QUALIDADE DE MUDAS DE Tabebuia aurea (Manso) Benth. & Hook. EM DOIS AMBIENTES E DIFERENTES NÍVEIS DE FERTIRRIGAÇÃO

Renata de Paiva Dantas, Francisco de Assis de Oliveira, Antonio Lucieudo Gonçalves Cavalcante, Kleane Targino Oliveira Pereira, Mychelle Karla Teixeira de Oliveira, José Francismar de Medeiros

Resumo


A qualidade de mudas de espécies arbóreas é de fundamental importância para se obter êxito em projeto de reflorestamento ou de exploração comercial. Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a influência de dois ambientes (AMB-1, casa de vegetação; AMB-2, câmara plástica instalada dentro da casa de vegetação) e concentrações de nutrientes aplicados via fertirrigação (0, 50, 100 e 150% de uma solução nutritiva padrão) na produção de mudas de Tabebuia aurea, utilizando delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições. Foram avaliadas as seguintes características: altura (H), diâmetro do coleto (DC), número de folhas (NF), área foliar (AF), massa seca da parte aérea (MSPA), massa seca de raiz (MSR) e massa seca total (MST), relação H/DC, área foliar específica (AFE), razão de área foliar (ARF) e índice de qualidade de Dickson (IQD). A análise dos dados revelou que houve interação significativa entre os fatores para a maioria das variáveis. O uso da câmara plástica (AMB-2) proporcionou maior crescimento das mudas de Tabebuia aurea. Soluções de fertirrigação com concentração de nutrientes variando de 80 a 100% da solução padrão proporcionam mudas de Tabebuia aurea de melhor qualidade.


Palavras-chave


Tabebuia aurea; espécies florestais; índice de qualidade de Dickson.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, F. F. et al. Crescimento de mudas de pau-brasil (Caesalpinia echinata Lam.), submetidas a cinco níveis de sombreamento. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 58, n. 6, p. 729-734, 2011.

BLANCO, F. F.; FOLEGATTI, M. V. Estimation of leaf area for greenhouse cucumber by linear measurements under salinity and grafting. ScientiaAgricola, Piracicaba, v. 62, n. 4, p. 305-309, 2005.

BOTELHO, A. V. F. Influência de substratos e recipientes na qualidade das mudas de Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook.f. Ex. S.Moore. 2011. 49 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

CAI, Z. Q. et al. Effects of light and nutrients on seedlings of tropical Bauhinia lianas and trees. Tree Physiology, Oxford, v. 28, n. 8, p. 1277-1285, 2008.

CARNEIRO, J. G. A. Produção e qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR; FUPEF; Campos: UNEF, 1995. 451 p.

CRUZ, C. A. F. et al. Efeito da adubação nitrogenada na produção de mudas de sete-cascas (Samanea inopinata (Harms) Ducke). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 4, p. 537-546, 2006.

DANTAS, B. F. et al. Taxas de crescimento de mudas de catingueira submetidas a diferentes substratos e sombreamentos. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 3, p. 413-423, 2009.

DICKSON, A. et al. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. Forestry Chronicle, Ottawa, v. 36, p. 10-13, 1960.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FERREIRA, M. J. et al. Crescimento e eficiência do uso da água de plantas jovens de castanheira-da-amazônia em área degradada e submetidas à adubação. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 2, p. 393-401, 2012.

FIGUEIREDO, F. A. M. M. A. et al. Efeitos das variações biométricas de mudas clonais de eucalipto sobre o crescimento no campo. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 1, p. 1-11, 2011.

GOMES, J. M.; PAIVA, H. N. Viveiros florestais: propagação sexuada. 3. ed. Viçosa, MG: UFV, 2006. 116 p.

GONÇALVES, J. L. M. et al. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. In: GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. (Ed.). Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 191-268.

HOLANDA, A. C. et al. Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em ambientes degradados por sais. Revista de Biologia e Ciências da Terra, [s. l.], v. 7, n. 1, p. 39-50, 2007.

JOSE, A. C. et al. Efeito do volume do tubete, tipo e dosagem de adubo na produção de mudas de aroeira (Schinus terebenthifolia Raddi). Agrarian, [s. l.], v. 2, n. 3, p. 73-86, 2009.

LIMA, J. D. et al. Efeitos da luminosidade no crescimento de mudas de Caesalpinia ferrea Mart. exTul. (Leguminosae, Caesalpinoideae). Acta Amazonica, Manaus, v. 38, n. 1, p. 5-10, 2008.

OLIVEIRA, A. K. M.; PEREZ, S. C. J. G. A. Crescimento inicial de Tabebuia aurea sob três intensidades luminosas. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 2, p. 263-273, 2012.

PEREIRA, D. D. Plantas, prosa e poesia do Semi-árido. Campina Grande: EDUFCG, 2005.

QUEIROZ, J. E. et al. Avaliação estatística da área foliar através de modelos de equações em duas espécies florestais. Revista Verde, Mossoró, v. 8, n. 1, p. 146-153, 2013.

ROSSA, U. B. et al. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Schinus terebinthifolius e Sebastiania commersoniana. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 1, p. 93-104, 2013.

SÁ, F. V. S. et al. Crescimento inicial de arbóreas nativas em solo salino-sódico do nordeste brasileiro tratado com corretivos. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 60, n. 3, p. 388-396, 2013.

SOUZA, N. H. et al. Estudo nutricional da canafístula (I): crescimento e qualidade de mudas em resposta à adubação com nitrogênio e fósforo. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 4, p. 717-724, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833370

Licença Creative Commons