ATRIBUTOS FÍSICOS E BALANÇO HÍDRICO DO SOLO COM FLORESTA OMBRÓFILA MISTA, EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO, EM TELÊMACO BORBA - PR

Jorge Luiz Moretti de Souza, Kharyn Freitas Fezer, Bruno César Gurski, Daniela Jerszurki, Paulo Eugenio Pachechenik, Adão Wagner Pego Evangelista

Resumo


Objetivou-se no presente trabalho caracterizar os atributos físico-hídricos do solo e quantificar, em um ano, as componentes de um balanço hídrico, realizado para Floresta Ombrófila Mista em Latossolo Vermelho-Amarelo, textura arenosa, em Telêmaco Borba - PR. O experimento foi instalado na Fazenda Monte Alegre, pertencente à empresa Klabin Florestal, em área com mata nativa em estado avançado de regeneração. Foram caracterizados os seguintes atributos físicos do solo: massa específica, condutividade hidráulica saturada, curva de retenção da água, porosidade de aeração e capacidade de água disponível (CAD). As amostras indeformadas foram coletadas em uma trincheira, em cinco camadas. As amostras deformadas foram retiradas semanalmente, em oito pontos dentro da área experimental, em cinco camadas. Os valores de umidades do solo e precipitação interna foram coletados e registrados semanalmente ao longo do ano. O armazenamento de água no solo foi calculado empregando a regra do trapézio. A drenagem interna (D) e a ascensão capilar (AC) foram estimadas com a equação de Darcy-Buckingham. Os valores de massa específica, micro, macro e porosidade total do solo enquadraram-se nas faixas consideradas adequadas para solos de textura arenosa. O solo apresentou alta condutividade hidráulica, característica de solos bem drenados. Em média, o armazenamento não atingiu o ponto de murcha permanente ao longo do ano. A D média foi maior nos meses com maior precipitação, sendo o valor total anual médio de 94,9 mm ano–1. O valor médio da evapotranspiração real foi de 1355,9 mm ano-1, média de 3,7 mm dia-1.


Palavras-chave


floresta nativa, relações hídricas; evapotranspiração.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. C.; SOARES, J. V. Comparação entre uso de água em plantações de Eucalyptus grandis e floresta ombrófila densa (Mata Atlântica) na costa leste do Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 2, p. 159-170, 2003.

ANTONINO, A. C. D. et al. Balanço hídrico em solo com cultivo de subsistência no semi-árido do nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 4, p. 29-34, 2000.

ARAUJO, M. A.; TORMENA, C. A.; SILVA A. P. Propriedades físicas de um Latossolo Vermelho Distrófico cultivado e sob mata nativa. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 28, p. 337-345, 2004.

ASSIS, R. L.; LANCAS, K. P. Avaliação dos atributos físicos de um Nitossolo Vermelho distroférrico sob sistema plantio direto, preparo convencional e mata nativa. Revista Brasileira Ciência Solo, Viçosa, MG, v. 29, n. 4, p. 515-522, 2005.

AUBRÉVILLE, A. A floresta de pinho do Brasil. Rio de Janeiro: Anuário Brasileiro de Economia, 1949.

BACKES, A. Dinâmica do pinheiro brasileiro. Iheringia. Série Botânica, Porto Alegre, v. 30, p. 49-84, 1999.

BRUN, E. J. Matéria orgânica do solo em plantios de Pinus taeda e P. elliottii em duas regiões do Rio Grande do Sul. 2008. 118 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Maria, 2008.

CAVALCANTE, E. P.; PRADO, H. Ambientes de produção de cana-de-açúcar de Latossolos da região de Araxá – MG. Nucleus, Ituverava, v. 7, p. 115-124, 2010.

CAVICHIOLO, S. R. Perdas de solo e nutrientes por erosão hídrica em diferentes métodos de preparo do solo em plantio de Pinus taeda. 2005. 152 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

CAVIGLIONE, J. H. et al. Cartas climáticas do Paraná. Londrina: IAPAR, 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2012.

CESTARO, L. A. Estudo microclimático do interior de uma mata de araucária na Estação Ecológica de Aracuri, Esmeralda, RS. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 12, p. 41-57, 1988.

COOTE, D. R.; RAMSEY, J. F. Quantification of the effects of overs 35 years of intensive cultivation on four soils. Canadian Journal of Soil Science, Birmingham, v. 63, p. 1-14, 1983.

CURTIS, R. O.; POST, B. W. Estimating bulk density from organic matter content in some Vermont forest soils. Soil Science Society of America Proceedings, New York, v. 28, p. 285-286, 1964.

DALBIANCO, L. Variabilidade espacial e estimativa da condutividade hidráulica e caracterização físico-hídrica de uma microbacia hidrográfica rural. 2009. 116 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

DEDECEK, R. A. et al. Influência do sítio no desenvolvimento do Pinus taeda aos 22 anos: 1. Características físico-hídricas e química do solo. Floresta, Curitiba, v. 38, p. 507-416, 2008.

