Diferentes doses de calcário aumentam a absorção de nutrientes pelo pinhão-manso

Tatiane Ohland, Maria do Carmo Lana, Jucenei Fernando Frandoloso

Resumo


Este trabalho teve por objetivo avaliar se diferentes doses de calcário, aplicadas em subsuperfície, influenciam a absorção de nutrientes em plantas de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) em desenvolvimento inicial. O experimento foi realizado em vasos e sob condição de casa de vegetação, em que as plantas de pinhão-manso foram cultivadas em vasos de PVC, divididos em camada superficial (0-20 cm) e camada subsuperficial (20-60 cm). A camada superficial recebeu solo corrigido (11,1 t ha-1 de CaCO3 e MgCO3) e adubação com NPK. Na camada subsuperficial foi adicionado ao solo as doses de 0; 3,7; 5,6; 7,4; 11,1 e 14,9 t ha-1 de CaCO3 e MgCO3 na relação molar 4:1. Após 120 dias da emergência das plantas, avaliaram-se os teores e conteúdos de Al, P, K, Ca, Mg, Zn, Mn, Fe e Cu nas folhas, no caule e nas raízes. Em plantas de pinhão-manso, os teores de Al são maiores nos tecidos radiculares, seguido das folhas e do caule. Os teores e os conteúdos de P, K, Ca, Mg, Zn e Mn no tecido vegetal são influenciados pelo aumento das doses de calcário no solo. Os teores de Fe e Cu nos tecidos vegetais de pinhão-manso sofrem pouca influência das doses crescentes de calcário em subsuperfície.

Palavras-chave


Acidez do solo; Calagem; Jatropha curcas

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 13.263, de 23 de março de 2016. Percentuais de adição de biodiesel ao óleo diesel comercializado no território nacional. Brasília: Presidência da República, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13263.htm#art1. Acesso em: 25 maio 2018.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Produção de biodiesel atinge 452 milhões de litros, maior volume nos últimos dez anos. Brasília: MME, 2018. Disponível em: http://www.mme.gov.br. Acesso em: 25 maio 2018.

CHAVES, L. H. G. et al. Crescimento, distribuição e acúmulo de cobre e zinco em plantas de pinhão-manso. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 2, p. 167-176, 2010.

CONCEIÇÃO, L. D. C. S. et al. Tolerância ao alumínio em plantas: toxicidade, mecanismos e genes em espécies cultivadas. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 14, n. 3/4, p. 01-10, 2008.

DIVAKARA, B. N. et al. Biology and genetic improvement of Jatropha curcas L.: a review. Applied Energy, Amsterdam, v. 87, p. 732-742, 2010.

LANA, M. do C. et al. Tolerância de plântulas de pinhão-manso a toxicidade de alumínio em solução nutritiva. I: desenvolvimento da parte aérea e sistema radicular. Synergismus scyentifica UTFP, Pato Branco, v. 4, n. 1, 2009.

LAVIOLA, B .G. et al. Desempenho agronômico e ganho genético pela seleção de pinhão-manso em três regiões do Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 49, p. 356-363, 2014.

LAVIOLA, B. G.; DIAS, L. A. S. Teor e acúmulo de nutrientes em folhas e frutos de pinhão manso. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 32, p. 1969-1975, 2008.

LAVRES JUNIOR, J. et al. Influência genotípica na absorção e na toxidez de manganês em soja. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 32, p. 173-181, 2008.

LIMA, M. L. B. et al. Pinhão manso como alternativa para produção de biodiesel. Agropecuária Científica no Semi-Árido, Patos, v. 8, n. 4, p. 01-07, 2012.

MACEDO, F. L. et al. Efeito do alumínio em plantas de pinhão-manso (Jatropha curcas L.), cultivadas em solução nutritiva. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, p. 157-164, 2011.

MAIA, J. T. L. S. et al. Omissão de nutrientes em plantas de pinhão-manso cultivadas em solução nutritiva. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 61, n. 5, p. 723-731, 2014.

MIGUEL, P. S. B. et al. Efeitos tóxicos do alumínio no crescimento das plantas: mecanismos de tolerância, sintomas, efeitos fisiológicos, bioquímicos e controles genéticos. CES Revista, Juiz de Fora, v. 24, p. 13-29, 2010. Disponível em: https://www.cesjf.br/revistas/cesrevista/edicoes/2010/01_BIOLOGIA_efeitodoaluminio.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

MOURA, A. R. et al. Relações hídricas e solutos orgânicos em plantas jovens de Jatropha curcas L. sob diferentes regimes hídricos. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 345-354, 2016.

NACHTIGALL, G. R.; NOGUEIROL, R. C.; ALLEONI, L. R. F. Extração sequencial de Mn e Zn em solos em função do pH e adição de cama-de-frango. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, n. 3, p. 240-249, 2009.

PADILHA, N. S. et al. Crescimento inicial do pinhão-manso submetido a diferentes regimes hídrico em Latossolo Vermelho distrófico. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 513-521, 2016.

ROSSATO, O. B. et al. Correction of soil acidity in the subsurface of na oxisol with Sandy loam texture under no-tillage. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 33, p. 659-667, 2009.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solo. 5. ed. Brasília, DF: EMBRAPA, 2018. 590 p.

SATO, M. et al. Cultura de Pinhão-manso (Jatropha curcas L): uso para fins combustíveis e descrição agronômica. Revista Varia Scientia, Cascavel, v. 7, n. 13, p. 47-62, 2009.

SILVA, F. C. (ed.). Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica, 2009. 627 p.

SOUZA JÚNIOR, R. F. et al. Frações de fósforo inorgânico do solo e suas correlações com o fósforo quantificado por extratores e pelo milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 36, p. 159-169, 2012.

SPERA, S. T. et al. Atividade do alumínio na solução do solo de um Latossolo Vermelho distrófico submetido ao manejo do solo e de culturas. Nativa, Sinop, v. 2, n. 3, p. 131-137, 2014.

STEINER, F. et al. Effects of aluminum on plant growth and nutrient uptake in young physic nut plants. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 5, p. 1779-1788, 2012.

VIRGENS, I. O. et al. Revisão: Jatropha curcas L.: aspectos morfofisiológicos e químicos. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 20, p. e2016030, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509835423

Licença Creative Commons