PRODUÇÃO DE MUDAS DE Schinopsis brasiliensis Engler SOB PRÉVIA LAVAGEM DO PÓ DE COCO E SUBMETIDAS A DOSES CRESCENTES DE FERTILIZANTE DE LIBERAÇÃO CONTROLADA

Leonardo Pereira da Silva Brito, Thatiany Teixeira Bezerra, Elaine Maiara Bonfim Nunes, Márkilla Zunete Beckmann Cavalcante, José Alves de Siqueira Filho

Resumo


O manejo do substrato e da adubação é imprescindível para garantir a formação de mudas de espécies florestais com qualidade e que tenham êxito no estabelecimento em campo, seja para fins de arborização urbana, recuperação de áreas degradadas, projetos de reflorestamento ou para fins madeireiros. Nesse sentido, objetivou-se avaliar o efeito da lavagem do pó de coco e a aplicação de doses crescentes de fertilizante de liberação controlada na produção de mudas de baraúna (Schinopsis brasiliensis Engler). O experimento foi conduzido no período de 30 de janeiro de 2015 a 04 de abril de 2015, em viveiro (50% de sombreamento) no Setor de Produção de Mudas do Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas da Caatinga (CRAD), Petrolina-PE. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado, com os tratamentos distribuídos em esquema fatorial 5 x 2, referentes a cinco doses do adubo Osmocote® (0,0; 4,5; 9,0; 13,5 e 18,0 kg m-3) e substrato lavado ou não lavado, com quatro repetições e 54 tubetes por parcela. Durante o experimento foram registrados a porcentagem de emergência (PE%) e o índice de velocidade de emergência (IVE). Ao final do experimento, foram determinados: altura de planta; número de folhas; diâmetro do caule; comprimento médio da maior raiz; área foliar; clorofila foliar; e massa seca da parte aérea e raiz. A alta salinidade no substrato pó de coco compromete o desenvolvimento inicial de mudas de baraúna, indicando-se a necessidade da lavagem do substrato para se realizar a produção de mudas. A lavagem do pó de coco em associação com fertilizante de liberação controlada proporciona mudas de melhor qualidade. As doses de adubo de liberação controlada influenciam positivamente o crescimento inicial das mudas de baraúna, incrementando todas as variáveis em estudo. O fertilizante de liberação controlada pode ser recomendado para a formação de mudas de baraúna, na dose de até 12,75 kg m-3.


Palavras-chave


Baraúna; salinidade; Osmocote®; nutrição de plantas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. C.; SÁ, J. R.; LIMA, E. M. Efeito do volume de água e da cobertura morta sobre o crescimento inicial do maracujazeiro-amarelo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 4, n. 1, p. 121-124, 2000.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade de água na agricultura. Campina Grande: Universidade Federal da Paraíba, 1999. 53 p.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2006. 237 p.

BLEVINS, D. P.; PRESCOTT, C. E.; ALLEN, H. L. The effects of nutrition and density on growth, foliage biomass, and growth efficiency of high-density fire-origin lodgepole pine in Central British Columbia. Journal of Forest Research, Ottawa, v. 35, p. 2851-2859, 2005.

BOSCO, M. R. O. et al. Influência do estresse salino na composição mineral da berinjela. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 40, n. 1, p. 157-164, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 17 de 21 de maio de 2007/SDA. Aprova os métodos analíticos oficiais para análise de substratos e condicionadores de solos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2007. Seção 1, p. 8.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n.º 31, de 24 de outubro de 2008. Altera os subitens 3.1.2, 4.1 e 4.1.2, do Anexo à Instrução Normativa n.º 17, de 21 de maio de 2007/SDA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 out. 2008a, Seção 1, p.20.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instrução normativa nº 06, de 23 de setembro de 2008. Reconhece espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2008b. Seção 1, 8 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria MMA nº 443, de 17 de dezembro de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 dez. 2014. Seção 3, 25 p.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Biossólido na composição de substrato para a produção de mudas de Tectona grandis. Floresta, Curitiba, v. 23, n. 12, p. 77-84, 2012.

CRUZ, F. R. S.; ANDRADE, L. A.; FEITOSA, R. C. Produção de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda Câmara) em diferentes substratos e tamanho de recipientes. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 1, p. 69-80, 2016.

EL-KEBLAWY, A. Salinity effects on seed germination of the common desert range grass, Panicum turgidum. Seed Science and Technology, Zurique, v. 32, n. 1, p. 943-948, 2004.

FERREIRA, P. V. Estatística experimental aplicada à Agronomia. 3. ed. Maceió: UFAL, 2000. 604 p.

FERREIRA, S. A. N.; SANTOS L. A. Viabilidade de sementes de pupunha (Bactris gasipaes Kunth.). Acta Amazonica, Manaus, v. 22, n. 3, p. 303-307, 1992.

GONZAGA, T. W. C. et al. Crioconservação de sementes de aroeira (Astronium urundeuva Engl.), e baraúna (Schinopsis brasiliensis Engl.). Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 5, n. 2, p. 145-154, 2003.