DOURADO NETO, D. et al. Software to model soil water retention curves (SWRC, version 2.00). Scientia Agricola, Piracicaba, v. 57, p. 191-192, 2001.

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos, 2011.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília: EMBRAPA, 2013.

ERICKSON, A. E. Tillage effects on soil aeration. In: PREDICTING TILLAGE EFFECTS ON SOIL PHYSICAL PROPERTIES AND PROCESSES, 1982, Madison. Proceedings… [s. l.]: American Society of Agronomy, 1982. p. 91-104.

GODEFROY, J.; JACQUIN, F. Relation entre la stabilité structurale des sols cultivés et le apports organiques en conditions tropicales; comparasion avec les sols forestiers. Fruits, Les Ulis, v. 30, p. 595-612, 1975.

HAJABBASI, M. A.; JALALIAN, A.; KARIMZADEH, H. R. Deforestation effects on soil physical and chemical properties, Plant Soil, New York, v. 190, p. 301-308, 1997.

HAMBLIN, A. P. The influence of soil structure on water movement, crop root growth and water uptake. Advances in Agronomy, Delaware, v. 38, p. 95-158, 1985.

HIGUCHI, P. et al. Partição espacial de espécies arbóreas em função da drenagem do solo em um fragmento de floresta com araucária no sul do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 421-429, 2014.

HUECK, K. As florestas da América do Sul: ecologia, composição e importância econômica. São Paulo: Polígono, 1972. 466 p.

ISERNHAGEN, I. A fitossociologia florestal no Paraná e os programas de recuperação de áreas degradadas: uma avaliação. 2001. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2001.

KIEHL, E. J. Manual de edafologia. São Paulo: Agronômica Ceres, 1979. 262 p.

KLEIN, R. M. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Selowia, Itajaí, n. 12, p. 17-44, 1960.

LETEY, J. Relationship between soil physical properties and crop production. Advances Soil Science, New York, v. 1, p. 277-294, 1985.

LIMA, J. R. S. et al. Balanço hídrico no solo cultivado com feijão caupi. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 1, p. 89-95, 2006.

MELLONI, R. et al. Avaliação da qualidade de solos sob diferentes coberturas florestais e de pastagem no sul de Minas Gerais. Revista Brasileira Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 32, p. 2461-2470, 2008.

MORI, H. F. et al. Perda de água, solo e fósforo com aplicação de dejeto líquido bovino em Latossolo sob plantio direto e com chuva simulada. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 33, p. 189-198, 2009.

MUALEM, Y. A new model for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated porous media. Water Resources Research, Washington, v. 12, p. 513-522, 1976.

PACHECHENIK, P. E. Demanda hídrica em plantio de pinus e em uma floresta nativa, na região de Telêmaco Borba. 2010. 111 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

PINTO, D. B. F. Aplicação do modelo SWAT (Soil and Water Assessment Tool) na simulação hidrossedimentológica em bacia hidrográfica da Serra da Mantiqueira, MG. 2011. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2011.

PREVEDELLO, C. L. Física do solo com problemas resolvidos. Curitiba: Sociedade autônoma de estudos avançados em Física do Solo, 1996. 446 p.

PORTUGAL, A. F.; COSTA, O. D. V.; COSTA, L .M. Propriedades físicas e químicas do solo em áreas com sistemas produtivos e mata mineira. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 34, p. 575-585, 2010.

REICHARDT, K.; TIMM, L. C. Solo, planta e atmosfera: conceitos, processos e aplicações. Barueri: Manole, 2012. 500 p.

SEITZ, R. A. Estudo da variação da radiação solar, temperatura e umidade relativa do ar no interior de uma mata de Araucaria angustifolia em relação ao terreno livre. Floresta, Curitiba, v. 7, p. 36-45, 1976.

SILVA, D. C. et al. Atributos do solo em sistemas agroflorestais, cultivo convencional e floresta nativa. REA – Revista de estudos ambientais, Blumenau, v. 13, n. 1, p. 77-86, 2011.

SILVA, G. J. et al. Variação de atributos físico-hídricos em Latossolo Vermelho Amarelo do cerrado mato-grossense sob diferentes formas de uso. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 32, p. 2135-2143, 2008.

SILVA, M. A. S. et al. Atributos físicos do solo relacionados ao armazenamento de água em um Argissolo Vermelho sob diferentes sistemas de preparo. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, p. 544-552, 2005.

SOARES, J. V.; ALMEIDA A. C.; PENCHEL R. M. Balanço hídrico de plantações de eucalipto a partir da estimativa de transpiração pelo método de Penman-Monteith. In: CONFERENCE ON SILVICULTURE AND IMPROVEMENT OF EUCALYPTUS, 1997, Salvador. Anais… Salvador: International Union of Forest Research Organizations, 1997. p. 52-61.

VAN GENUCHTEN, M. T. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soil. Soil Science Society America Journal, New York, v. 44, p. 892-898, 1980.

VIANA, E. T. et al. Atributos físicos e carbono orgânico em latossolo vermelho sob diferentes sistemas de uso e manejo. Revista Brasileira Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 35, n. 6, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509831583

Licença Creative Commons