Chave de identificação dendrológica das espécies mais comuns de uma área de Cerrado Sensu Stricto, Gurupi, Tocantins

Jacqueline Bonfim e Cândido, Rodney Haulien Oliveira Viana, Israel Gomes Morais, Marcos Vinicius de Melo Amorim, Priscila Bezerra de Souza

Resumo


Estudos com chave de identificação dendrológica e o comportamento fenológico aliado ao conhecimento das espécies ameaçadas de extinção da flora arbustivo-arbórea do Cerrado no Estado do Tocantins ainda são escassos ou incipientes, promovendo assim uma lacuna de informações técnicas e científicas. Portanto, esta pesquisa visa respaldar o estabelecimento de prioridades para futuras estratégias de conservação e planos de manejo de espécies botânicas do Cerrado. Diante do contexto, objetivou-se elaborar uma chave dicotômica, baseada em caracteres vegetativos das espécies arbustivo-arbórea de uma área de cerrado sensu stricto em Gurupi – TO. Foram alocadas, sistematicamente, cinco parcelas permanentes de 20×50m, ou seja, 1000 m² cada, sendo as mesmas distanciadas 10 m entre si. Amostrou-se todos os indivíduos arbustivo-arbóreos, com circunferência a 1,30 m do solo (CAP) maior ou igual a 10 cm. Os materiais botânicos das espécies foram herborizados seguindo as técnicas convencionais. Para a elaboração da chave de identificação, foi realizada uma seleção dentre as 106 espécies amostradas, considerando apenas as espécies que possuíam densidade absoluta maior ou igual a 5 indivíduos, desta forma foram selecionadas 54 espécies. Cabe ressaltar que essa seleção teve como objetivo incluir apenas as espécies de maior recorrência no cerrado sensu stricto, com finalidade de viabilizar a funcionalidade da chave. A chave de identificação baseada em caracteres vegetativos foi composta por 54 espécies arbustivo-arbóreas de eudicotiledôneas e angiospermas basais, distribuídas em 47 gêneros, incluídos em 26 famílias botânicas. A confecção da chave de identificação dendrológica demonstrou-se uma ferramenta funcional, ou seja, permitiu uma rápida e fácil identificação das espécies vegetais amostradas.


Palavras-chave


Chave dicotômica; Dendrologia; Levantamento florístico

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, p. 1-20, jan. 2016.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Mapeamento do uso e cobertura do cerrado: Projeto TerraClass Cerrado 2013. Brasília: MMA, 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. PPCerrado: Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado: 2ª fase (2014-2015). Brasília: MMA, 2014. 132 p.

BUTTLER, A. et al. Annual variation in soil respiration and its component parts in two structurally contrasting woody savannas in Central Brazil. Plant Soil, [S.l.], n. 352, p. 129-142, set. 2012.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisas de Solos, 2013. 353 p.

FERREIRA, Q. S. F. et al. Fitossociologia e estrutura diamétrica de um cerrado sensu stricto, Gurupi -TO. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 10, n. 1, p. 229-235, jan./mar. 2015.

FERREIRA, R. Q. S. et al. Diversidade florística do estrato arbustivo arbóreo de três áreas de cerrado sensu stricto, Tocantins. Desafios, Tocantins, v. 4, n. 2, p. 69-82, maio 2017.

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnicas de coleta, preservação e herborização do material botânico. Instituto de Botânica. São Paulo: [s.n.], 1984. 61 p. (Manual 4).

GONÇALVES, E. G.; LORENZI, H. J. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2007.

HAIDAR, R. F. et al. Seasonal forests and ecotone areas in the state of Tocantins, Brazil: structure, classification and guidelines for conservation. Acta Amazonica, Manaus, v. 43, n. 3, p. 261-290, dez. 2013.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Brasil). The international plant names index. Search the data: plant names. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2016.

JUDD, W. S. et al. Sistemática vegetal: um enfoque filogenético. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

LEMOS, H. L. et al. Structure and floristic relationships between Cerrado sensu stricto sites on two types of substrate in northern Cerrado, Brazil. Biota Neotropica, Campinas, v. 13, n. 4, p. 121-132, out./dez. 2013.

MARCHIORI, J. N. C. Elementos de dendrologia. 2. ed., Santa Maria: UFSM, 2004.

MEDEIROS, M. B.; WALTER, M. L. Composição e estrutura de comunidades arbóreas de cerrado stricto sensu no norte do Tocantins e sul do Maranhão. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 4, p. 673-683, jul./ago. 2012.

MENDONÇA, R. et al. Flora vascular do bioma Cerrado: checklist com 12.356 espécies. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. Cerrado: ecologia e flora. [S.l.]: EMBRAPA Informações Tecnológicas, 2008. v. 2. p. 287-556.

MORI, S. A. et al. Manual de manejo de Herbário fanerogâmico. Ilhéus: CEPLAC, 1985. 97 p.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: J. Wiley, 547 p, 1974.

PEDREIRA, F. R. B. et al. Composição florística e fitossociologia de espécies arbóreas em uma área de cerrado stricto sensu no Município de Porto Nacional, TO. Revista Global Science and Technology, Rio Verde, v. 4, n. 1, p. 08-15, abr. 2011.

PESTANA, L. T. C.; ALVES, F. M.; SARTORI, A. L. B. Espécies arbóreas da arborização urbana do centro do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. REVSBAU, Piracicaba, v. 6, n. 3, p. 1-21, set. 2011.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. REFLORA: Herbário virtual. Flora do Brasil 2020 em construção. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2016.

REJMANEK, M.; BREWER, S.W. 2001. Vegetative identification of tropical woody plants: state of the art and annotated bibliography. Biotropica 33: 214-228.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. As Principais Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S. M. et al. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora. 1. ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p. 151-212, 2008.

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Mapeamento de cobertura vegetal do bioma Cerrado: estratégias e resultados. Embrapa Cerrado. Planaltina DF. 2007.

SANTOS, E. R.; LÓLIS, S. F. Análise florística em comunidades florestais nos Municípios de Caseara, Marianópolis, e Pium, no estado do Tocantins. Revista Carbono Social, Tocantins, v. 1, n. 2, p. 24-31, abr. 2007.

SILVA JÚNIOR, M. C. 100 árvores do cerrado: sentido restrito. 1. ed. Brasília: Rede de sementes do cerrado, 2012.

SILVA JÚNIOR, M. C. et al. Guia do observador de árvores: tronco, copa e folha. 1. ed. Brasília: Rede de sementes do cerrado, 2014.

SILVA JÚNIOR, M. C.; PEREIRA B. A. S. 100 árvores do cerrado: mata de galeria. 1. ed. Brasília: Rede de sementes do cerrado, 2009.

TEIXEIRA, C. Chave de identificação baseada em caracteres vegetativos para a arborização urbana de Foz do Iguaçu-PR. 2015. Monografia (Especialista na Pós-Graduação em Gestão Ambiental em Municípios) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

TOCANTINS. Secretaria do Planejamento, Governança e Gestão. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. Palmas: SEPLAN, 2012. (Palmas - Atual, 6).

URBANETZ, C.; TAMASHIRO, J. Y.; KINOSHITA, L. S. Chave de identificação de espécies lenhosas de um trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica, no Sudeste do Brasil, baseada em caracteres vegetativos. Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 2, p. 349-398, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509829028

Licença Creative Commons