Monitoramento fenológico para avaliação de impacto ambiental em manguezais estuarinos no Nordeste do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509839683

Palavras-chave:

Fenologia, Mangue, Pressão antrópica

Resumo

Os manguezais se configuram em um dos ecossistemas mais produtivos do planeta, entretanto eles vêm sofrendo progressivas alterações ambientais, devido às pressões antrópicas. Informações sobre o comportamento fenológico podem ser utilizadas como instrumento na construção de projetos de conservação de recursos naturais. O presente estudo foi realizado em quatro áreas estuarinas em Acaraú, Ceará, objetivando analisar o comportamento fenológico dos componentes reprodutivos de três espécies de mangue em diferentes áreas sujeitas a diferentes tipos de impactos ambientais (resíduos sólidos, desmatamento e efluentes da carcinicultura) e uma área de baixo impacto no período de um ano. A fim de se caracterizar os padrões fenológicos foi realizada observação direta, registrando-se a presença e a intensidade da floração e frutificação. Dois métodos de análise foram aplicados para entender os padrões de floração e frutificação: percentual de intensidade de Fournier e o índice de atividade. As florações de Avicennia spp. e Rhizophora mangle L, em condições naturais, ocorrem o ano todo, e nas áreas impactadas mostraram padrões irregulares. Quanto à frutificação, Laguncularia racemosa (L.) C. F. Gaertn foi a espécie que apresentou os mais altos percentuais para os dois índices fenológicos analisados. A pluviosidade e a salinidade parecem exercer maior força seletiva quando as espécies estão sujeitas a algum tipo de impacto antrópico. A análise comparativa dos diferentes métodos de avaliação fenológicos realizados neste estudo indicou que estes fornecem dados distintos e complementares sobre o comportamento reprodutivo vegetal e de como os impactos a que estes ambientes estão sujeitos pode estar interferindo negativamente sobre a flora deste ecossistema.

Biografia do Autor

Jorgeana Almeida Benevides, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Paracuru, CE

Professora DE, efetiva do corpo docente do IFCE, campus Paracuru, nos cursos de Tecnologia em Meio Ambiente, Tecnólogo em Gestão Ambiental e Licenciatura em Ciências Biológicas. Pesquisadora nas áreas de Botânica, Ecologia de Manguezais e Meio Ambiente. Doutoranda no programa de pós-graduação em Ciências Marinhas Tropicais pela Universidade Federal do Ceará.

Rafaela Camargo Maia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Acaraú, CE

Bióloga, Dra., Professora no Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Gestão Ambiental, Coordenadora do Laboratório de Ecologia de Manguezais o IFCE campus Acaraú. Docente do campus Acaraú.

Ingrid H’Oara Carvalho Vaz da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Acaraú, CE

Professora DE, efetiva do corpo docente do IFCE, campus Acaraú, no curso de Ciências Biológicas. Doutoranda no programa de pós-graduação em Ciências Marinhas Tropicais pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

AGRAZ HERNÁNDEZ, C. M. et al. Phenological variation of Rhizophora mangle and ground water chemistry associated to changes of the precipitation. Hidrobiológica, México, v. 25, n. 1, p. 49-61, 2015.

AKÉ-CASTILLO, J. A.; VÁZQUEZ, G.; LÓPEZ-PORTILLO, J. Litterfall e decomposição de Rhizophora mangle L. em uma lagoa costeira no sul do Golfo do México. Hidrobiology, [s. l.], n. 559, p. 101-111, 2006.

ALVARENGA, A. M. S. B.; BOTOSSO, P. C.; SOFFIATTI, P. Stem growth and phenology of three subtropical mangrove tree species. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 907-914, 2017.

BENCKE, C. S. C.; MORELLATO, L. P. C. Comparação de dois métodos de avaliação da fenologia de plantas, sua interpretação e representação. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 269-275, 2002a. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042002000300003.

BENCKE, C. S. C. MORELLATO, L. P. C. Estudo comparativo da fenologia de nove espécies arbóreas em três tipos de floresta atlântica no sudeste do Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 273-248, jun. 2002b. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042002000200012.

BONALDI, R. A.; RODERJAN, C. V. Levantamento florístico e caracterização estrutural de um manguezal na APA de Guaraqueçaba, Paranaguá, PR. Acta Biológica Catarinense, [s. l.], v. 4, n. 1, p. 19-28, jan./jun, 2017.

CARDOSO, C. S.; CHAVES, F. O.; SOARES, M. L. G. Variação espaço-temporal na produção de propágulos de espécies de mangue no Sudeste do Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Naturais. Belém, v. 10, n. 3, p. 491-503, set./dez. 2015.

CUZZUOL, G. R. F.; CAMPOS, A. Aspectos nutricionais na vegetação de manguezal do estuário do Rio Mucuri, Bahia, Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 227-234, jun. 2001.

