avançado. O escoamento superficial foi de 11,1% no estágio inicial e 10,7% no estágio avançado. Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os estágios de regeneração para o escoamento pelo tronco e para a perda por interceptação. O estudo mostrou que, para alguns processos hidrológicos, o estágio de regeneração da vegetação difere no caminho que a água precipitada. No caso do escoamento superficial, o estágio de regeneração não influencia, demonstrando que, após alguns anos de regeneração da vegetação, este processo hidrológico é equivalente à vegetação em estágio avançado.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson Luiz Nicoletti, Universidade Regional de Blumenau

Departamento da Engenharia Florestal

Área de conhecimentos: hidrologia florestal, geoprocessamento, sensoriamento remoto, inventário florestal.

Julio Cesar Refosco, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC

 Forest Engineer, Dr., Professor
Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brazil

Adilson Pinheiro, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC

 Civil Engineer, Dr., Professor
Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brazil

Referências

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711–728, 2014.

ALVES, R. F., DIAS, H. C. T., OLIVEIRA JÚNIOR, J. C. DE, GARCIA, F. N. M. Avaliação da precipitação efetiva de um fragmento de Mata Atlântica em diferentes estágios de regeneração no município de Viçosa, MG. Ambi-Agua, v. 2, n. 1, p. 83-93, 2007.

ARCOVA, F. C. S., CICCO, V. de, ROCHA, P. A. B. Precipitação efetiva e interceptação das chuvas por floresta de Mata Atlântica em uma microbacia experimental em Cunha - São Paulo. Revista Árvore, v. 27, n. 2, p. 257-262, 2003.

BONELL, M. Progress in the understanding of runoff generation dynamics in forests. J. Hydrol., v. 150, p. 217-275, 1993.

CAVELIER, J., JARAMILLO, M., SOLIS, D., LEON, D. Water balance and nutrient inputs in bulk precipitation in tropical montane cloud forest in Panama. J. Hydrol., v. 193, p. 83-96, 1997.

CEOPS. Centro de Operação do Sistema de Alerta da Bacia do Itajaí. Blumenau/Santa Catarina. http://ceops.furb.br. (January 30, 2015).

CLARK, D. B. Abolishing virginity. J. Tropical Ecology, v. 12, p. 735-739, 1996.

CROCKFORD, R.H., RICHARDSON, D.P. Partitioning of rainfall into throughfall, stemflow and interception: effect of forest type, ground cover and climate. Hydrol. Process., v. 14, p. 2903-2920, 2000.

EDWARDS, P.J. Studies of mineral cycling in a montane rain forest in New Guinea, V. Rates of cycling in throughfall and litterfall. J. Ecol., v. 70, p. 807-827, 1982.

FAN, J., OESTERGAARD, K. T., GUYOT A., LOCKINGTON, D. A. Measuring and modeling rainfall interception losses by a native Banksia woodland and an exotic pine plantation in subtropical coastal Australia. J. Hydrol., v. 515, p. 156-165, 2014.

FLEISCHBEIN, K., WILCKE, W., VALAREZO, C., ZECH, W., KNOBLICH, K. Water budgets of three small catchments under montane forest in ecuador: Experimental and modelling approach. Hydrol. Process., v. 20, n. 2, p. 2491-2508, 2006.

GHIMIRE, C. P., BRUIJNZEEL, L. A., LUBCZYNSKI, M. W., BONELL, M. Rainfall interception by natural and planted forests in the Middle Mountains of Central Nepal. J. Hydrol., v. 475, p. 270–280, 2012.

GOMEZ-PERALTA, D., OBERBAUER, S. F., MCCLAIN, M. E., PHILIPPI, T. E. Rainfall and cloud-water interception in tropical montane forests in the eastern Andes of Central Peru. Forest Ecology and Management, v. 255, p. 1315-1325, 2008.

JACKSON, I.J. Relationships between rainfall parameters and interception by tropical forest. J. Hydrol., v. 24, p. 215-238, 1975.

KLEIN, R. M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, v. 1, n. 32, p. 165-389, 1980.

LIKENS, G. E., EATON, J. S. A polyurethane stemflow collector for trees and shrubs. Ecology, v. 51, n. 5, p. 938-939, 1970.