KLOOSTER, W. S. et al. Growth and physiology of deciduous shade trees in response to controlled-release fertilizer. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v. 35, p. 71-79, 2012.

KRATKA, P. C.; CORREIA, C. R. M. A. Crescimento inicial de aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva allemão) em diferentes substratos. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 39, n. 3, p. 551-559, 2015.

KRATZ, D.; WENDLING, A. C. N.; SOUZA, P. V. D. Substratos renováveis na produção de mudas de Eucalyptus benthamii. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 607-621, 2013.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

MAIA G. N. Caatinga: árvores, arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura & Arte, 2004. 413 p.

MALAVOLTA, E.; VITTI, G. C.; OLIVEIRA, S. A. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. Piracicaba: Potafos, 1997. 201 p.

MARTINELLI, G.; MORAES, M. A. Livro vermelho da flora do Brasil. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson; Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2013. 1100 p.

MATIAS, G. C. S. et al. Avaliação de substratos comerciais para a produção de mudas de alface. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 17. n. 2, p. 159-162, 1999.

MELONI, D. A.; GULOTTA, M. R.; MARTINEZ, C. A. Salinity tolerance in Schinopsis quebracho colorado: seed germination, growth, ion relations and metabolic responses. Journal of Arid Environments, London, v. 72, n. 1, p. 1785-1792, 2008.

MENDONÇA, V. et al. Diferentes ambientes e Osmocote® na produção de mudas de tamarindeiro (Tamarindus indica). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 32, n. 2, p. 391-397, 2008.

NEVES, O. S. C.; CARVALHO, J. G.; RODRIGUES, C. R. Crescimento e nutrição mineral de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa arr. Cam.) submetidas a níveis de salinidade em solução nutritiva. Ciência Agrotecnica, Lavras, v. 28, n. 5, p. 997-1006, 2004.

NUNES, C. C. S.; SOUZA, D. R. Sobrevivência de quatro espécies lenhosas nativas cultivadas em solos degradados, Cruz das Almas, Bahia. Revista Magistra, Cruz das Almas, v. 23, n. 1-2, p. 11-16, 2011.

OLIVEIRA, A. B.; HERNANDEZ, F. F. F.; ASSIS JÚNIOR, R. N. Absorção de nutrientes em mudas de berinjela cultivadas em pó de coco verde. Revista Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 2, p. 139-143, 2009.

OLIVEIRA, F. A. et al. Desempenho de cultivares de alface submetidas a diferentes níveis de salinidade da água de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 15, n. 8, p. 771-777, 2011.

PAES, J. B.; MORAIS, V. M.; LIMA, C. R. Resistência natural de nove madeiras do semiárido brasileiro a fungos xilófagos em condições de laboratório. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 2, p. 275-282, 2004.

PRADO, R. M. Nutrição de plantas. São Paulo: UNESP, 2008. 407 p.

RHOADES, J. D.; KANDIAH, A.; MASHALI, A. M. Uso de águas salinas para produção agrícola. Campina Grande: FAO, 2000. 117 p.

ROSSA, U. B. et al. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Eucalyptus grandis. Revista Floresta, Curitiba, v. 45, n. 1, p. 85-96, 2015.

SILVA, F. A. S. E.; AZEVEDO, C. A. V. A. New Version of the Assistat-Statistical Assistance Software. In: WORLD C ONGRESS ON COMPUTERS IN AGRICULTURE, 4., Orlando, 2006. Anais... Orlando: American Society of Agricultural Engineers, 2006. p. 393-396.

SILVA, S. M. S. et al. Desenvolvimento e produção de duas cultivares de mamoneira sob estresse salino. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 12, n. 4, p. 335-342, 2008.

SIQUEIRA FILHO, J. A. et al. Guia de campo de árvores da Caatinga. Petrolina: Franciscana, 2009. 64 p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006. 719 p.

UNGAR, I. A. Seed germination and seed-bank ecology of halophytes. In: KIGEL, J.; GALILI, G. (Ed.). Seed Development and Germination. New York: Marcel Dekker, 1995. p. 599-629.

VALE, F. X. R.; FERNADES, E. I. F.; LIBERATO, J. R. Quant-A software for plant disease severity assessment. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF PLANT PATHOLOGY, 8., 2003. Abstracts… [s. l.: s. n], 2003. p. 105.

VENTURIN, N. Adubação mineral do angico amarelo (Peltophorum dubium) (Spreng) Taub.). Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 34, n. 3, p. 441-448, 1999.

XAVIER, K. R F. et al. Impactos pós-fogo na regeneração natural em um fragmento de floresta ombrófila aberta no município de Areia, Paraíba, Brasil. Revista brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 257-264, 2011.

YANAI, J. et al. Effects of inorganic nitrogen application on the dynamics of the soil solution composition in the root zone of maize. Plant Soil, Dordretch, v. 180, n. 1, p. 1-9, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833385

Licença Creative Commons