FERNANDES, M. E. B. et al. Padrões de floração e frutificação em Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. F.: uma avaliação metodológica. Boletim do Laboratório de Hidrologia, [s. l.], v. 18, p. 33-38, 2005.

FERREIRA, A. C.; BEZERRA, L. E. A.; MATTHEWS-CASCON, H. Aboveground carbon stock in restored neotropical mangrove: influence of management and brachyuran crab assemblage. Wetlands Ecology and Management, Dordrecht, v. 27, n. 2, p. 233-242, 2019.

FERREIRA, M. C.; CONSOLARO, H. Fenologia e síndromes de polinização e dispersão de espécies de sub-bosque em um remanescente florestal urbano no Brasil central. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 29, n. 5, p. 1708-1720, nov, 2013.

FORTUNATO, M. E. M.; QUIRINO, Z. G. M. Efeitos da fragmentação na fenologia reprodutiva de espécies arbóreas presentes em borda e interior de Mata Atlântica Paraibana. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 67, n. 3, p. 603-614, 2016.

FOURNIER, L. A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas em árboles. Turrialba, San José, n. 24, p. 422-423, 1974.

FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS. Posto Pluviométrico de Acaraú. Fortaleza, 2016. Disponível em: http://www.funceme.br. Acesso em: 01 set. 2017.

LIMA, K. O. O. Dinâmica Populacional de plântulas de Rhizophora mangle L. no sudeste do Brasil. 2018. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Espírito Santo, 2018.

MATIAS, L.; SILVA, M. D. Monitoramento e análise da vegetação de manguezal no litoral sul de Alagoas. Journal of Environmental Analysis and Progress, [s. l.], v. 2, n. 3, p. 312-319, 2017.

MATNI, A. S. Estudo comparativo da fenologia reprodutiva de Rhizophora mangle L, Avicennia germinans (L.) Stearn e Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. F. ao longo da península de Ajuruteua, Bragança – Pará. 2007. Dissertação (Mestrado em Biologia Ambiental) - Universidade Federal do Pará, Bragança, 2007.

MCKEE, K. L. et al. Mangrove isotopic (d15N and d13C) fractionation across a nitrogen vs. phosphorus limitation gradient. Ecology, [s. l.], v. 83, n. 4, p. 1065-1075, 2002.

MENEZES, L. C. S. Estrutura e produção de serapilheira de floresta de mangue da região estuarina-lagunar do baixo São Francisco sergipano. 2010. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2010.

MORELLATO, L. P. C. et al. Estratégias fenológicas de espécies arbóreas em floresta de altitude na Serra do Japi, Jundiaí, SP. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, n. 50, p. 149-162, 1990.

MORELLATO, L. P. C. et al. The Influence of Sampling Method, Sample Size, and Frequency of Observations on Plant Phenological Patterns and Interpretation in Tropical Forest Trees. In: HUDSON I.; KEATLEY M. (ed.). Phenological research. Dordrecht: Springer, 2010. p. 99-121.

NADIA, T. L.; MORELLATO, L. P. C.; MACHADO, I. C. Reproductive phenology of a northeast Brazilian mangrove community: environmental and biotic constraints. Flora-Morphology, Distribuition, Functional Ecology of Plants, [s. l.], v. 207, n. 9, p. 682-692, 2012.

OCHOA-GAONA, S.; HERNÁNDEZ, I. P.; JONG, B. H. J. Fenología reproductiva de las especies arbóreas del bosque tropical de Tenosique, Tabasco, México. Revista de Biologia Tropical, Costa Rica, v. 56, n. 56, p. 657-673, 2008.

PAULA, A. L. S. et al. The recovery of a degraded mangrove in Ceará through the Production of Laguncularia racemosa (L.) C.F. Gaertn. (Combretaceae) and Avicennia sp. Stapf ex Ridl (Acanthaceae) seedlings. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 40, n. 3, p. 377-385, 2016.

SILVA, A. P.; SILVA, J. B.; ARAÚJO, E. D. S. Marisma, Manguezal (Mangue e Apicum): Ecossistema de transição terra-mar do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, [s. l.], v. 13, n. 2, p. 727-742, abr. 2020.

SOUSA, W. P. et al. Supply-side ecology in mangroves: do propagule dispersal and seedling establishment explain forest structure? Ecological Monographs, Washington, n. 77, p. 53-76, 2007.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

Benevides, J. A., Maia, R. C., & Silva, I. H. C. V. da. (2021). Monitoramento fenológico para avaliação de impacto ambiental em manguezais estuarinos no Nordeste do Brasil. Ciência Florestal, 31(4), 1631–1653. https://doi.org/10.5902/1980509839683

Edição

Seção

Artigos