LIMOUSIN, J., RAMBAL, S., OURCIVAL, J., JOFFRE, R. Modelling rainfall interception in a mediterranean Quercus ilex ecosystem: Lesson from a throughfall exclusion experiment. J. Hydrol., v. 357, p. 57–66, 2008.

LORENZON, A. S., DIAS, H. C. T., LEITE, H. G. Precipitação efetiva e interceptação da chuva em um fragmento florestal com diferentes estágios de regeneração. Revista Árvore, v. 37, n. 4, p. 619-627, 2013.

MARIN, C.T., BOUTEN, W., SEVINK, J. Gross rainfall and its partitioning into throughfall, stemflow and evaporation of intercepted water in four forest ecosystems in western Amazonia. J. Hydrol., v. 237, p. 40-57, 2000.

MCCULLOCH, J.S.G., ROBINSON, M. History of forest hydrology. J. Hydrol., v. 150, p. 189-216, 1983.

MERINO-MARTÍN, L., HERAS, M. M. LAS, ESPIGARES, T., NICOLAU, J. M. Overland flow directs soil moisture and ecosystem processes at patch scale in Mediterranean restored hillslopes. Catena, v. 133, p. 71-84, 2015.

MOURA, A. E. S. S. DE, CORREA, M. M., SILVA, E. R. DA, LIMA, G. S., SENA, J. R. DE, FIGUEIREDO, A. de C. Precipitação efetiva nos períodos chuvoso e pouco chuvoso em um fragmento de Mata Atlântica, Recife, PE. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 17, n. 4, p. 7-16, 2012.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Um sistema de classificação fisionômico-ecológico da vegetação neotropical: segunda aproximação. In: EISENLOHR, P. V., FELFILI, J. M., MELO, M. M. R. F., ANDRADE, L. A., MEIRA NETO, J. A. A. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: Ed. UFV, 2015, 474 p.

PARCHEN, C. A. P., NETTO, S. P., RIZZI, N. E. Teste de Metodologia Alternativa para Mensuração de Escoamento Superficial de Água no Solo em Ambientes Florestais. Revista Floresta, v. 41, n. 3, p. 629-640, 2011.

RODRIGO, A., ÁVILA, A. Influence of sampling size in the estimation of mean throughfall in two Mediterranean holm oak forests. J. Hydrol., v. 243, p. 216-227, 2001.

SALEMI, L. F., GROPPO, J. D., TREVISAN, R., MORAES, J. M. DE, FERRAZ, S. F. DE B., VILLANI, J. P., DUARTE-NETO, P. J., MARTINELLI, L. A. Land-use change in the Atlantic rainforest region: Consequences for the hydrology of small catchments. J. Hydrol., v. 499, p. 100-109, 2013.

THOMAZ, E. L. Avaliação de Interceptação e Precipitação Interna em Capoeira e Floresta Secundária em Guarapuava/Pr. Revista Geografia, v. 14, n. 1, p. 47-60, 2005.

TOGASHI, H. F., MONTEZUMA, R. C. M., LEITE, A. F. Precipitação incidente e fluxo de atravessamento das chuvas em três estágios sucessionais de Floresta Atlântica no maciço da Pedra Branca, Rio de Janeiro. Revista Árvore, v. 36, n. 5, p. 907-917, 2012.

WALLACE, J., MCJANNET, D. Modelling interception in coastal and montane rainforests in northern Queensland, Australia. J. Hydrol., v. 348, p. 480-495, 2008.

ZHANG, Y., WANG, X., HU, R., PAN, Y., PARADELOC, M. Rainfall partitioning into throughfall, stemflow and interception loss by two xerophytic shrubs within a rain-fed re-vegetated desert ecosystem, northwestern China. J. Hydrol., v. 527, p. 1084-1095, 2015.

Downloads

Publicado

23-11-2022

Como Citar

Nicoletti, A. L., Refosco, . J. C., & Pinheiro, A. . (2022). Interceptação e escoamento superficial em diferentes estágios de regeneração da Floresta Atlântica, sul do Brasil. Ciência Florestal, 32(4), 2113–2135. https://doi.org/10.5902/1980509866884

Edição

Seção

Artigos