EFEITO DA SAZONALIDADE SOBRE O RENDIMENTO DO ÓLEO ESSENCIAL DE Piper gaudichaudianum KUNTH

Bianca Schindler, Daniela Thomas da Silva, Berta Maria Heinzmann

Resumo


Piper gaudichaudianum Kunth (Piperaceae) é uma planta com ampla distribuição no território brasileiro. Além de sua importância ecológica, é utilizada na medicina popular e muitas de suas atividades biológicas já foram comprovadas. O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito da sazonalidade sobre o teor de óleo essencial (OE) em folhas de Piper gaudichaudianum e averiguar a possível influência do processo de secagem do material vegetal no rendimento deste extrativo. Foram coletadas aleatoriamente folhas de indivíduos de uma população nativa de Santa Maria - RS, Brasil, ao longo de um ano. O OE foi extraído de folhas frescas e secas à temperatura ambiente pelo método de hidrodestilação. Quando verificada a presença de órgãos reprodutivos, os mesmos foram extraídos, a fim de examinar a sua influência no rendimento do OE de folhas. Para determinação do teor de umidade (TU%), 20 g de folhas e 10 g de órgãos reprodutivos foram secos separadamente em estufa a 50°C até peso constante. O rendimento de OE de folhas (% m/m) foi calculado para o material fresco com base na massa seca, considerando o TU%, bem como para o material seco à temperatura ambiente. Apenas pequenas variações sazonais nos teores de OE foram detectadas para as amostras analisadas, não havendo diferença estatística entre eles. O maior rendimento foi observado na primavera, tanto para o OE de folhas (1,61±0,09%), quanto de órgãos reprodutivos (5,17%), enquanto o menor teor de OE em folhas ocorreu no verão (1,32±0,14%), a única estação em que não houve a presença de órgãos reprodutivos. A ausência de diferença significativa entre os rendimentos indica que não houve variabilidade sazonal quantitativa na produção de OE em folhas desta população. Portanto, a coleta deste órgão vegetal pode ser realizada em qualquer época do ano visando à obtenção deste extrativo. Uma vez que não foi verificada diminuição do teor de OE durante o processo de secagem à temperatura ambiente, esse processamento pós-colheita poderá ser adotado.


Palavras-chave


pariparoba; produto florestal não madeireiro; produção de óleo essencial; processamento pós-colheita.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBIERO, A. L. M. et al. Morfo-anatomia do caule e da folha de Piper gaudichaudianum Kuntze (Piperaceae). Acta Farmacêutica Bonaerense, Buenos Aires, v. 24, n. 4, p. 550-554, 2005.

AMARAL, L. P. et al. Seasonal influence on the essential oil of Nectandra megapotamica (Spreng.) Mez. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 58, n. 1, p. 12-21, 2014.

BERNIER, G. et al. Physiological Signals That Induce Flowering. The Plant Cell, Waterbury, v. 5, n. 10, p. 1147-1155, 1993.

BIASI, L. A; DESCHAMPS, C. Plantas aromáticas: do cultivo à produção de óleo essencial. 1. ed. Curitiba: Layer, 2009. 160 p.

BURT, S. Essential oils: their antibacterial properties and potential applications in foods – a review. International Journal of Food Microbiology, Amsterdam v. 94, n. 3, p. 223-253, 2004.

CARDOSO, P. R. Estruturas secretoras em plantas. 2011. 16 f. Estágio de Docência CAPES. Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente, Instituto de Botânica, 2011.

COSTA, I. O. V. L. et al. Produção de Biomassa (Folhas e Caules) e Rendimento de Óleo Essencial de Piper aduncum L., em Função de Épocas de Colheita, nas Condições de Manaus – AM. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA DA EMBRAPA AMAZÔNIA OCIDENTAL, 3., 2008. Anais... [s. l.: s. n], 2008. p. 89.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. 2. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2002. 604 p.

FIEDLER, N. C.; SOARES, T. S.; SILVA, G. F. Produtos florestais não madeireiros: importância e manejo sustentável da floresta. Revista Ciências Exatas e Naturais, Guarapuava, v. 10, n. 2, 2008.

FIGUEIREDO, A. C. et al. Factors affecting secondary metabolite production in plants: volatile components and essential oils. Flavour and Fragrance Journal, Chinchester, v. 23, n. 4, p. 213-226, 2008.

FIGUEIREDO, F. J. C. et al. Secagem da biomassa aérea de pimenta longa sob condições de laboratório e de campo. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2004. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n. 32).

GONÇALVES, E. G.; LORENZI, H. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. 2. ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2011. 512 p.

GOBBO-NETO, L.; LOPES, N. P. Plantas medicinais: fatores de influência no conteúdo de metabólitos secundários. Química Nova, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 374-381, 2007.

GOTELLI, N. J.; ELLISON, A. M. Princípios de estatística em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011. 527 p.

GOVINDASAMY, R.; ARUMUGAM, S.; SIMON, J. E. An assessment of the essential oil and aromatic plant industry with a focus on Africa. African Natural Plant Products, Washington, v. 2, n. 18, p. 289-321, 2013.

GUIMARÃES, E. F. et al. Piperaceae. In: JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Lista de Espécies da Flora do Brasil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2014.

GUIMARÃES, E. F.; VALENTE, M. C. Piperáceas – Piper. Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: [S. L.], 2001. 103 p.

HAMROUNI SELLAMI, I. et al. Drying sage (Salvia officinalis L.) plants and its effects on content, chemical composition, and radical scavenging activity of the essential oil. Food and Brioprocess Technology, Berlim, v. 5, n. 8, p. 2978-2989, 2012.

HELDWEIN, A. B.; BURIOL, G. A.; STRECK, N. A. O clima de Santa Maria. Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 38, p. 43-58, 2009.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. 92 p.

LAGO, J. H. G. et al. Benzoic acid derivatives from Piper species and their fungitoxic activity against Cladosporium cladosporioides and C. shaerospermum. Journal of Natural Products, Cincinnati, v. 67, n. 11. p. 1783-1788, 2004.

LIMA, H. R. P.; KAPLAN, M. A. C.; CRUZ, A. V. M. Influência dos fatores abióticos na produção e variabilidade de terpenóides em plantas. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 10, n. 2, p. 71-77, 2003.

MAIA, J. G. S. et al. Constituents of the essential oil of Piper aduncum L. growing wild in the Amazon region. Flavour and Fragrance Journal, Chinchester, v. 13, n. 4, p. 269-272, 1998.

MACHADO, F. S. Manejo de produtos florestais não madeireiros: um manual com sugestões para o manejo participativo em comunidades da Amazônia. Rio Branco: PESACRE; CIFOR, 2008.

MACIEL FILHO, C. L. Carta geotécnica de Santa Maria. Santa Maria: Imprensa Universitária, 1990. 24 p.

MARCHESE, J. A.; FIGUEIRA, G. M. O uso de tecnologias pré e pós-colheita e boas práticas agrícolas na produção de plantas medicinais e aromáticas. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Paulinia, v. 7, n. 3, p. 86-96, 2005.

MESQUITA, J. M. O. et al. Estudo comparativo dos óleos voláteis de algumas espécies de Piperaceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, Curitiba, v. 15, p. 6-12, 2005.

MIKICH, S. B. et al. Attraction of the fruit-eating bat Carollia perspicillata to Piper gaudichaudianum essential oil. Journal of Chemical Ecology, New York, v. 29, n. 10, p. 2380-2383, 2003.

MOREIRA, D. L. et al. Estudos fitoquímico e farmacológico de Piper gaudichaudianum Kunth (Piperaceae). Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, v. 82, n. 1/2, p. 29-32, 2001.

MORAIS, S. M. et al. Chemical composition and larvicidal activity of essential oils from Piper species. Biochemical Systematics and Ecology, Oxford, v. 35, n. 10, p. 670-675, 2007.

OLIVEIRA, G. L. et al. Growth study and essential oil analysis of Piper aduncum L. from two sites of Cerrado biome of Minas Gerais State, Brazil. Revista Brasileira de Farmacognosia, Curitiba, v. 23, p. 743-753, 2013.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Classificação das Fitofisionomias da América do Sul-Cisandina Tropical e Subtropical: proposta de um novo sistema – prático e flexível – ou uma injeção a mais de caos? Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 60, p. 237-258, 2009.

OKSANEN, J. et al. Community Ecology Package. [s. l.: s. n.], 2013.

POTZERNHEIM, M. C. L. et al. Chemical characterization of essential oil constituents of four populations of Piper aduncum L. from Distrito Federal, Brazil. Biochemical Systematics and Ecology, Oxford, v. 42, p. 25-31, 2012.

RODIG, L. R.; POSER, G. L. V. Constituintes químicos de espécies da família Piperaceae. Acta Biologica Leopoldensia, São Leopoldo, p. 57-64, 1990.

ROHLF, F. J. Adaptative hierarquical clustering schemes. Systematic Zoology, Oxford, v. 19, n. 1, p. 58-82, 1970.

SANTOS, A. J. et al. Produtos não madeireiros: conceituação, classificação, valoração e mercados. Revista Floresta, Curitiba, v. 33, n. 2, p. 215-224, 2003.x’

SANTOS, T. G. Composição química e atividade antimicrobiana dos óleos essenciais de três espécies do gênero Piper e de Baccharis semiserrata DC. 2009. 117 f. Dissertação (Mestrado em Química) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2009.

SARTOR, R. B. Modelagem, simulação e otimização de unidade industrial de extração de óleos essenciais por arraste a vapor. 2009. 75 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SILVA, R. S. et al. Óleo essencial de limão no ensino da cromatografia em camada delgada. Química Nova, São Paulo, v. 32, n. 8, p. 2234-2237, 2009.

SOIDROU, S. H. et al. Fungicidal activity of four essential oils from Piper capense, Piper borbonense and Vetiveria zizanoides growing in Comoros against fungi decay wood. The Journal of Essential Oil Research, Carol Stream, v. 25, n. 3, p. 216-223, 2013.

SPEZIALI, M. G. De aromas e perfumes, o mercado da indústria do “cheiro”. Química Nova, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 861-864, 2012.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER, 2008. 222 p.

VENSKUTONIS, P. R. Effect of drying on the volatile constituents of thyme (Thymus vulgaris L.) and sage (Salvia oficinalis L.). Food Chemistry, London, v. 59, n. 2, p. 219-227, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509831581

Licença Creative Commons